L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church
Forum RP de l'Eglise Aristotelicienne du jeu en ligne RR
Forum RP for the Aristotelic Church of the RK online game
 
Lien fonctionnel : Le DogmeLien fonctionnel : Le Droit Canon
 FAQFAQ   RechercherRechercher   Liste des MembresListe des Membres   Groupes d'utilisateursGroupes d'utilisateurs   S'enregistrerS'enregistrer 
 ProfilProfil   Se connecter pour vérifier ses messages privésSe connecter pour vérifier ses messages privés   ConnexionConnexion 

[Anúncios] Documentos trazidos da Praça de Aristoteles
Aller à la page Précédente  1, 2, 3 ... 11, 12, 13
 
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal
Voir le sujet précédent :: Voir le sujet suivant  
Auteur Message
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3196
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Ven Avr 08, 2022 1:16 am    Sujet du message: Répondre en citant

Citation:





    Composição da Assinatura Apostólica



    Nós, Roderic D'Aleixar Batista, Cardeal Decano do Sagrado Colégio, por vontade e decisão do Sagrado Colégio dos Cardeais, em nome de Sua Santidade o Soberano Pontífice e Papa da Igreja Universal, perante o Todo-Poderoso e sob o olhar dos Seus Dois Profetas, Aristóteles e Christos,


      comunicamos a composição da Assinatura Apostólica:

      Felipe Juan Alvarez de Toledo Josseliniere [ Felipe... ]
      Lyssah Ferreira de Queirós Silva e Sagres [ Lyssah ]
      Adonnis Ferreira de Queirós Silva e Sagres [ Adonnis ]
      Roderic D'Aleixar Batista [ Roderic_ ]
      Alecsander Iwanowitsch [ Alecsander ]
      Eidgenosse [ Eidgenosse ]
      Fenice Maria Helena Deversi-Aslan Borgia [ Fenice ]
      Francesco Maria Sforza [ Francesco_maria ]
      Arthur II de Nivellus [ Arthur_ii ]
      Neirin de Castelcerf [ Neirin ]


    Ad Maiorem Dei Gloriam!

    Roma, Anno Domini MCDLXX, XVII Ianuarii, Sixti IV Pontificatus Anno tertio

    Pelo Sagrado Colégio dos Cardeais,
    Sua Eminência Roderic Cardinal D´Aleixar Batista
    Sanctae Romanae Ecclesiae Cardinalis Decanus.





_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3196
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Ven Avr 08, 2022 1:47 am    Sujet du message: Répondre en citant

Citation:

    ........

    De Sanctae Sedis summa administratione
    Constituição Apostólica « Do Governo Supremo da Santa Sé ».
    - Continuação -



    Sixtus Episcopus, Servus Servorum Dei, Ad perpetuam rei memoriam





    Livro 5.4 : A Congregação para a Santa Verdade


      A Congregação para a Santa Verdade é o Dicastério Romano encarregado da supervisão e gestão da Justiça da Igreja e dos Tribunais Eclesiásticos dentro dos limites de suas competências e com o único objetivo de garantir o triunfo da Santa Verdade e da Verdadeira Fé; seu objetivo primordial e definitivo, especialmente mas não apenas através dos cuidados da Santíssima Inquisição, é garantir a salvação das almas facilitando a reintegração dos filhos do Altíssimo que perderam o Caminho das Virtudes.



    Parte I: A Congregação para a Santa Verdade


    I. Da estrutura e das funções da Congregação

    Can. 1: A Congregação para a Santa Verdade é dirigida por um Chanceler e um Vice-Chanceler, que possuem, respectivamente, o título de Grande Inquisidor e Grande Inquisidor Vigário.

    Can. 2: Respeitando sua competência, os Chanceleres são aconselhados pelo Conselho Superior da Congregação, composto pelos próprios Chanceleres e pelos Prefeitos e Vice-Prefeitos Inquisitoriais.

    Can. 3: A Congregação para a Santa Verdade se divide em dois ramos distintos, denominados Santa Inquisição e Procuradoria Eclesiástica, cada um com suas próprias competências e missões.

    Can. 4: A Congregação exerce suas funções em âmbito universal e no âmbito das regiões linguísticas especificamente estabelecidas pela Cúria Romana, no âmbito da Justiça da Igreja.

    II. Da hierarquia da Congregação

    Can. 5: Para cada região linguística, os Chanceleres podem nomear um Prefeito Inquisitorial, que possui o título de Inquisidor Geral se for um padre ordenado ou Primeiro Inquisidor se for um leigo.

    Can. 6: Os Prefeitos Inquisitoriais são responsáveis pela direção e supervisão das atividades da Congregação na região lingüística que lhes foi atribuída, dentro dos limites das competências que lhes são atribuídas pelo Direito Canônico.

    Can. 7: Somente um Inquisidor de notória experiência e que possua uma licença reconhecida de Justiça Ordinária e uma licença reconhecida de Justiça Extraordinária pode ser nomeado Prefeito Inquisitorial.

    Can. 8: Para cada região linguística, os Chanceleres podem nomear até três Vice-Prefeitos Inquisitoriais, que possuem o título de Inquisidor Geral Vigário se forem padres ordenados oude Primeiro Inquisidor Vigário se forem leigos.

    Can. 9: Os Vice-Prefeitos Inquisitoriais devem auxiliar e substituir os Prefeitos Inquisitoriais, a que estão subordinados, na região linguística que lhes foi atribuída, dentro dos limites das competências que lhes são atribuídas pelo Direito Canônico.

    Can. 10: Somente um Inquisidor de notória experiência e que possua uma licença reconhecida de Justiça Ordinária e uma licença reconhecida de Justiça Extraordinária pode ser nomeado Vice-Prefeito Inquisitorial.


    Parte II: A Santa Inquisição


    I. Da estrutura e das funções da Santa Inquisição.

    Can. 11: A Santa Inquisição é o ramo da Congregação encarregado da perseguição incansável de todas as formas de heterodoxia com o único objetivo de manter a ortodoxia no seio da Comunidade Aristotélica e garantir a redenção das almas caídas em pecado para que todos os filhos do Altíssimo possam alcançar o Paraíso Solar.

    Can. 12: A Santa Inquisição está estruturada e opera de forma regional, tendo um ramo da Santa Inquisição para cada região linguística, tendo cada ramo suas próprias instalações para a organização do trabalho; um ramo com vocação internacional operando em regiões onde não é possível estabelecer um ramo de pleno direito é estabelecido de forma residual.

      Can. 12.1: O Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, embora dependente da Congregação, possui suas próprias instalações distintas para a organização do trabalho sem distinção de região linguística.

      Can. 12.2: As instalações do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica são acessíveis aos próprios membros do Tribunal, ficando as chaves em posse dos Chanceleres, salvo se eles mesmos estiverem em julgamento, caso em que as chaves são imediatamente transferidas para o Presidente do Tribunal.

    Can. 13: A Santa Inquisição é composta pelos Chanceleres, pelos Prefeitos Inquisitoriais, pelos Vice-Prefeitos Inquisitoriais e pelos Inquisidores.

    Can. 14: Todos os membros da Santa Inquisição devem garantir que a ortodoxia seja respeitada, investigar possíveis atos heterodoxos dentro e fora da Comunidade Aristotélica e trabalhar para obter o arrependimento, abjuração e conversão de heterodoxos, excomungados, interditados e, de forma geral, de qualquer pessoa que não esteja em plena comunhão com a Santa Igreja.

    Can. 15: A Santa Inquisição também é responsável pela conduta adequada da Jurisdição Extraordinária em casos de primeira instância, seus membros sendo parte do Tribunal da Inquisição, de acordo com as disposições canônicas pertinentes.

    II. Dos Missi Inquisitionis ou Inquisidores.

    Can. 16: Os Missi Inquisitionis (singular: Missus Inquisitionis) ou Inquisidores são oficiais da Santa Inquisição, enviados por esta última para cumprir sua missão e executar as tarefas específicas que lhes forem confiadas.

    Can. 17: Os Inquisidores são nomeados e demitidos pelos Chanceleres no seio do ramo da Santa Inquisição responsável pela região linguística em que residem e após consulta ao Prefeito Inquisitorial competente para aquela região.

      Can. 17.1: A admissão em mais de um ramo da Santa Inquisição ou em um ramo que não seja o responsável pela região linguística de sua residência só será permitida em casos extraordinários, quando for necessário ajudar o ramo com atuação internacional ou outros ramos em dificuldade, e somente se o Inquisidor em questão tiver um bom domínio do idioma necessário para operar dentro desses outros ramos.

    Can. 18: Os Inquisidores só podem trabalhar dentro do ramo da Santa Inquisição e da região linguística em que foram nomeados; eles só podem solicitar uma transferência para outro ramo em caso de mudança de residência e somente se tiverem um bom domínio do idioma necessário para operar dentro do novo ramo.

    Can. 19: Somente um clérigo detentor de uma licença reconhecida de justiça extraordinária, que garanta as qualidades jurídicas e oratórias de cada candidato, pode ser nomeado Inquisitor.

    Can. 20: No âmbito de uma investigação ou qualquer outra missão da Santa Inquisição, um Inquisidor pode ser autorizado pelo Prefeito Inquisitorial competente a utilizar os serviços de um Notário por ele escolhido dentre os clérigos romanos.

      Can. 20.1: Caso o Inquisidor deseje contratar os serviços de um Notário para conduzir a acusação de um julgamento inquisitorial, nenhuma autorização é necessária a fim de evitar qualquer possível interferência do juiz presidente.


    Parte III : A Procuradoria Eclesiástica


    I. Da estrutura e das funções da Procuradoria Eclesiástica

    Can. 21: A Procuradoria Eclesiástica é o ramo da Congregação responsável pelo processamento de casos, delitos e infrações administrativas, canônicas e disciplinares com o objetivo de monitorar e assegurar o cumprimento das disposições canônicas, estatutárias e regulamentares dentro da Comunidade Aristotélica.

    Can. 22: A Procuradoria Eclesiástica está estruturada e opera de forma regional, tendo um ramo da Procuradoria Eclesiástica para cada região linguística, tendo cada ramo suas próprias instalações para a organização do trabalho

      Can. 22.1: A Penitenciária Apostólica, o Tribunal da Rota Romana e o Tribunal Pontifício, embora dependentes da Congregação, possuem, cada um, suas próprias instalações distintas para a organização do trabalho, sem distinção de região lingüística.

      Can. 22.2: As instalações da Penitenciária Apostólica são acessíveis aos Chanceleres, ao Grande Penitenciário, aos Penitenciários e aos Comissários; as instalações do Tribunal da Rota Romana são acessíveis aos Chanceleres, ao Decano da Rota Romana, ao Primeiro Auditor, aos Auditores e ao Relator; as instalações do Tribunal Pontifício são acessíveis aos membros do próprio Tribunal, ficando as chaves em posse dos Chanceleres somente na ausência de julgamentos, caso em que as chaves são imediatamente transferidas ao Presidente do Tribunal.

    Can. 23 : A Procuradoria Eclesiástica é composta pelos Chanceleres, pelos Prefeitos Inquisitoriais, pelos Vice-Prefeitos Inquisitoriais, pelos Procuradores Eclesiásticos e pelos Comissários.

    Can. 24 : Todos os membros da Procuradoria Eclesiástica devem velar pelo respeito às disposições canônicas, estatutárias e regulamentares, investigar possíveis infrações administrativas, canônicas ou disciplinares e infrações dentro e fora da Comunidade Aristotélica, e trabalhar para obter o restabelecimento da legalidade.

    Can. 25 : A Procuradoria Eclesiástica também é responsável pelo bom funcionamento da Justiça Ordinária em casos de primeira instância, sendo seus membros integrantes da Oficialidade Arquiepiscopal, da Oficialidade Nacional e da Penitenciária Apostólica de acordo com as disposições canônicas pertinentes.

    II. Dos Procuradores Eclesiásticos.

    Can. 26: Os Procuradores Eclesiásticos são oficiais da Procuradoria Eclesiástica, nomeados dentro do ramo da Procuradoria Eclesiástica responsável pela região linguística em que residem, para cumprir sua missão e executar as tarefas específicas que lhes forem confiadas; eles são diferenciados em Procuradores Arquiepiscopais e Procuradores Nacionais de acordo com suas atribuições.

    Can. 27: Os Procuradores Arquiepiscopais são nomeados pelo Arcebispo Metropolitano que preside a Oficialidade Arquiepiscopal correspondente, com a concordância do Prefeito Inquisitorial competente para a região linguística a que pertence a Oficialidade Arquiepiscopal, ou, na falta deste, pelos Chanceleres; os Procuradores Arquiepiscopais são demitidos pelo Prefeito Inquisitorial competente para a região linguística a que pertence a Oficialidade Arquiepiscopal ou, na falta deste, pelos Chanceleres, por iniciativa própria ou a pedido fundamentado do respectivo Arcebispo Metropolitano. Cada Oficialidade Arquiepiscopal pode ter apenas um Procurador Arquiepiscopal.

      Can. 27.1: Uma mesma pessoa só pode ser Procurador Arquiepiscopal em apenas uma Oficialidade Arquiepiscopal e deve residir no território sob a autoridade da Oficialidade Arquiepiscopal para a qual foi nomeado; no entanto, é possível cumular as funções de Procurador Arquiepiscopal e Procurador Nacional.

    Can. 28: Os Procuradores Nacionais são nomeados e demitidos pelo Prefeito Inquisitorial competente da região linguística a que pertence a Oficialidade Nacional ou, na sua falta, pelos Chanceleres. Cada Oficialidade Nacional só pode ter dois Procuradores Nacionais, tendo, o possível segundo Procurador Nacional, o título de Procurador Nacional Adjunto.

      Can. 28.1: Uma mesma pessoa só pode ser Procurador Nacional em apenas uma Oficialidade Nacional e deve residir no território sob a autoridade da Oficialidade Nacional para a qual foi nomeado.

    Can. 29: Os Procuradores Eclesiásticos só podem trabalhar no território sob a autoridade da Oficialidade para o qual são nomeados; não é permitida a transferência para outro ramo da Procuradoria Eclesiástica, salvo em caso de demissão ou destituição do ramo anterior e recondução para outro ramo e apenas se o antigo Procurador Eclesiástico em causa possuir boa proficiência do idioma necessário para atuar neste outro ramo.

    Can. 30: Os Comissários da Penitenciária Apostólica, embora exerçam uma função diversa com tarefas específicas, assemelham-se aos Procuradores Eclesiásticos; são nomeados e demitidos pelo Grande Penitenciário e possuem acesso às dependências de todas os ramos, além do próprio ramo na Penitenciária Apostólica; a Penitenciária Apostólica possui um total de três Comissários.

    Can. 31: Somente um fiel detentor de uma licença reconhecida de justiça ordinária, que garanta as qualidades jurídicas e oratórias de cada candidato, pode ser nomeado Procurador Eclesiástico ou Comissário.



    Constituição Apostólica sobre « O Governo Supremo da Santa Sé »,
    Dado em Roma, sobre a venerada tumba de São Titus Príncipe dos Apóstolos, no décimo quarto dia do mês de fevereiro, segunda-feira, dia de São Valentim Presbítero e Mártir, no ano de Nosso Senhor MCDLXX, o quarto de Nosso Pontificado, o segundo da Era da Restauração da Fé.




_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3196
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Ven Avr 08, 2022 1:47 am    Sujet du message: Répondre en citant


Citation:

    ........

    In medio stat Virtus
    Constituição Apostólica « A Virtude está no Meio ».





    Sixtus Episcopus, Servus Servorum Dei, Ad perpetuam rei memoriam




    Livro 4: A Justiça da Igreja




    Parte I: Das Generalidades e das Competências


    Generalidades

    Can. 1: A Justiça da Igreja é administrada pela Congregação para a Santa Verdade, um dicastério romano administrado por dois Cardeais Chanceleres, também conhecidos como Grande Inquisidor e Grande Inquisidor Vigário.

    Can. 2: A Justiça da Igreja é um componente geral da justiça dos Reinos e, portanto, também responde aos imperativos morais destes últimos, [« A Carta dos Juízes »], tendo em conta, no entanto, seu lugar e sua missão.

    Competências

    Can. 3: A Justiça da Igreja é competente em todas as violações do Dogma, das Doutrinas e do Direito Canônico da Igreja Aristotélica, Universal e Romana. Ela se pronuncia sobre a ortodoxia dos atos que é chamada a julgar.

    Can. 4: A jurisdição da Justiça da Igreja estende-se até a sombra de Aristóteles e pode ser exercida sobre todas as paróquias das Terras conhecidas.

    Can. 5: Qualquer indivíduo pode, exceto se aprovado de outra forma pelas autoridades competentes, ser um denunciante, réu ou testemunha.

    Can. 6: Na articulação das fontes do direito, a Justiça da Igreja estabelece suas fontes, em ordem, cada fonte citada prevalecendo sobre a seguinte:
    - O Dogma Aristotélico,
    - As Doutrinas,
    - O Direito Canônico,
    - Os Acordos, Tratados ou Concordatas validados pelas Autoridades Competentes da Igreja,
    - Os Costumes Jurisprudenciais,
    - Os Usos.

    Jurisdições e Tribunais

    Can. 7: A Justiça da Igreja inclui uma Justiça Ordinária e uma Justiça de Exceção, também conhecida como « Justiça Extraordinária ».

    Can. 8: A Justiça da Igreja possui seis tribunais:
    - A Oficialidade Arquiepiscopal ou Nacional,
    - A Penitenciária Apostólica,
    - O Tribunal da Inquisição,
    - O Tribunal da Rota Romana,
    - O Tribunal da Assinatura Apostólica,
    - O Tribunal Pontifício.

    Can. 9: A Justiça Ordinária é exercida em primeira instância, para os fiéis, pela Oficialidade Arquiepiscopal ou Nacional; para os clérigos, pela Penitenciária Apostólica. A Justiça ordinária é exercida em segunda instância para os fiéis e clérigos pela Rota Romana.

    Can. 10: A Justiça de Exceção é exercida, em primeira instância, pelo Tribunal da Inquisição e, em segunda instância, pelo Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica.

    Can. 11: Os Cardeais, qualquer que seja sua natureza ou estatuto, dependem exclusivamente, para a Justiça Ordinária, em primeira e única instância, do Tribunal Pontifício; para a Justiça de Exceção, em primeira e única instância, do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica.



    Consttituição Apostólica sobre « A Virtude está no Meio »,
    Dada em Roma, na venerada tumba de São Titus, no décimo quinto dia do mês de maio, quarta-feira, do ano de graça MCDLXVII, o primeiro de Nosso Pontificado.
    Emendada, revisada, corrigida e republicada no vigésimo oitavo dia de fevereiro, segunda-feira, do ano da graça MCDLXX, segundo da Era da Restauração da Fé.





Original em Francês
_________________


Dernière édition par Adonnis le Lun Mai 09, 2022 10:40 pm; édité 2 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3196
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Ven Avr 08, 2022 1:47 am    Sujet du message: Répondre en citant

PT a écrit:


    Sixtus Episcopus Romanus
    Omnibus has litteras lecturis,
    Salutem in Domino sempiternam.




    Na sequência da publicação de nossa Constituição Apostólica de 14 de fevereiro de mil quatrocentos e setenta, em virtude do cânon 5.4.III.4 que confia à Cúria Romana o estabelecimento de regiões linguísticas dentro das quais a Congregação para a Santa Verdade exerce suas funções, em cumprimento de nosso dever sagrado como Soberano Pontífice, por nossa suprema autoridade apostólica, temos decidido, estabelecido, decretado e regulamentado, e decretamos e regulamentamos, o estabelecimento de uma região linguística francófona que compreende todas as paróquias de língua francesa, uma região linguística italófona que compreende todas as paróquias de língua italiana, uma região linguística hispanófona que compreende todas as paróquias de língua hispânica, uma região linguística lusófona que compreende todas as paróquias de língua portuguesa, e uma região linguística internacional que compreende todas as paróquias de línguas diversas das mencionadas anteriormente; Também é criado um ramo da Santa Inquisição e da Procuradoria Eclesiástica para as regiões acima mencionadas. Finalmente, convém recordar que as Oficialidades Nacionais atualmente criadas pela Cúria Romana são as Oficialidades Nacionais Francófona, Italófona, Hispanófona, Lusófona e Germanófona.



    Datum Romae, apud Sanctum Titum, die vigesimo quarto, mensis Martiis, Anno Domini millesimo quadringentesimo sexagesimo noveno, Pontificato Nostri quarto, Restitutionis Fidei Aetatis secundo.




      Decreto Papal XII - A. MDCLXX



_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3196
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Ven Avr 08, 2022 1:47 am    Sujet du message: Répondre en citant

Citation:


    Câmara Apostólica
    Abertura de candidaturas para as posições de

    - Prefeito Geral
    - Prefeito
    - Vice-Prefeito


    Nós, Sua Excelência Monsenhor Raoul Emanuele D'Arborea, Bispo de Pula, Vigário Geral de Udine e de Aquileia e Barão de Argos, na qualidade de Secretário Geral da Congregação da Câmara Apostólica, em nome e em nome do Cardeal Chanceler, Sua Eminência Tymothe-Lovian Meleagant de Nivellus de Montvidor

    Levamos ao conhecimento de todos os interessados o seguinte

    Como você sabe, a Câmara Apostólica é o dicastério romano responsável pelo registro contínuo, preciso e capilar de todos os bens da Santa Igreja Romana, incluindo os tesouros diocesanos e paroquiais, que são de propriedade exclusiva da Santa Sé.

    A Câmara Apostólica também tem a tarefa de coletar e avaliar pedidos de doações, subvenções e ajuda a indivíduos, associações ou empresas para o desenvolvimento humano e social.

    A Câmara Apostólica está, portanto, à procura de :

    1 Prefeito Geral da Câmara Apostólica
    1 Prefeito para as seguintes regiões linguísticas: francófona, germanófona, hispanófona, lusófona
    2 Vice-Prefeitos para as seguintes regiões linguísticas: francófona, germanófona, hispanófona, lusófona


    As pessoas que desejamos precisarão ser extremamente precisas, presentes, consistentes e capazes de trabalhar em uma equipe multilíngue.

    Sua principal função será coletar e transmitir os dados de sua jurisdição geodogmática (das arquidioceses, dioceses e paróquias de sua jurisdição) para a sede da Câmara e depositá-los nos registros correspondentes.

    As pessoas interessadas podem enviar sua inscrição com um curriculum vitae por correio a Nossas Excelências, especificando sua formação na Igreja Aristotélica, assim como uma carta de motivação.

    Fortitudo et Sapientia




    Feito em Roma, no quarto dia do quarto mês do ano Domini MCDLXX, o quarto do pontificado de Sua Santidade Sixtus IV.


_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3196
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Dim Mai 01, 2022 4:59 pm    Sujet du message: Répondre en citant

Citation:





    Habemus Sanctae Romanae Ecclesiae Cardinalem Decanus



    Nós, os Cardeais da Santa Madre Igreja Aristotélica, Universal e Romana, reunidos em Nosso Sagrado Colégio, sob a Luz dos Santos e Profetas e pela Graça do Altíssimo e de Sua Santidade Sixtus IV,

      Com grande alegria, anunciamos a eleição do Eminentissimum, Dominum Arduino, Sanctae Romanae Ecclesiae Cardinalem Della Scala para o cargo de Decano do Sagrado Colégio dos Cardeais, cujo mandato começa com esta proclamação oficial.

      Que a Graça de Deus e a Sabedoria dos Profetas o guiem nesta prestigiosa missão.

    Ad Maiorem Dei Gloriam!

    Dado em Roma, no primeiro dia de Maio do Ano de Nosso Senhor MCDLXX. IV do Pontificado de SS. Sixtus IV.



    Pelo Colégio Sagrado dos Cardeais,
    Adonnis Ferreira de Queirós Silva e Sagres
    Cardeal-Bispo de São Valentim das Vitórias





_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Montrer les messages depuis:   
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal Toutes les heures sont au format GMT + 2 Heures
Aller à la page Précédente  1, 2, 3 ... 11, 12, 13
Page 13 sur 13

 
Sauter vers:  
Vous ne pouvez pas poster de nouveaux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas éditer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas supprimer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas voter dans les sondages de ce forum


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduction par : phpBB-fr.com