L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church
Forum RP de l'Eglise Aristotelicienne du jeu en ligne RR
Forum RP for the Aristotelic Church of the RK online game
 
Lien fonctionnel : Le DogmeLien fonctionnel : Le Droit Canon
 FAQFAQ   RechercherRechercher   Liste des MembresListe des Membres   Groupes d'utilisateursGroupes d'utilisateurs   S'enregistrerS'enregistrer 
 ProfilProfil   Se connecter pour vérifier ses messages privésSe connecter pour vérifier ses messages privés   ConnexionConnexion 

[Livro das Virtudes] Príncipe-Demónio Asmodeus

 
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Capítulo do Repositório
Voir le sujet précédent :: Voir le sujet suivant  
Auteur Message
NReis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 16 Mai 2012
Messages: 2579
Localisation: Chaves - Kingdom of Portugal

MessagePosté le: Sam Mai 30, 2015 5:50 pm    Sujet du message: [Livro das Virtudes] Príncipe-Demónio Asmodeus Répondre en citant

    Demonografia de Asmodeus, Príncipe-Demónio da Luxúria



    Uma criança precoce

    Há muito tempo nasceu em Samarra, uma pequena aldeia de agricultores, não longe de Oanylone, um menino a quem os seus pais chamaram de Asmodeus. Era forte e cheio de vida. Os seus olhos eram de um negro profundo e cativante. O seu rosto era belo a tal ponto que podia ser confundido com um anjo. Mas fora grande a surpresa dos seus pais quando constataram no seu corpo uma estranha deformidade. Como eram simplórios e aquilo parecia fora do comum, decidiram ver o velho Gedeón, curandeiro de profissão que vivia afastado dos homens.
    Este último era um homem com a cara enrugada pelos anos e que manteve a sua fé em Jah intacta. Pegou o pequeno dos braços da sua mãe, colocou-o sobre uma mesa e lentamente desapertou-lhe a fralda a fim de o examinar. Qual não foi o seu espanto quando viu que o bebé não tinha um sexo, mas dois! Era ao mesmo tempo feminino e masculino. Então voltou-se para os seus pais.


    Citation:
    Curandeiro: Vocês trouxeram ao mundo um ser fora do comum. Isto está além de minhas habilidades. Não sei se é uma mensagem que vos foi enviada pelo Altíssimo, ou se…


    Não conseguira terminar a sua frase. Vestiu apressadamente o recém-nascido e entregou-o ao casal que esperava uma resposta com ansiedade.

    Citation:
    Curandeiro: Vocês não devem voltar mais aqui com esta criança. Aconselho-vos que se voltem para Jah e que Lhe rezem repetidamente. Quanto a… ele, amai-o o melhor que podeis e afastai-o do Mal.


    Com temor e preocupação a pequena família regressou a sua casa. Foi neste ambiente que a criança cresceu.
    No momento em que ele começou a andar, os problemas para o pai e para a mãe começaram.
    Asmodeus adorava particularmente observar os animais no curral. Ele fascinava-se todos os dias ao vê-los mexer-se, comer e emitir sons curiosos. Mas o que mais o maravilhava era vê-los acasalar. Aquela era das suas maiores emoções. Proferia pequenos gritos que pareciam acompanhar os animais na sua reprodução. Batia palmas a cada manifestação viril do bode ou do touro. O seu pai em vão tentou repreender, ameaçar e bater, mas nada funcionou.
    Aos cinco anos, tentou algumas "experiências" com os animais. Conhecia bem os hábitos das espécies que viviam ao seu redor. Decidiu mudar a ordem natural das coisas, colocando o cão com a porca ou o gato com o pato. O resultado foram ferimentos cruéis que não serviram para saciar o seu entusiasmo.




    A Revelação

    Aos dez anos de idade, enquanto participava da colheita do mês de julho, ocorreu um evento que mudou a sua vida. Era o fim do dia e quase todos os agricultores já tinham regressado a casa. Estava sozinho num campo, no meio de montes de palha habilmente dispostos separadamente. Observava um casal de escaravelhos que subia um sobre o outro. De repente, a sua atenção foi desviada pelo ruído estridente que parecia vir de uma mó de moinho. Atraído por esses sons incomuns, ele decidiu aproximar-se o mais discretamente possível. E nesse lugar, descobriu o que nunca tinha visto antes: um homem e uma mulher, completamente nus, os corpos entrelaçados transbordando de sensualidade e adoptando as posturas dos animais que lhe eram tão familiares. Ele não se mostrou, mas observou-os enquanto pôde, sentindo nas profundezas do seu corpo emoções insólitas.

    De regresso a casa, não pregou olho durante a noite inteira, a sua mente estava completamente consumida pelo que acabara de ver.

    A manhã seguinte foi para ele como um segundo nascimento. Observava agora as raparigas e os rapazes da sua idade de uma forma totalmente diferente. A sua constituição genital fazia com que ele se sentisse atraído igualmente por ambos os sexos. Aproximou-se de todos os meninos e meninas da sua aldeia, dos bonitos e das bonitas, dos pequenos e dos grandes, dos magros e dos gordos.

    O seu método era pouco ortodoxo, para dizer o mínimo. A abordagem era muitas vezes brutal, semelhante a um ataque violento, que terminava por tombar numa vala ou num riacho. O parceiro debatia-se, gritava, arranhava, mordia, lutava e acabava fugindo-lhe do abraço, não sem antes ter perdido uma parte das suas calças ou vestido.

    O cenário repetiu-se durante uma semana inteira. Por fim, numerosos habitantes da aldeia, indignados com esta conduta intolerável, invadiram a fazenda da família e foi por pouco que o pequeno Asmodeus conseguiu fugir aterrorizado, sem esperar o que se sucederia.




    Chegada a Oanylone

    Oanylone era nessa época a maior cidade da terra. Ela abrigava em seu seio, provavelmente, mais de um milhão de pessoas. Mas, a acídia tinha conquistado os corações e corrompido as almas. A maioria dos habitantes afastara-se de Jah. É neste contexto que chegou o pequeno Asmodeus, ainda muito abalado com o que acabara de viver.

    Vagueou durante dias e dias pelas ruas, vivendo de roubos e da mendicância. Dormia durante a noite no chão em meio ao que havia de mais vil e desprezível naquela cidade. Sujo como um piolho, lamacento como uma cabra, os seus passos levaram-no por acaso a um bairro da cidade muito diferente dos outros. Mulheres de pequenas virtudes vendiam o seu charme aos homens que passavam. Algumas eram ainda jovens e frescas, outras gastas e murchas pelo “trabalho”. Ele reparou numa delas, ruiva, mais forte do que a média e com seios generosos. Aproximou-se dela e estendeu a mão como se fosse pegar um fruto proibido. Esteve bem até que uma bofetada magistral de uma mão lhe veio recordar a sua idade e a sua condição.

    A mulher começou a vociferar palavras num tom seco e rápido.


    Citation:
    Mulher: Diz-me lá moçoilo, quem te deu permissão? E de onde é que vem este pirralho? Coberto com tanta sujeira dou-te uma semana antes de te ver morto no riacho.


    Ela soltou uma gargalhada grosseira e sonora, com ambas as mãos pousadas nos quadris, testemunhada pelas mulheres à sua volta bem como pelos transeuntes. Inclinou-se um pouco para o observar mais de perto, segurando o seu queixo entre as mãos.

    Citation:
    Mulher: Mas debaixo desta sujidade és bem mais bonito. Se fosses um pouco mais velho dar-te-ia uma boa …


    Ela não conseguiu acabar a frase. Como uma cobra sobre a sua presa, Asmodeus colocou os seus lábios sobre os dela, fazendo recuar a mulher surpreendida, que respondeu com uma risada ainda mais grosseira que a primeira.

    Citation:
    Mulher: Decididamente agradas-me! Vem comigo lá dentro, quero mostrar-te duas ou três coisas, ensinar-te a história da vida.


    O quarto no qual entraram estava escuro, pois não tinha janelas. Tochas iluminavam debilmente o interior, que consistia de quatro delas dispostas em camadas nos quatro cantos. O que servia de cama era um colchão cheio de palha e as travessuras podiam ser escondidas dos olhos dos visitantes por um tecido estendido a toda a volta. Nas paredes, Asmodeus não acreditava no que os seus olhos viam, cenas eróticas mostravam homens e mulheres nus, em posições por vezes acrobáticas, frequentemente surrealistas. Então disse para si próprio que tinha muito que aprender.

    A mulher forte atirou-o literalmente sobre o seu leito. Despiu-se lentamente diante dele, fazendo aparecer as suas abundantes curvas e as suas protuberâncias. Depois ela começou a fazer o mesmo com o rapaz. Um grito fez-se ouvir. Ela não conseguiu reter o seu espanto perante a anomalia sexual de que era provido Asmodeus.


    Citation:
    Mulher: Tem consciência que tens um brilhante futuro traçado!


    E nesse dia, ele perdeu a inocência.



    A cidade afunda-se na depravação

    Ele viveu durante muitos anos ao lado da mulher, tornando-se seu amante, partilhando a sua cama e os seus clientes. Mostrava-se particularmente formidável e activo, multiplicando os seus actos como se a sua vida dependesse disso.
    Com a idade, o seu corpo desenvolveu-se e formou-se. Uns seios firmes vieram adornar o seu busto. Apanhou o hábito de deixar crescer os seus belos cabelos negros mas também de manter as roupas masculinas. Tornou-se o foco de interesse de tudo o que a cidade pudesse contar sobre depravação.

    A sua fama era tal que um dia ele foi introduzido à corte do rei de Oanylone. Este homem era tudo o que havia de mau. Um verdadeiro concentrado de inveja, avareza e desonestidade. Vivia cercado por uma multidão de esposas e cortesãs. Orgias sucediam-se às orgias, e festas às bebedeiras. Jah tinha abandonado este lugar. Tinha ouvido falar deste jovem misterioso, capaz de proporcionar prazeres inéditos. Mandara-o chamar.

    Asmodeus compareceu na corte um dia em que a festa atingira o seu auge. As mesas tal como as cadeiras tinham sido derrubadas, os corpos estavam deitados no chão. A maioria estava nu, entrelaçada, presa e como que acorrentada pelo prazer. Os escravos, também nus, tentavam também juntar-se tanto a homens, como mulheres, que se abraçavam em posições obscenas. Traziam sobre pratos de marfim tudo o que era necessário aos prazeres orgíacos.
    Logo que o rei o viu entrar na sala, empurrou de alguma forma a meia dúzia de seres bêbedos que estavam amontoados ao seu lado, levantou-se e olhou-o fixamente nos olhos. Todos os que estavam à sua volta, homens e mulheres que participavam neste bacanal, uns após os outros, pararam o seu trabalho e fixaram o seu olhar no recém-chegado. O silêncio era agora completo.

    Asmodeus aproximou-se. Trazia um vestido de tecido branco que contrastava com o seu olhar de um negro intenso e a cor escura dos seus cabelos. Lentamente, ele descobriu os seus ombros e deixou cair as roupas no chão sem nenhum pudor, revelando a todos a sua desconcertante anatomia. Atravessou a sala. As pessoas desviavam-se do seu caminho. Ele foi ao encontro do rei que nada dissera e lançou-se brutalmente sobre ele. As pessoas soltaram um grito selvagem e a festa continuou de forma mais bela, como se todos se sentissem agora libertados.

    Asmodeus tornou-se o amante ou a amante do rei, conforme o ponto de vista que escolhermos. Catalisava as energias sexuais da corte que agora não conheciam qualquer limite. Mais grave ainda, este exemplo partindo de cima espalhou-se pelas camadas superiores da sociedade numa primeira fase e depois chegou ao resto dos habitantes da cidade.
    Nas casas, nas ruas, ou esgotos, nos campos ou celeiros, tudo não era mais que devassidão e luxúria. A depravação e o vício tinham substituído a virtude e a fé. Porque os homens agora tinham esquecido Jah, reservando a sua alma apenas aos prazeres.




    A queda

    Havia um ser que sem dúvida desfrutava mais do que os outros ao ver a decadência da cidade. Jah não lhe tinha dado um nome e ele deleitava-se ao ver até que ponto a obra do divino se degradava.

    Foi então que o céu se encheu de nuvens negras e ameaçadoras e que um vento violento começou a soprar. O Altíssimo dirigiu-se aos habitantes da cidade.


    Citation:
    Jah: Enquanto Eu vos dei o Meu amor, vocês desviaram-se, preferindo ouvir as palavras da criatura à qual não dei nome. Preferiram abandonar-se aos prazeres materiais em vez de me darem graças.


    Ele acrescentou:

    Citation:
    Jah: Criei para vocês um lugar chamado Inferno, que coloquei na Lua, onde os piores dentre vós conhecerão uma eternidade de tormentos para os punir pelos seus pecados. Em sete dias, a vossa cidade será envolta em chamas e aqueles que lá permanecerem passarão a eternidade no Inferno. Contudo, sou magnânimo, e aqueles que entre vocês saibam fazer penitência passarão a eternidade no Sol, onde se encontra o Paraíso.


    Perante essas terríveis palavras, todos os homens e mulheres se entreolharam e não ousaram mexer-se. Todos estavam agora com medo do seu destino. Um grande número decidiu sair da cidade agora maldita.
    Mas a Criatura Sem Nome, personificação do mal e tão astuta como sorrateira, decidiu agir. Escolheu entre os que restavam sete homens que cada um no seu género concentrava as trevas da humanidade. Asmodeus foi um deles. Deixou-se convencer por aquele que não tinha nome, que Jah não ousaria jamais passar a acção e que a sua decisão estava marcada pelo selo do ciúme. Pela influência que tinha sobre o rei, conseguiu convencer, por seu lado, este último, assim como a corte e uma grande parte dos habitantes a retomar a vida do prazer e da libertinagem.

    Não obstante, apenas alguns se reuniram à volta de uma mulher de nome Rafaela que era habitada pelo espírito de Jah. Ela fazia parte de um grupo de sete que tinham aberto os olhos perante o discurso do divino e que eram agora habitados pelo amor de Jah.

    Ela percorreu a cidade em todas as direcções, pregando o arrependimento e opondo-se directamente a Asmodeus. Estava ardentemente convencida de deter a verdade e muitos a seguiram e salvaram assim as suas almas. Mas a maioria dos homens preferiu voltar aos seus vícios.

    Sete dias mais tarde, um terremoto de poder sem precedentes atingiu a cidade. O solo fracturou-se. Apareceram grandes fendas de onde brotaram as chamas. Num instante Oanylone desapareceu nas profundezas da terra. Jah acabara de atingir com a sua cólera a cidade perversa.

    Todos os mortos apresentaram-se então perante o Altíssimo a fim de que este os julgasse. Rafaela e os outros seis humanos tornaram-se Arcanjos diante do Altíssimo, enquanto que aqueles que os tinham seguido se transformaram em anjos.

    Asmodeus e os seis outros homens que tinha escolhido o Sem Nome foram escorraçados para a Lua. Foram colocados num lugar frio, sem vida e numa neblina permanente. Os corpos de cada um deles transformaram-se para tomar um aspecto ao mesmo tempo hediondo e aterrorizante. Asmodeus recebeu uma cabeça abominável de serpente com uma língua desmesurada e foi provido de quatro pares de seios e de um falo de um comprimento elefântico. Tinha de o colocar permanentemente sobre o seu ombro para não o pisar. Os seus instintos luxuriosos foram aumentados e atormentava dia e noite os infelizes que se tinham perdido no Inferno, tanto como irritava continuamente os seus irmãos demónios perseguindo-os pelos seus desejos.

    Por isso, foi condenado a viver para sempre nas planícies do Inferno.

    Para registo, alguns retiveram algumas palavras de Asmodeus, pronunciadas na sua vida:


    Citation:
    - De todas as aberrações sexuais, a castidade é a pior.
    - Uma mulher sexualmente satisfeita é muito mais aberta.
    - Temos de ensinar as pessoas a servir-se do sexo como uma colher e um garfo.
    - Em termos de amor sexual, o apetite está sempre em mudança.


Traduzido do siríaco por Tibère d’Arcis
_________________
His Excellency NReis Ribeiro de Sousa Coutinho | Archbishop of Braga | Vice-Primate of the Kingdom of Portugal | General Secretary of the Roman Registers | Writer of the Saint Office | Translator on Villa San Loyats



Diploma Curso Professoral
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Montrer les messages depuis:   
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Capítulo do Repositório Toutes les heures sont au format GMT + 2 Heures
Page 1 sur 1

 
Sauter vers:  
Vous ne pouvez pas poster de nouveaux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas éditer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas supprimer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas voter dans les sondages de ce forum


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduction par : phpBB-fr.com