L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church
Forum RP de l'Eglise Aristotelicienne du jeu en ligne RR
Forum RP for the Aristotelic Church of the RK online game
 
Lien fonctionnel : Le DogmeLien fonctionnel : Le Droit Canon
 FAQFAQ   RechercherRechercher   Liste des MembresListe des Membres   Groupes d'utilisateursGroupes d'utilisateurs   S'enregistrerS'enregistrer 
 ProfilProfil   Se connecter pour vérifier ses messages privésSe connecter pour vérifier ses messages privés   ConnexionConnexion 

[LIVRO DAS HAGIOGRAFIAS] Os Santos Antigos
Aller à la page Précédente  1, 2, 3, 4, 5
 
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Biblioteca da Igreja de Portugal
Voir le sujet précédent :: Voir le sujet suivant  
Auteur Message
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Jan 05, 2021 11:17 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Bertrando de l'Isle


    Capítulo 1 - A infância e a juventude de Bertrando de l'Isle

    Bertrand era filho de Aton, senhor de L'Isle em Gasconha, e de Gervaise, assim neto do Conde de Toulouse, Guillaume Taillefer. Nascido na nobreza, Bertrando foi educado com todos os jovens nobres de seu tempo, nos confrontos armados e foi nomeado Cavaleiro. Como um jovem cavaleiro, ele viajou com alguns homens sob seu comando. Crente fervoroso, ele fez frequentes paradas em mosteiros e abadias. No decorrer de cada uma delas, ele rezava e lia. Ele descobriu assim textos desconhecidos ou esquecidos, entre os quais os escritos do profeta Aristóteles, os de São Gregório de Nazianzo e Santo Origenes ou o famoso sermão de Nedjaef, que ele seria mais tarde o primeiro a ensinar. Esta juventude feita de erudição e viagem transformou o homem, que não mais carregava armas e se tornou diácono e, depois, capelão do Exército. Sua vocação nasceu durante este período, do qual ele diria mais tarde: "Viajar obriga o homem a abrir-se ao mundo e assim a criação se torna moldada sobre o homem. É altamente desejável que os jovens se ponham a caminho com intenções virtuosas, é a melhor educação que eles podem receber."

    Capítulo 2 - Um bispo atento às necessidades de seus fiéis, que participa da vida da cidade

    De volta à Toulouse, foi-lhe prometido um futuro de prestígio entre a nobreza, mas o jovem Bertrando de L'Isle fez outra escolha e pediu ao Bispo de Toulouse, Izarn, a admissão no Capítulo da Catedral. Ele optou assim por espalhar a Fé em vez do Sangue. Ele pregou e leu repetidas vezes. Perto do povo e de suas preocupações, ele era amado por muitos. A reputação do jovem cônego rapidamente se espalhou além das fronteiras de Toulouse e com a morte de seu bispo, Auger em 1083, o clero e o povo vieram para propor-lhe o episcopado. Vendo isto como um sinal divino, ele aceitou e uniu-se ao país de Comminges. Assim, o novo pastor dos fiéis Commingeanos não perdeu o interesse pelos problemas diários de seu rebanho, especialmente em uma época em que as más colheitas, secas, epidemias e fome eram comuns. Ele se preocupava com a alimentação de seu rebanho e atento ao seu bem-estar material. Assim, ele abençoou as armadilhas de um caçador, encheu as redes de um pescador no Neste, em outro vale ele faz uma nogueira estéril produtiva. Depois, atravessando um campo cultivado, ele libertou as mulheres camponesas de sua árdua tarefa, lavrando a colheita de uma vez por todas, finalmente, entrando numa pousada, ele encheu de vinho o barril do estalajadeiro.

    Ele se dedicou a revitalizar a cidade antiga e levantar suas ruínas, a atrair uma população jovem e dinâmica, a incentivar o câmbio e a circulação das diversas moedas, e a fazer justiça. A cidade inteira identificada com o bispo ao ponto de levar seu nome, assim como uma noiva leva o nome de seu marido. Ao longo de sua vida, Bertrando nunca deixou de pregar que o homem sábio deve participar da vida da cidade, revelando, àqueles que o escutariam, o Sonho da Cidade Ideal de Aristóteles.

    Capítulo 3 - Bertrando, o bispo dos viajantes

    A diocese de Comminges era extensa e atravessava muitos vales. Bertrando, que era um homem robusto, viajava incansavelmente, indo de aldeia em aldeia, de vale em vale. Ele não gostava de viajar sozinho. Assim, ele gostava de se juntar a grupos de viajantes que conhecia durante uma visita a uma taberna ou ao mercado. Ele seguiu à risca as recomendações que São Gregório de Nazianzo fez a Athenas e as ensinou a seus companheiros de viagem.
    Durante suas viagens, ele sempre compartilhava uma refeição com seus companheiros de viagem. Ele sempre recitava a mesma oração antes de comer:

      Ó Altíssimo,
      Tu que nos da a oportunidade de compartilhar esta refeição.
      Abençoe aqueles que a compartilham e conceda-lhes a tua proteção divina.
      Fortalece-nos com os ensinamentos de Aristóteles e Christos.
      Faça da Sabedoria e da Amizade nossos companheiros de viagem.
      Permita que as reuniões que teremos sejam realizadas
      Sob o sinal de Partilha e Caridade.
      Amém


    Capítulo 4 - Bertrando, o bispo dos bandidos

    Amado, respeitado e popular, o Bispo de Comminges era frequentemente consultado em caso de disputa. Muitos bandidos foram, portanto, submetidos a seu julgamento. O primeiro deles foi Jodel, ele havia roubado pessoas ricas no caminho para Tarbes. O criminoso foi, portanto, levado perante o bispo. Diz-se que o bispo falou da seguinte maneira:

      - Venha me informar para que eu possa julgar este homem. Qual é o seu nome?
      - Jodel!
      - Por que você está aqui?
      - Porque eu roubei aquele homem.
      - Por que você fez isso?
      - Não tenho o suficiente para comer, a vida é cara e aquele homem tem tanto dinheiro que não sabe o que fazer com ele.
      - Eu entendo, mas esta atitude não lhe trará nada de bom, na melhor das hipóteses, um pouco de dinheiro, mas também um monte de problemas.
      - Devolva a este homem o que você tirou dele, reze e venha me ver todos os dias, farei meu melhor para encontrar um emprego para você.

    Todos os dias o homem ia ver o bispo. Ele rezava com ele e trabalhava na igreja. Ele reembolsou o dinheiro devido ao homem que havia sido roubado, mas continuou a ir à reunião diária com o bispo. Após cerca de um ano, o bispo o convidou para comer, e durante a refeição, os dois homens tiveram esta conversa:

      - Como você está se sentindo, Jodel?
      - Muito bem, muito bem. Graças a você, Monsenhor.
      - Obrigado. Você é o único responsável por sua mudança com a ajuda do Altíssimo.
      - Sim, mas sua presença perto de mim é essencial para mim.
      - Essa presença é o que chamamos de amizade. A amizade é a maior das riquezas, se for sincera e verdadeira. Ela deve ser vivida plenamente a ponto de torná-la o seu próprio ponto fraco, como dizia o Santíssimo Gregório.

    A refeição continuou e como os homens estavam prestes a se separar, Bertrando disse a seu amigo:

      - Jodel, vá. Pegue a estrada, seus pecados serão perdoados. Não transgrida mais. Volte para me ver se você quiser e nunca esqueça o que viveu aqui.
      - Monsenhor, eu não transgredirei mais. Agradeço-lhe por seu perdão. Quero saber mais sobre os escritos sagrados ao seu lado.
      - Não sou eu quem perdoa você, mas o Altíssimo. Ele perdoa aqueles que renunciam aos vícios para buscar a virtude. Você quer estudar as escrituras. Isso é mérito seu. Depois vá, pegue a estrada para St. Liziers, junte-se a Muret e finalmente à Toulouse. Vá para o seminário por mim e estude. Trabalhe também. Compartilhe com todos que você encontrar e dê algo para os pobres que você encontrar. Se você não tiver nada de material que possa dar, então dê seu mais belo olhar, sua mais doce palavra.


    Com estas palavras, Jodel pegou a estrada. Diz-se que muitos bandidos vieram então à Comminges, para conhecer o bispo Bertrando e o perdão. Tanto que a cidade foi apelidada de cidade dos bandidos. Quanto a Jodel, ele estudou e tornou-se um excelente conhecedor das escrituras, ensinando, por sua vez, no seminário de Toulouse.

    Capítulo 5 - O Fim da Vida Terrestre e o Patronato

    O Bispo de Comminges levou, assim, uma vida piedosa, voltada para os outros e para a amizade. À medida que envelhecia, suas forças o abandonavam cada vez mais a cada dia. Ele passava mais e mais tempo em sua catedral rezando. Ele não dormia mais, passando suas noites rezando ao Altíssimo.
    Numa bela manhã de domingo, o sineiro entrou na catedral e encontrou o bispo ajoelhado no coro, seu coração não mais batia, mas seu rosto brilhava radiante, sorridente e relaxado. Não havia dúvida: Bertrando, Bispo de Comminges, havia se dirigido ao Paraíso Solar.

    Mais tarde, São Bertrando de Comminges tornou-se o santo padroeiro da cidade da qual era Bispo. Ele é também um dos santos padroeiros do Condado de Armagnac e Comminges e o santo padroeiro de Comminges. Finalmente, por causa de seu estudo da vida de São Gregório de Nazianzo, ele é um dos santos menores da Ordem Gregoriana, que o considera o primeiro Gregoriano da história.

    Citações Célebres

    • Reze ao Altíssimo e viva sua fé na amizade verdadeira e cotidiana.

    • As únicas armas são os ensinamentos de Aristóteles e Christos. Abaixe sua espada e escudo, escute os Profetas e reze ao Altíssimo, é assim que você vencerá.

    • Não há bandidos que não mereçam perdão por seus crimes, não há um único homem na Terra que possa julgá-los; somente Deus pode.

    Relíquias

    • Seu sarcófago é mantido na Igreja Paroquial de São Bertrando de Comminges.

    • A bengala que o Santo tinha esculpido com o lema de São Gregório de Nazianzo "Cada um tem sua fraqueza; a minha é a amizade" é mantida na cripta do Mosteiro Gregoriano de Argentat.

    Preces à São Bertrando de Comminges

      Oração dos Commingeses

      O São Bertrando,
      Com seu coração tão grande
      Proteja seus amigos
      Plante as mudas
      Cultive bons grãos
      Dê-nos um bom pão
      Conceda-nos sua proteção
      E seu imenso perdão
      Abençoe os Commingenses
      Faça-os viver na alegria.
      Amém.

      Oração dos Viajantes

      O São Bertrando,
      Mantenha-nos afastados dos ladrões
      Acompanhe-nos na estrada
      Nos mantenha a salvo da rotina
      Faça de nossa viagem
      Um presságio feliz
      Amém.

      Oração dos Bandidos

      Bertrando padroeiro dos bandidos
      Seu perdão é grande
      Guia para a virtude
      Nossas almas perdidas
      Ensina-nos a Amizade
      Faça-nos aprender as virtudes
      Faz-nos novos homens
      Fiéis ao Altíssimo.
      Amém.

      Oração dos Gregorianos à São Bertrando

      Ó São Bertrando
      Cuja Fé foi grande
      Primeiro fiel de São Gregório
      Ilumina-nos no escuro
      Traga-nos esperança.
      Coloque no coração de nossas vidas a Amizade,
      Partilha e Caridade.
      Amém.

    Festa: 06 de Outubro


_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Jan 05, 2021 11:20 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Brieuc


    Brieuc (em Bretão: Brieg) é um dos sete santos fundadores da Bretanha. Seu nome está associado a Saint-Brieuc, onde fundou um mosteiro. Ele é frequentemente retratado com lobos que ele treinou uma noite.

    I. Um nascimento e uma juventude em Gales:

    Brieuc nasceu no início do século V, no País de Gales. Seu pai, Cerpus, e sua mãe, Eldrude, eram nobres e ricos.
    A criança cresceu em tamanho e virtude com o irmão Hamelin, um monge a serviço de seus país, que queria que ele lhe transmitisse seus conhecimentos, assegurando sua educação.

    Seu rosto era puro e sereno como um céu de primavera. Em vez de imitar a leveza e o descuido das crianças de sua idade, ele permaneceu perto de sua mãe, praticando o desenho com sua mãozinha sobre tábuas, linhas ainda imperfeitas.
    Entretanto, a jovem criança logo ficaria separada de sua família.

    Quando ele era mais velho, preparou-se para se juntar ao amigo do irmão Hamelin, Germain, em Paris, para estudar. A criança saiu sob a guarda de alguns servos fiéis e atravessou os mares para chegar à França.

    II. Estudos em Paris

    Brieuc tinha apenas dez anos de idade quando cruzou o limiar do mosteiro de Germain. Dotado pelo Altíssimo com as melhores qualidades de inteligência, a criança fez rápidos progressos em seus estudos. Ele levou apenas alguns meses para assimilar os elementos da língua latina, e em cinco meses ele aprendeu de cor todo o saltério, para que ele pudesse cantar em coro os louvores divinos com os religiosos.

    Muito rapidamente Germain transformou Brieuc em um verdadeiro mestre ao transmitir seus conhecimentos. Sua caridade para com os pobres era inesgotável, ele lhes dava tudo o que possuía e não podia encontrá-los sem lhes deixar algo. Ele gostava de compartilhar sua refeição com eles à noite ou de dar os legumes que o monastério produzia.

    Quando tinha vinte e quatro anos, foi ordenado sacerdote por Germain. Algum tempo depois, ele teve um sonho em que voltou ao País de Gales para pregar e espalhar a fé dentro de sua pátria. O jovem padre partiu então com um companheiro.

    III. Retorno à Gales

    A grande fé do jovem fez dele um excelente pregador que fez várias viagens pelo País de Gales. A fé aristotélica logo floresceu. No lugar dos templos pagãos surgiram igrejas e mosteiros, santuários de oração e mortificação, de onde o louvor divino subiu ardentemente em direção ao céu.

    IV. Partida para Armórica

    Em uma noite de primavera, ele estava dormindo levemente em uma capela quando teve um sonho: "A Armórica". Ele precisava pregar a boa palavra lá sem demora, então ele não hesitou e partiu com cento e sessenta e oito monges.
    Finalmente, a religiosa escolta, após uma feliz navegação, chegou ao porto de Ack, de onde prosseguiu por terra até o rio Jaudy, em Tréguier.

    Eles foram muito bem recebidos pelos habitantes da região, que ajudaram Brieuc a construir um mosteiro em Landebaëron. Enquanto isso, um mensageiro trouxe a dolorosa notícia de que uma peste cruel estava devastando a terra dos Coriticianos que, aterrorizados, clamavam pela presença e orações do pregador. Brieuc, comovido com compaixão, apressou-se em ir consolá-los, deixando seu sobrinho, Tugdual, à frente do mosteiro.

    Brieuc voltou então para sua família no País de Gales, também afetado pela doença, para consolar os galeses com sua presença. Algum tempo se passou e seu desejo de retornar à Bretanha se tornou cada vez mais forte.

    V. Chegada do Brieuc na foz do Rio Gouet

    Em seu retorno à Bretanha, Brieuc encontrou um mosteiro florescente graças à sábia direção de Tugdual. Portanto, ele resolveu não mudar nada desta situação.

    Escolhendo então oitenta e quatro religiosos, ele se despediu de seu sobrinho e depois de ter seguido ao longo da costa até o porto de Cesson, desembarcou na foz do Gouet. Havia uma floresta e um vale regado por uma fonte abundante que ainda hoje existe. O mestre e seus discípulos, sentados à beira da água para descansar, foram avistados por um escudeiro do Conde Riwall, Príncipe da Dumnônia. O Conde decidiu então conhecer o pregador galês e ofereceu-lhe hospitalidade.

    Brieuc seguiu em frente com sua escolta de religiosos. Aconteceu que o príncipe era de sua família, que tinha vindo do exterior e tinha fundado um pequeno Reino na Armórica. Após ter agradecido ao Altíssimo por este feliz reunião, Riwall deu-lhe seu casarão localizado em um lugar que foi chamado de "Champ du Rouvre" com todas as propriedades que dependiam dele para torná-lo um mosteiro. Esta foi a origem da cidade de Saint-Brieuc.

    Aos pés do mosteiro, no vale silencioso onde corria uma fonte clara, Brieuc construiu uma capela. Este pequeno santuário foi mais tarde chamado "Chapelle Saint-Brieuc". Quando, cansado de seu trabalho e de seus afazeres apostólicos, ele voltou para o meio de seus irmãos, ele nunca esqueceu de ir rezar na capela do vale. Muitas vezes ele vinha para lá para passar longas horas em oração e meditação.

    Uma noite, quando Brieuc voltou da visita a um prédio de seu mosteiro, ele estava cercado por uma matilha de lobos famintos e ameaçadores, prontos para se atirar sobre os bois puxando sua carroça. O santo impassível, levantou uma mão e imediatamente os lobos se curvaram diante dele, como se pedissem misericórdia. Ele os manteve sob controle até o início da manhã, quando os emigrantes que acabavam de chegar do País de Gales passaram por ali. Vendo ali um sinal do Altíssimo, eles imediatamente pediram o batismo. Depois de mandar os lobos partirem, Brieuc ensinou o livro das Virtudes durante os sete dias a esses poucos compatriotas que tinham acabado de chegar em Armórica e depois ele os batizou no oitavo dia.

    Foi nesta data que a graça do Paraíso Solar foi concedida a Brieuc por causa de sua vida dedicada ao Altíssimo e seus atos piedosos, tornando-o um grande servo da Igreja.

    Sua morte permaneceu famosa porque ele se deitou em sua pobre cama e morreu em paz no ano 502. Foi assim que o homem que permaneceu simples ao longo de sua vida, amigo de todos os próximos e dos pobres, se uniu ao Altíssimo. Durante sua vida, ele permaneceu para os Briochins e Bretões um exemplo de piedade a ser seguido.

    Ele é comemorado no dia primeiro de maio.


_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Dim Juin 05, 2022 1:36 am    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de Guilberte de Walburghe, dita a Feita
    Certamente Feia, Porém Muito Santa




    I - Uma juventude terrível

    Guilberte era uma jovem incrivelmente feia. O povo ignorante via nesta condição a intervenção do Sem Nome, pois ela não era um reflexo de sua mãe ou de seu pai. Além disso, sua feiura era tal que ela fora mantida em uma torre do castelo da família.

    Mas a juventude de Guilberte a levou à aventura, à descoberta e ao amor. Ela tentou muitas vezes escapar de sua torre, mas todas as vezes ela foi trazida de volta manu militari para seus pais. Guilberte preenchera sua frustração ao ler o Livro das Virtudes e as Vidas de Christos e de Aristóteles. Tanto que, por fim, ela se tornou uma erudita em assuntos religiosos, e seus pais, irritados por ter uma filha tão feia que não poderiam casá-la, pensaram em oferecê-la à Igreja como uma freira.

    II - Uma epidemia muito grave

    Mas ocorreu um evento que mudou a vida da região de Evreux. A peste, negra e maligna, atingiu os habitantes. Nem todos morreram, mas todos foram atingidos. E cada dia trazia sua cota de morte e desolação. Famílias inteiras pereceram da noite para o dia. Em menos de uma semana, a cidade havia fechado suas portas, se isolado do mundo, com medo. Guilberte viu seu pai definhar e sua mãe segui-lo. Pouco a pouco, o castelo foi esvaziado de seus servos. A jovem rezou o dia inteiro, implorando a clemência do Altíssimo. A tristeza ardia em seu coração, e a raiva também, pois ela não sabia por que o Altíssimo agia tão ferozmente contra seus filhos.

    Mas a fé é um longo caminho, que se deve percorrer descalço, às vezes sobre pedras afiadas. Guilberte sabia disso e também sabia que a dúvida era um dos caminhos para uma maior fé. Em sua tristeza e raiva, ela se fortaleceu para amar novamente o Altíssimo. Levou tempo, mas o que é tempo para tal trabalho? O que são dias e meses, quando se busca alcançar a graça?

    Uma manhã, convencida de que ela não era odiada pelo Altíssimo e que a peste não era de Sua mão, mas uma epidemia inerente às coisas da época. Guilberte então se vestiu mal, tirou seus sapatos (revelando seu estranho pé, pois um deles tinha um sexto dedo) e entrou na cidade, para enterrar os mortos e acalmar os moribundos.

    A cidade parecia vazia, mas atrás de cada persiana podia-se ouvir uma respiração, ou ver um olhar assustado. Sem fim, a jovem Guilberte de Walburghe, usando um véu sobre o rosto para se proteger do cheiro, arrastou os mortos sozinha e os enterrou. Dia após dia. Sem nunca adoecer ou enfraquecer. E rezando na rua todos os dias.

    Então o boato se espalhou: uma jovem estava lutando sozinha contra a peste. A filha do Senhor, que com seus frágeis braços ajudou os moribundos e acalmou suas almas. Logo todos queriam vê-la, tocá-la, rezar com ela. E eles se atiraram a seus estranhos pés para abraçá-los e beijá-los. Incansável, imperturbável, Guilberte continuou seu trabalho. E aqueles que tinham tido a sorte de tocar seus pés foram salvos. A peste os ignorou.

    III - O milagre do pé feio

    Guilberte teve então uma visão, de uma grande nuvem branca ao redor do Sol, como uma coroa macia: que ela submergisse seus pés na água de um poço, e que cada homem tomasse um gole. E eles seriam salvos.

    Assim, a jovem Walburghe teve o cuidado de mergulhar os pés e ofereceu ao povo para beber a água. A epidemia parou. Ninguém estava morrendo, ninguém estava sofrendo, Guilberte salvou a população com seu sexto dedo do pé.

    Quando finalmente o miasma tinha desaparecido, ela tirou o véu. Mas longe de se assustar, as pessoas ainda vieram para agradecê-la, beijá-la em suas duas bochechas peludas, acariciar seus cabelos quase sedosos. Eles não se importaram com a aparência, pois Guilberte, pela pureza de sua alma, e por sua provação, havia salvo suas vidas.

    Logo a jovem mulher foi presenteada com um jovem muito bonito. Longe de ficar enojado, ele confessou seu amor por Guilberte. Eles se casaram e tiveram muitos filhos.

    IV - A morte da Feia e suas relíquias

    Quando ela morreu, o pé direito de Guilberte, aquele com o sexto dedo do pé, foi levado e colocado num relicário de ouro, que se tornou um objeto de veneração. Diz-se que qualquer pessoa que toque suas relíquias, seja sofrendo da peste ou da lepra, e reze ao Altíssimo pela sua intercessão, será curada imediatamente.

    Sua festa é comemorada em 27 de fevereiro.


_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Dim Juin 05, 2022 1:37 am    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Guilherme




    Guilherme Pinchon foi Bispo de Saint-Brieuc e ficou famoso por sua contribuição para a preservação da Igreja Bretã e por suas ações em favor dos pobres.

    Nascimento, início do sacerdócio, oposição ao Duque da Bretanha e exílio

    Guilherme Pinchon nasceu em Fleur d’Aulne, uma propriedade localizada no Rio Flora, na Paróquia de Saint-Alban, que fazia parte do Condado de Penthièvre, em 1184. Sua grande piedade logo o levou a aderir à Ordem e ingressou no seminário de Saint-Brieuc, onde foi notado pelo Bispo Josselin. Depois de ser ordenado por este último, tornou-se seu secretário e depois cônego da Catedral e manteve uma ligação muito estreita com o Bispo até sua morte. Ele manteve suas funções com os sucessores de Josselin e em 1220 o clérigo Briochin pediu ao Papa Honorius III que o nomeasse Bispo de Saint-Brieuc. Uma vez consagrado Bispo, ele se certificou de abrir seu Palácio Episcopal aos pobres, a fim de alimentá-los e dar-lhes um teto. Durante este período, ele empreendeu a gigantesca construção da Catedral.

    Em 1225, eclodiu um conflito em Rennes com o Duque da Bretanha Pierre Mauclerc sobre as fortificações da cidade. O Duque quis tomar as terras da Igreja, o que provocou a ira do Bispo de Rennes. O Duque então não hesitou em atacar o clero suprimindo vários direitos episcopais, ele era um perseguidor do clero e destruiu edifícios religiosos. Guilherme enfrentou-o com indomável firmeza em defesa dos direitos da Igreja, chegando ao ponto de excomungar o Duque da Bretanha. A cidade de Saint-Brieuc foi então tratada de forma severa. Os comissários foram lá para executar os decretos; mas Guilherme, embora ameaçado de morte, mais de uma vez arrancou de suas mãos seus padres e servos quando eles foram levados para a prisão. Para poupar seu povo de maiores infortúnios, ele concordou em ir para o exílio.


    Exílio na França

    Tendo deixado Saint-Brieuc, ele foi morar em Poitiers numa época em que o Bispo estava sobrecarregado por enfermidades e não podia cuidar de seu ministério. Ele recebeu Guilherme com alegria, que assumiu todas as funções episcopais e as desempenhou com o maior zelo. Ele também foi a Tours onde conheceu o Arcebispo para aconselhá-lo.

    Depois ele foi a Roma com o Bispo de Rennes para se encontrar com o Papa Gregorius IX que confirmou a excomunhão do Duque e colocou a Bretanha sob interdição em 1228. A raiva se elevou entre o povo e o Duque Pierre Mauclerc estava muito preocupado com o Papa e com o Rei Luís IX, então ele foi a Roma para se submeter ao Papa e restaurar a paz religiosa na Bretanha em 1230.


    Retorno a Saint-Brieuc

    Uma vez que o Duque se submeteu, sua excomunhão foi levantada, a Bretanha não estava mais sob interdição e Guilherme partiu agora em sua viagem de volta. Ele parou em Angers onde recuperou os restos mortais de St. Brieuc, que estavam lá desde as incursões normandas na Bretanha. Assim que entrou na Bretanha, ele foi saudado pelos fiéis de todas as dioceses bretãs, e foi aclamado em Saint-Brieuc. Ao voltar do exílio, ele fez uma procissão na cidade de Saint Brieuc, onde foi recebido por todos os fiéis do país. Deve-se dizer que ele estava trazendo de volta ao país os restos mortais de Brieuc, o Santo Fundador.

    Após atravessar o vale de Gouedic para retornar a Saint-Brieuc, um raio de sol brilhou no baú que continha os restos mortais e depois um barulho foi ouvido no baú. Este sinal foi interpretado como a alegria do santo fundador, feliz por retornar à sua cidade. Em seguida, a construção da catedral foi retomada. O próprio Guilherme foi para as ruas para receber doações para ajudar na construção. Em 29 de julho de 1234, aos 53 anos de idade e após 17 anos de episcopado, ele se sentia cada vez mais cansado. Ele reuniu seu clero, celebrou uma missa e depois, ainda na catedral, começou uma oração. Naquele momento ele fechou os olhos do corpo para abrir os da alma. Atualmente ele descansa na Catedral que ele mesmo construiu. Logo os Briochins vieram ajoelhar-se diante de sua tumba, e a partir daí apareceram sinais, generosidade, cura. Os restos foram então exibidos sobre sua tumba, venerados como relíquias.


    Guilherme e os Briochins

    - Após seu retorno do exílio na França, ele declarou aos briochins, acerca da catedral: "morto ou vivo, eu o terminarei", o que provou ser quase exato, já que em sua morte restaram apenas alguns toques finais.

    - Guilherme fez de seu palácio episcopal "a casa do Altíssimo". Ele mesmo recebeu todos os pobres e muitas vezes foi visto acendendo o fogo e cozinhando na panela. O ano de 1225 foi particularmente terrível. Os grupos que chegavam à casa do bispo a cada dia aumentavam em número. Guilherme fez o melhor que pôde. Seus celeiros foram esvaziados; ele tomou trigo emprestado de seu capítulo. Quando a fome se tornou mais urgente, ele se tornou um mendigo e atravessou a cidade para pedir pão para seus filhos. O tacho está agora na catedral de Saint-Brieuc, e é reutilizado a cada 29 de julho para alimentar os pobres em memória de Guilherme.

    Sua panela é mantida na Igreja de Saint-Brieuc.
    Ele é comemorado em 29 de julho.



_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mer Juin 08, 2022 8:41 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Malo




    Malo (em bretão Maloù) é um dos sete santos fundadores da Bretanha. Seu nome está associado a Saint-Malo, onde viveu. Ele é frequentemente retratado com um barco. Ele é comemorado no dia 15 de novembro.


    I - O Nascimento Galês de Malo

    Malo nasceu no ano 502 no País de Gales, seu pai, Gwent, era Rei do País de mesmo nome. A esposa do rei, Derwala, há muito estéril, quando ela estava em seu sexagésimo sexto ano, finalmente lhe dera um herdeiro. Malo nasceu no Mosteiro de Llancarvan. Naquela mesma noite, trinta e três outras mulheres, da comitiva de Derwala, também deram à luz a trinta e três meninos. O Abade do Mosteiro, Brendan, batizou os recém-nascidos e tornou-se padrinho de Malo.

    II - A Juventude de Malo

    Malo era muito piedoso. Enquanto seus amigos brincavam na praia, ele preferia retirar-se para um lugar isolado para rezar em solidão. Seu deleite era a oração, que ele só interrompia para se dedicar aos seus livros. Assim que começou a aprender latim, ele manteve o Livro das Virtudes sempre à vista. Ele foi ordenado alguns anos mais tarde. Um dia, enquanto orava, ele foi subitamente levado pela idéia de ir para a Armórica para se tornar um missionário.

    III - A Armórica

    Malo recebeu a benção de seu padrinho Brendan e partiu com os irmãos para o mar. Ele teria atracado em Alet. Construído na foz do Rance, Alet era então um centro de alguma importância. A atual paróquia de Saint-Servan fora anexada a ela, e o local original ainda hoje é chamado de Cidade. A fé que havia sido pregada lá antes havia diminuído muito após as invasões dos bárbaros. Além disso, ainda existiam pagãos. Malo começou a trabalhar e começou por cercar a cidade com um cinturão de pequenos mosteiros que confiou aos seus companheiros. Não muito longe dele, aliás, se estabeleceram outros monges que já eram reconhecidos na Armórica, eram eles Brieuc, Samson e Tugdual.

    IV - Adesão ao Episcopado

    O brilho da piedade de Malo, como sua eloquência e suas virtudes eminentes, rapidamente espalharam sua fama. Mas Malo não era Bispo, o bispado de Alet ficou vago devido a morte do titular. O povo e o clero solicitaram ao Rei do país de Dumnônia, Judicaël, para forçar Malo a aceitar a sucessão. O Rei o chamou ao seu Palácio. Ao chegar, Malo entregou um possuído por um exorcismo, o que aumentou ainda mais sua reputação. Malo foi em peregrinação ao túmulo de São Martinho em Tours. Lá ele recebeu a consagração episcopal antes de retornar a Alepo. Por muitos anos ele lutou para erradicar os vícios, exemplificando a virtude ao seu rebanho antes de pregá-la. Diz-se que ele normalmente ia à igreja para o serviço noturno, cerca de nove ou dez horas da noite até a manhã, jejuando todos os dias e continuamente se abstendo de carne. Cuidando de não perder nenhum momento, mostrou-se uma incansável caridade para com os doentes, para com os pobres, sendo também hospitaleiro para com os estranhos. Um detalhe que tem seu valor humano: ele adorava flores e gostava de cultivá-las com as mãos.

    V - O Trabalho da Chuva

    Por um momento, Malo ficou gravemente doente, tanto que pensaram que ele fosse morrer. As pessoas estavam tristes porque ele sempre fora rápido em defender seus seguidores contra a loucura da Senhora Anastraina que se divertia torturando seus súditos, tomando o que eles tinham e os movendo de fazenda em fazenda. À medida que a obra da Senhora progredia, a terra tornava-se seca e estéril, homens e animais morreram de doenças. Malo enquanto isso, estava se preparando para morrer, ele resolveu deixar este mundo, triste por ver os males que dominavam seus fiéis. Enquanto ele estava confessando uma última vez, ele se resignou a este futuro que ele achou muito infeliz. Na noite seguinte, enquanto dormia, teve um sonho em que se viu rezando em sua Catedral quando uma voz lhe disse "Se ficares, o teu povo será salvo". Ele só lembrava que neste sonho ele simplesmente acenava com a cabeça em concordância.
    Pela manhã, quando acordou, ele estava curado, até mesmo capaz de se levantar e caminhar, e nesse mesmo dia celebrou sua primeira missa. Logo após deixar a igreja, uma longa chuva começou a cair, tornando a terra fértil novamente. Seu retorno foi visto como um milagre e a Senhora Anastraina morreu algum tempo depois, libertando seus seguidores para sempre.

    VI - A raiva de Malo

    Enquanto Malo havia retornado por algum tempo de Tours, um senhor local chamado Mael Morrigan pecou por seu comportamento, ele era casado com Camille, a ladra. Malo então chegou ao seu castelo, que estava localizado em uma pequena ilha, dizendo-lhe:

    « Mael Morrigan, foi-me dito que seu comportamento está cheio de pecado, aterrorizando até mesmo as pessoas que vivem em seu feudo, você deve confessar e fazer penitência. »

    O Senhor não deixou de responder.

    « Eu sou um grande senhor, já lutei muito mais guerras do que você, portanto não tenho que ouvir os padres! Além disso, destruí a igreja e expulsei os clérigos do meu feudo, vocês não virão mais para corromper meus soldados com suas mensagens de amor que ninguém quer saber! Se seu Deus é realmente poderoso, deixe-o tomar meu castelo! »

    Malo anunciou então ao Senhor.

    « Seja como for, amanhã seu castelo não existirá mais. »

    Na noite seguinte, uma enorme tempestade surgiu, causando ondas cada vez mais fortes sobre o castelo, que o destruiu. O senhor que havia escapado bem a tempo só pôde ver as ruínas de seu castelo pela manhã. Malo voltou para vê-lo e o Senhor lhe disse.

    « Portanto, seu Deus é poderoso, então eu me colocarei ao seu serviço. »

    Assim, o Senhor se uniu a uma abadia e nunca mais foi citado. O feudo foi dado a Malo, que reconstruiu a igreja, e os camponeses agradeceram-lhe dando-lhe um saco de trigo a cada colheita, que Malo apressou-se a transformar em pão para dar aos pobres de sua Diocese.

    Malo morreu pacificamente após muitos anos entre seu rebanho, e através de seu exemplo de piedade, a cidade de Alet seria denominada Saint-Malo.


_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mer Juin 08, 2022 8:42 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Marcos, Patrono da Sereníssima República e dos Navegantes


    Nascimento e infância

    Marcos nasceu em Corcira (Corfu) no início do século I d.C. em uma modesta família de agricultores, mas que nunca o deixaram querer por nada. Uma criança intuitiva e animada, ele foi educado desde cedo nos ensinamentos de Aristóteles, mas sua energia o levou a se concentrar mais em atividades físicas e brincadeiras.
    Ele cresceu como uma criança vagabunda e pestilenta: suas brincadeiras eram conhecidas em toda a aldeia, e sua inteligência era usada para inventar brincadeiras e truques de todos os tipos contra os aldeões: Ele ficou famoso na época em que arrombou a porta da casa do prefeito à noite, com o próprio prefeito e toda sua família lá dentro.

    A Visão e a Juventude

    Conta-se que aos 17 anos, enquanto estava numa adega onde, após uma longa prova de produtos locais, teve uma visão.
    Uma senhora idosa de rosto sereno, olhos profundos como oceanos, cercada por uma luz brilhante e segurando um cajado dourado na mão, apareceu-lhe e disse-lhe:

    « Eu sou o Arcanjo Rafaela, o que estás fazendo aqui? »

    « euh... Eu não estava bebendo *hips* »

    « seus irmãos estão esperando por você » continuou o Arcanjo sem prestar atenção às suas palavras

    « veleje para a nova Oanilone e junte-se aos que esperam por você » após o que ela pousou o cajado na cabeça do jovem e ele desmaiou

    Quando voltou a si, Marcos não tinha certeza se seu sonho era apenas um sonho ou uma verdadeira visão, mas a terrível dor de cabeça que o dominava era um sinal tangível de que o Arcanjo realmente a havia atingido na cabeça e que, portanto, a visão era real.

    Muito abalado com o evento, ele decidiu seguir as instruções e depois partiu para Roma. Ele deixou sua aldeia e embarcou em um navio com destino a Otranto.

    Durante a travessia, Marcos, tendo superado as primeiras dificuldades graças a sua energia e juventude, começou a desfrutar de seu papel de marinheiro, no qual ele se sentia bastante confortável apesar de ser um iniciante. Sua impetuosidade bem dirigida deu bons frutos e isso deixou o jovem orgulhoso.

    Uma vez em Otranto, Marcos se viu impressionado pela realidade de uma grande cidade e um grande porto onde convergiam multidões de todas as partes do Mediterrâneo. Entusiasmado por esta atmosfera tão distante da de sua aldeia, ele começou a frequentar as pousadas do porto e, por seu espírito impetuoso de arruaceiro, fez amizade com gangues de jovens repugnantes dedicados à embriaguez e aos pequenos delitos, que floresceram em um grande porto como o de Otranto.

    Logo sua desenvoltura como um jovem atrevido o levou a juntar-se a uma tripulação de bandidos do mar. Marcos não estava interessado nas mercadorias que eles tomavam dos navios que visavam, o que o entusiasmava na vida do pirata era a aventura, o perigo e a ação, assim como a vida no mar, pela qual ele se tornava cada vez mais apaixonado.

    A conversão e o período romano

    Entre agressões, fugas e ações ousadas, a carreira de Marcos como pirata durou alguns anos: até ser capturado pelas forças imperiais romanas e preso em Brindisi.
    O impacto com a prisão foi um choque para o jovem que só naquela conjuntura percebeu a gravidade de seus atos de banditismo.
    A dura vida na prisão e o contato com pessoas miseráveis e abandonadas abriram seus olhos para seus atos, e abriram seu coração para a verdade do Altíssimo.
    Os anos de prisão o mudaram profundamente e o Marcos que saiu das prisões romanas era profundamente diferente daquele que entrou nela.

    Após os anos de prisão, renascido na verdadeira fé aristotélia, Marcos decidiu finalmente chegar a Roma, como lhe fora indicado pelo Arcanjo Rafaela na visão, e se juntar à comunidade aristotéélica. Finalmente, ele chegou em Roma, onde se juntou à comunidade liderada por Titus e Samoth.
    Mais tarde, o jovem conquistou a confiança dos apóstolos, pois em uma de suas cartas de Roma, Titus, saudando os aristotélicos da Ásia Menor, também envia saudações de Marcos; ele também se tornou seu fiel colaborador tanto que foi preso com ele e testemunhou seu martírio sendo um dos nove salvos de seu sacrifício.

    Pregação e Martírio

    Após a morte de Titus, Samoth o enviou para converter o norte da Itália. Ele chegou em Aquileia, que se tornou sua primeira base de pregação e, posteriormente, se tornou seu primeiro Bispo Patriarca.

    Marcos fez muitas viagens de pregação nos territórios circunvizinhos a que chegou por mar, retomando assim o seu grande amor pela navegação e colocando-o ao serviço da causa aristotélica. Ele próprio se definia como « Marinheiro do Altíssimo ».

    Durante uma de suas viagens foi surpreendido por uma tempestade, desembarcando na Ilha Rialtine (o primeiro núcleo da futura Veneza), onde adormeceu e sonhou com um anjo que o saudava: « Pax tibi Marce » e o encorajava a continuar em seu trabalho, prometendo-lhe que naquelas ilhas dormiria esperando o fim dos tempos.

    Marcos dedicou-se a pregar ao longo das costas do Adriático Oriental fazendo muitos seguidores, o que provocou a aversão das autoridades.

    Finalmente em Durrës ele foi preso pelo Marechal Imperial e torturado para forçá-lo a abjurar, mas ele recusou. O Marechal, então, decidiu torná-lo uma vítima de jogos de circo. Marcos foi levado ao anfiteatro onde leões ferozes foram levados. Então, ele se ajoelhou no centro da arena e começou a orar. Os leões, então, milagrosamente se acalmaram e não o atacaram. O Marechal, por sua vez, furioso, entrou na arena com sua espada em mãos para matar Marcos, mas ele deu apenas alguns passos até que os leões saltassem sobre ele e o despedaçassem.

    Marcos foi levado de volta à prisão, mas o boato do milagre ocorrido se espalhou causando muitas conversões e semeando inquietação; as autoridades, para evitar problemas, decidiram então levá-lo em segredo para a beira-mar onde foi enterrado até o pescoço esperando a maré alta e então, quando teve certeza de que apenas os afogados podiam vê-lo, disse:

    « Seja um marinheiro até que o mar te liberte ».

    Seu corpo foi recuperado por alguns moradores de Durrës que abraçaram a Verdadeira Fé após o prodígio dos leões, e o enterraram nos arredores da cidade. Seu sepultamento tornou-se um local de culto e peregrinação e, posteriormente, uma igreja foi construída no local.

    O milagre do leão alado e a fundação de Veneza

    Em 452 a Cidade de Aquileia foi sitiada por Átila e muitos fiéis se reuniram em oração na Catedral. Após longos dias de meditação, alguns deixaram a Catedral acreditando que a oração não os salvaria. Para aqueles que permaneceram, provando sua fé, um leão alado apareceu entre as abóbadas da Catedral e lhes disse:

    « A paz está convosco. Marcos os protege e os guia como ele fazia em vida. Vocês demonstraram a vossa Fé: a única salvação. »

    O leão os levou para fora da cidade envoltos em uma névoa que os escondeu dos olhos dos inimigos.
    Depois de alguns dias, eles chegaram às Ilhas Rialtines. Então, o leão falou novamente:

    « Não lamentem a antiga glória de Aquileia. Uma maior surgirá aqui, sob a marca do leão. »

    Aqui, de fato, seria formado o primeiro núcleo a partir do qual Veneza surgiria.

    A Relíquia

    Em 828, dois mercadores venezianos roubaram os restos mortais e os levaram para Veneza onde, para guardá-los, foi construída uma pequena capela que mais tarde foi substituída pela Basílica.

    Patrono:

    Dos Navegantes, da Sereníssima República de Veneza, da Cidade de Veneza, da Cidade de Aquileia.


_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mer Juin 08, 2022 8:47 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Mungo, Padroeiro da Escócia e de Glasgow




    Aqui está o pássaro que nunca voou
    Aqui está a árvore que nunca cresceu
    Aqui está o sino que nunca tocou
    Aqui está o peixe que nunca nadou


    O nascimento de um amado

    São Mungo, o Amado, também conhecido como Kentigern pelos ingleses, nasceu por volta de 525 nas margens do Rio Forth, perto da pequena vila de Culross. Sua mãe Tenneu era uma princesa, filha do rei Lleuddun, que governava Lothian e era impopular por causa de sua fúria. São Mungo foi concebido como o filho do amor da Princesa Tenneu e do Rei Owain. No entanto, o Rei Owain era casado com outra mulher na época e a princesa Tenneu foi acusada de seduzir Owain, o que os levou ao pecado da carne. Seu pai, Lleuddun, um homem irado, denunciou Tenneu e a jogou do alto do Traprain Law. Milagrosamente, ela e seu filho por nascer sobreviveram à queda e escaparam pelo Rio Forth em um barco. Depois de um dia navegando rio abaixo, Tenneu abriu caminho até a margem do rio e descobriu uma fogueira abandonada. Ali, no calor e segurança daquele bom fogo, ela deu à luz ao Kentigern, que significa "Grande Chefe" na língua nativa de Tenneu. Um agricultor local encontrou sua mãe e seu filho no dia seguinte, e rapidamente trouxe o padre da aldeia vizinha de Culcross, que tinha corrido em auxílio da mãe e do recém-nascido. Quando ele viu o menino, tomou-o gentilmente em seus braços. "Mynn cu", disse ele, "meu amado". E este apelido lentamente se tornou "Mungo", que ele adotou como seu próprio nome.

    Sua juventude e seu primeiro milagre

    São Mungo foi criado de maneira aristotélica por sua mãe, que era bem versada no dogma e nas Sagradas Escrituras. Entretanto, São Mungo também aprendeu sobre as antigas tradições celtas e o respeito pela natureza. Durante longas caminhadas, ele se familiarizou com a flora e a fauna locais. Um dia, um grupo de melros estava bicando no chão do vilarejo, procurando por comida. Alguns de seus colegas de classe, jovens e travessos, de repente começaram a atirar pedras nos pássaros. Um pássaro foi atingido pelas pedras e caiu no chão. Os meninos fugiram do local. São Mungo também correu, mas em vez de fugir, ele correu para o pássaro que foi atingido. Ele pegou o pássaro em suas mãos e rezou por ele. Depois de um tempo, o pássaro foi reanimado e voou para longe como se nada tivesse acontecido. Os aldeões que testemunharam o evento o chamaram de milagre. E assim, São Mungo realizou seu primeiro milagre.

    « O Mosteiro de Ariston » e o segundo milagre

    Sua educação e formação como padre no rito celta ocorreu no Mosteiro de Ariston, em Culross, Fife. Os preceitos ensinados por sua mãe e a experiência da infância lhe permitiram seguir o caminho da Virtude e fortalecer sua crença aristotélica. Ele se juntou ao grupo como discípulo e esteve envolvido nas tarefas diárias do mosteiro. Numa noite de inverno, o futuro homem santo tinha o dever de vigiar o fogo, pois o fogo continuava sendo a única fonte de calor e, portanto, um elemento primário para os monges que viviam dentro do mosteiro. Ele adormeceu e o precioso fogo foi apagado pelo vento frio, mesmo a última brasa havia perdido sua incandescência. Quando São Mungo acordou e percebeu a miséria criada por sua negligência, pegou um ramo grosso coberto de gelo e o colocou na lareira, sob o olhar dos monges que testemunharam sua ação. Ele orou a Deus para reavivar o fogo, dizendo:

    Em profundo desespero,
    Nunca estive tão consciente de minha própria imperfeição,
    Ofrio me faz falhar em minha tarefa,
    Todos contando comigo, eu os desapontei,
    Não por mim, eu peço seu amor
    Dê-me seu amor, aqueça-os, eles são seus filhos
    Inflame seus corações e mantenha-os seguros,
    Oh Altíssimo.


    O Chamado para Roma e o Retorno à Escócia

    O tempo em Ariston chegara ao fim, e ele fora ordenado Padre. Para aprofundar sua fé, ele foi a Roma e o Papa da época o recebeu. Ele provou ser um clérigo digno de assumir a missão de levar a fé de Deus ao povo da Escócia. Poder chamar os fiéis para participar da missa. Como era costume na época, ele recebeu um sino do próprio Papa. Ao retornar à Escócia, ele foi enviado por um homem santo chamado Fergus a Kernach. Fergus morreu na noite de sua chegada, e Mungo então colocou seu corpo em uma carroça com dois bois selvagens, que ele mandou carregar os restos mortais de Fergus para o lugar considerado bom pelo Senhor. Os dois bois pararam em Cathures, onde Fergus fora enterrado, e Mungo decidiu estabelecer uma igreja lá. Mungo deu o nome « Glasgu » a este lugar ou O Prado Amado. O local tornou-se Glasgow e mais tarde uma igreja se desenvolveu até se tornar a sede da Catedral de Glasgow.

    Os peixes que nunca nadam

    « Aqui está o peixe que nunca nadou »
    O anel na boca do salmão foi um presente de Hydderch Hael, Rei de Cadzow para a Rainha, Languoreth. A rainha deu o anel a um cavaleiro para protegê-lo e o rei suspeitou que ela fosse infiel. Enquanto o cavaleiro dormia na noite de uma viagem de caça, o rei roubou o anel e o jogou no rio Clyde. Ao voltar para casa, o rei pediu a Languoreth o anel e ameaçou executá-la se ela não o encontrasse. A rainha chamou o cavaleiro a quem havia confiado o presente e, naturalmente, incapaz de ajudá-la, confessou tudo a São Mungo. Então o santo enviou um de seus monges para pescar no rio, e o fez trazer de volta o primeiro peixe capturado. Tudo isso foi feito, e São Mungo retirou o anel da boca do peixe. A rainha recuperou seu bom nome e o rei teve que pedir perdão.

    A morte e a influência do santo

    Mungo viveu uma vida santa e ascética até sua morte em 603. Até hoje, ele continua sendo o clérigo mais influente da cidade de Glasgow, pois todos os seus milagres estão registrados no atual brasão de armas da cidade de Glasgow. Seu corpo foi enterrado na cripta da Catedral de Glasgow.

    Relíquias e Festa
    Festa: 13 de Janeiro
    Relíquias: Seus restos mortais estão dentro da cripta da catedral e o sino é armazenado em um santuário na catedral.


_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Sam Aoû 13, 2022 11:34 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Gregório VII (Papa Gregório VII)





    « Poucos são os bons que, mesmo em tempos de paz, são capazes de servir a Deus. Mas muito poucos são aqueles que, por causa das virtudes, não temem a perseguição ou estão preparados para se oporem aos inimigos de Deus. »

    Apresentação

    A vida piedosa e produtiva de Hildebrando de Soana, que foi Diácono, Padre, Legado Apostólico, Bispo, então Papa e grande reformador e defensor da Igreja. Um exemplo vivo das Virtudes, ele nunca hesitou em se opor aos poderosos que abusam de sua posição contra a Fé e os fracos. Hoje ele se senta na Comunhão dos Santos como o Santo Padroeiro dos governantes e legisladores, a quem ele conduz pelo exemplo e pela oração para seguir a Fé e as Virtudes em seus deveres.

    Infância

    Pouco se sabe sobre a infância de Hildebrando de Soana, o futuro Papa Gregório VII: nascido em Soana, na Toscana, no máximo por volta de 1020, em uma família de origem humilde, filho de um carpinteiro como o Segundo Profeta.
    Quando criança, ele foi enviado para estudar em Roma, onde seu tio era abade de um Mosteiro em Aventino. O jovem Hildebrando havia formado um forte vínculo com seu professor, Giovanni Graziano, que mais tarde se tornou Papa Gregório VI.
    A ligação entre os dois era tão forte que, quando o Papa Gregório foi obrigado a abdicar por falsas acusações feitas pelo imperador, Hildebrando o seguiu para o exílio na Alemanha.
    Ali, os saonenses continuaram seus estudos e entraram em contato com os movimentos de reforma da Igreja, contatos que se tornaram mais frequentes após sua transferência para a Abadia de Cluny, após a morte de seu antigo mestre.
    Foi precisamente por sugestão desses reformadores que Hildebrando foi introduzido na carreira eclesiástica.

    Carreira Eclesiástica

    O primeiro passo de Hildebrando foi ser nomeado para o prestigioso cargo de Subdiácono da Santa Sé, uma tarefa com a qual ele se comprometeu com tanta dedicação que mais tarde foi nomeado Legado Apostólico na França.
    No papel de Legado Apostólico, confirmado por vários papas, ele conseguiu derrotar várias heresias e, como resultado surpreendente para a época, obter da Corte Imperial o reconhecimento oficial da autonomia do clero na eleição do papa, sobre a qual os alemães ainda faziam reivindicações ilegítimas.
    Apenas dois anos depois e após o reconhecimento obtido, o Papa emitiu o edital que sancionou pela primeira vez que somente o Colégio dos Cardeais poderia legitimamente escolher o sucessor de Titus.
    Em reconhecimento a seus excelentes serviços, Hildebrando foi nomeado Abade de São Sylphael Fora dos Muros e logo se tornou o principal promotor e criador de uma política pontifical de sucesso.
    Em 22 de abril de 1073, apenas um dia após a morte de seu predecessor, o Abade Hildebrando foi eleito Papa pelos Cardeais, enquanto o povo de Roma já aplaudia seu nome nas ruas.

    Carta de São Gregório VII a um amigo a écrit:

      Você é minha testemunha, Beato Pedro, que foi apesar de mim mesmo que sua Santa Igreja me colocou em seu leme.


    Embora relutante, ele aceitou a eleição e escolheu o nome pontifício de Gregório, em homenagem a seu antigo amigo e mestre. Um sinal para o mundo de que seu pontificado não aceitaria as injustiças e interferências sofridas no passado.

    Pontificado

    Ao saberem de sua eleição, por medo de sua severidade no respeito ao dogma e à lei canônica, muitos Bispos corruptos que estavam longe da Fé tentaram colocar o Imperador Henrique IV contra ele, declarando que ele não tinha autorizado a eleição como ele alegava que podia.
    O novo pontífice, novamente mostrando sua devoção e confiança nas Virtudes, escreveu ao soberano alemão informando-o de sua eleição para o Papado, de acordo com o dogma e as leis da Igreja. Isso sem mencionar e, portanto, negando as reivindicações imperiais sobre a nomeação.
    Henrique, diante das inegáveis razões de São Gregório, não pôde deixar de acolher a eleição do novo Papa, alegando, com pouco sucesso, que ele havia escolhido o eleito.

    A luta contra a simonia e a defesa do celibato

    Nas décadas anteriores, aproveitando a fraqueza da Igreja, muitos governantes tinham nomeado ilegalmente bispos em troca de grandes somas de dinheiro, sem que estes fossem dignos do episcopado.
    Muitos deles viviam agora como leigos, tinham tido esposas e alguns tinham filhos como pais.
    O resultado foi a presença de muitos bispos totalmente ignorantes na doutrina e nas regras da Igreja, que pensavam apenas em se enriquecer e desfrutar de sua posição.
    A prioridade do Papa Gregório era, portanto, restaurar a ordem a um clero completamente afastado da mensagem dos Profetas e do exercício das Virtudes, a fim de finalmente restaurar a dignidade e a missão da Igreja.

    Carta de São Gregório VII ao Abade de Cluny a écrit:

      Se então com os olhos do espírito eu olho para o oeste, sul ou norte, dificilmente encontro Bispos legítimos por eleição e por conduta de vida, que se deixam guiar pelas Virtudes.


    O Pontífice convocou então um Concílio em Latrão para tomar medidas contra a simonia e concubinato: este foi o início da Reforma Gregoriana.
    O concílio depôs todos os bispos que haviam comprado sua nomeação e condenou à excomunhão todos aqueles que não haviam renunciado aos benefícios obtidos através da simonia.
    Pouco depois, Gregório confirmou o celibato para o clero, impondo penas severas para aqueles que o haviam violado e libertando os fiéis da obediência aos bispos que haviam permitido que os sacerdotes se casassem.
    Mas acima de tudo, ele condenou e proibiu, sob pena de excomunhão, a nomeação de bispos por soberanos temporais, um crime contra o apostolado e o próprio Altíssimo.
    Isto, inevitavelmente, o colocou em contraste com muitos governantes e, em particular, com Henrique IV, que obteve enorme riqueza com as nomeações ilegítimas de bispos.
    São Gregório sabia bem que Henrique e os bispos que ele havia nomeado fariam tudo para detê-lo.

    Carta de São Gregório VII ao Bispo da Cantuária a écrit:

      Compreenderás como é perigoso para nós agir contra eles e como é difícil resistir-lhes e refrear a sua maldade.


    Apesar da oposição, ele continuou seu trabalho de reforma e renovação e muitos outros soberanos, movidos pela Fé, reconheceram-se como vassalos da Sé Apostólica e submeteram-se à primazia do Sucessor de São Titus.
    Em 1075, o Papa compôs o Dictatus Papae: uma coleção de vinte e sete proposições que reafirmaram os princípios sobre o papel da Igreja e do Papa dentro dela, ditados pelas Escrituras. (Para mais informações, ver texto e comentários)

    O confronto com o soberano alemão

    No início, Henrique, empenhado em reprimir as revoltas de seus súditos contra seu governo tirânico, fingiu apoiar o Papa.
    Ele até fez um ato de submissão ao Papa e pediu perdão pelas nomeações ilegítimas que havia feito, prometendo apoiar a reforma da Igreja.
    No entanto, assim que resolveu os problemas internos, voltou a nomear bispos e em vez de cumprir sua promessa, promoveu os excomungados como seus conselheiros pessoais.
    O Pontífice, ainda movido por sua forte fé, escreveu uma carta ao imperador pedindo-lhe que mudasse seu comportamento e propondo-lhe que encontrasse um compromisso para manter a unidade do aristotelismo.
    A resposta de Henrique não demorou: na noite de Natal de 1075, durante a missa, um dos apoiadores de Henrique sequestrou Gregório tentando tirá-lo da igreja para matá-lo.
    Pouco tempo depois, porém, São Gregório saiu ileso da igreja e acalmou o povo que havia se levantado para defender seu pastor.
    Diz-se que o atacante se converteu depois de falar com o papa e passou o resto de sua vida orando como um monge.
    Assim que soube o que havia acontecido, decepcionado com o fracasso de suas manobras, Henrique decidiu agir abertamente: no mês de janeiro seguinte, com o apoio dos bispos que havia nomeado, organizou um concílio ilegal que depôs Gregório. Depois de um crime tão grave, Gregório só poderia excomungar Henrique e despojá-lo de seu trono.

    Excomunhão de Henrique IV, lida por São Gregório VII aos bispos reunidos em Roma a écrit:

      Confiante no poder de ligar e desligar, tanto na Terra como no Céu, que me foi dado por Deus, contesto o Rei Henrique, filho do Imperador Henrique, que se levantou com orgulho ilimitado contra a Igreja, por sua soberania sobre a Alemanha e a Itália, e liberto todos os aristotélicos do juramento que fizeram ou podem ainda fazer a ele, e os proíbo de continuar a servi-lo como rei.


    Imediatamente todos os súditos do império se revoltaram contra Henrique, até mesmo seus amigos bispos o abandonaram e ele foi deixado completamente sozinho.
    Quando ele convocou um sínodo para nomear um novo papa favorável a ele, ninguém mais se apresentou.

    O Perdão de Canossa

    Os príncipes alemães pediram permissão a Gregório para perseguir Henrique e depô-lo, mas ao mesmo tempo o governante alemão chegou à Itália para solicitar uma reunião com o papa.
    O Pontífice, então, se viu em uma encruzilhada: ele poderia deixar Henrique ser processado, ganhar glória e prestígio e quebrar um rival; ou poderia estender a mão da misericórdia, oferecer perdão a um crente perdido, apontar o caminho para a penitência e a absolvição.
    São Gregório, Pastor do Mundo e Servo dos Servos de Deus, escolheu inevitavelmente o segundo caminho.
    Ele respondeu aos príncipes, e implicitamente a si mesmo, que Henrique deveria pedir perdão e fazer penitência e que estava esperando por ele em Canossa, onde ele foi convidado pela piedosa proprietária da terra.
    Henrique chegou sozinho aos portões de Canossa como um humilde penitente, vestido apenas com um vestido gasto. Durante três dias, no frio do inverno, sem comida nem água, ele esperou para ser recebido pelo papa.
    Ao amanhecer do quarto dia, um mensageiro saiu de Canossa dizendo-lhe que o papa estava pronto para perdoá-lo e por isso Henrique fez uma submissão ao papado.
    Ele, que por seu próprio orgulho havia ousado se exaltar ao Altíssimo, foi forçado a se humilhar para obter o perdão e reconhecer que estava muito abaixo de Deus e de seu Vigário.

    Últimos anos e morte

    Sua bondade e magnanimidade, no entanto, não foram retribuídas por Henrique, que após alguns anos declarou novamente Gregório deposto e nomeou um antipapa.
    Desta vez, porém, Henrique decidiu eliminar de uma vez por todas o papa que havia lutado tanto para defender a Igreja, e se estabeleceu com seu exército contra Roma.
    Gregório, velho e cansado, decidiu deixar a cidade para salvar o povo da guerra e retirou-se para o exílio em Salerno.
    O sucesso de Henrique não durou muito: em guerra com seus próprios filhos, ele finalmente foi deposto e morreu sozinho e em desgraça.
    Pouco depois, o grande pontífice morreu serenamente e confortado pela oração, certo de que finalmente chegaria ao Paraíso Solar.
    Os fiéis, que haviam amado tanto seu bom governo da Igreja, prestaram-lhe as honras devidas a um papa e, enquanto esperavam que ele voltasse a Roma, escreveram em seu caixão:

    Epitáfio de São Gregório VII a écrit:

      Dilexi iustitiam, odivi iniquitatem, propterea morior in esilio.
      Eu amei a justiça e odiei a iniquidade; por isso morro no exílio.


    Seu sucessor, Vitor III, teve todas as suas decisões confirmadas e excomungou e puniu o antipapa usurpador que obrigou Gregório a fugir.
    Hoje, São Gregório é justamente considerado um grande reformador e o iniciador desse movimento de renascimento na Igreja que culminou na Renovação da Fé, da qual ele é o principal precursor.



_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 3919
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Dim Aoû 14, 2022 12:00 am    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de Santo Ivo dos Bretões


    Yves (em bretão Erwan) - Seu nome está associado em Tréguier e Tugdual. Ele é frequentemente retratado fazendo justiça entre os pobres e os ricos.


    I - Nascimento e formação de Yves Hélory de Kermartin

    Yves Hélory de Kermartin nasceu no dia 17 de outubro do ano mil duzentos e cinquenta e três, no casarão de Kermartin, em Minihy, perto de Tréguier. Aos quatorze anos, ele partiu para a Universidade de Paris, onde estudou letras e ciências, teologia e direito canônico por dez anos. Em duzentos e setenta e sete, aos vinte e quatro anos de idade, Yves foi para Orleans para estudar direito civil, continuando assim a levar a vida de um estudante sério e piedoso. Em seguida, ele foi para Rennes para completar seus longos estudos, participando de palestras sobre o Livro das Virtudes. Sua comitiva não deixou de notar suas habilidades intelectuais e sua erudição, o que o tornou um estudioso e um homem culto. Um homem talentoso, mas também de grande espiritualidade devido a sua piedade e ascetismo, tanto que o Arcebispo de Rennes lhe ofereceu a posição de Oficial.

    II - Oficial em Rennes: o julgamento dos odores

    Yves não se limitou a fazer cumprir a lei em suas funções judiciais. Ele se tornou o defensor dos fracos, dos pobres e dos perseguidos. A violência e a injustiça eram tão abomináveis para ele que ele as combateu por iniciativa própria, e não poupou nem dor nem dinheiro para ver a justiça ser feita. Seu discurso ardente e eloquente, a autoridade de seu conhecimento, sua reputação de retidão e firmeza conquistaram cada caso que ele assumiu. E ele atacava sem hesitação, diante dos tribunais eclesiásticos, homens poderosos que, por ofensa à justiça, o haviam ofendido indignadamente. Foi esta indignação que o levou um dia a pronunciar seu mais famoso julgamento, o dos odores.

    Neste caso, um estalajadeiro estava em conflito com um mendigo. O mendigo foi acusado pelo estalajadeiro de ter sido pego à espreita nas cozinhas. Como o estalajadeiro não conseguiu provar uma acusação de roubar comida, ele acusou o mendigo de se alimentar dos odores de sua cozinha... Na noite anterior à audiência, sem saber como lidar com este caso, Yves rezou uma oração antes de ir para a cama, esperando que no dia seguinte lhe viesse à mente uma solução. Enquanto dormia, ele sonhou com a vida de Miguel, o Arcanjo da Justiça, e encontrou um julgamento que surpreendeu a muitos: o barulho pagaria pelo cheiro! Na audiência, Yves Hélory pegou algumas moedas de sua bolsa e as jogou em cima da mesa na sua frente. O estalajadeiro estendeu sua mão para pegá-los, mas Yves segurou sua mão para trás. O estalajadeiro exclamou: "É meu!". Yves respondeu: "Oh não!" o som paga pelo cheiro, este homem recebeu o cheiro da sua cozinha e tu, o som destas moedas! A reputação deste jurista vingativo se espalhou por toda a Bretanha e até mesmo pelo oeste do Reino da França. Yves permaneceu em Rennes por quatro anos, de 1280 a 1284. Ele já era conhecido por sua vida de privação em favor dos pobres, especialmente quando deixou Rennes.

    Um dia, o irmão Guiomar Morel, Diácono de Tréguier, disse dele: « Enquanto ele estava doente em Kermartin, a casa de Yves, eu me encontrei sozinho com Yves e o instiguei a me explicar como ele tinha conseguido adotar esta vida austera e santa. Yves teve grande dificuldade em responder, mas finalmente me disse que quando era Oficial do Arcebispo de Rennes, ele foi ao convento Franciscano de Bruz para ouvir a explicação do Livro das Virtudes. Foi então, sob a influência das palavras dos Frades ali reunidos, que ele começou a aspirar a uma vida de caridade longe da riqueza. Durante muito tempo, ele sentiu uma terrível contenda entre a razão e a sentimentalismo. Esta briga, ou melhor, esta luta, durou três anos. No segundo ano, a razão finalmente superou o sentimentalismo. Foi então que Yves começou a pregar, embora ainda não tivesse deixado suas roupas mundanas. No terceiro ano, porém, por pura razão tendo tomado o controle total, Yves deu suas boas roupas aos pobres por amor de Deus e vestiu roupas grosseiras, ou seja, um traje de manga comprida e larga e sem botões, e sobre este traje uma capa, ambas arrastadas, muito sérias na aparência e cortadas de um tecido de mesa grosso e branco. Ele então adotou este traje para trazer os fiéis mais facilmente de volta ao caminho da Virtude. »

    III - Yves, o Padre

    Em 1284, o Arcebispo de Rennes, tendo recebido a confirmação de seus dons, exortou-o a aceitar o sacramento da ordenação e a ser confiado à paróquia de Tredrez. Yves aceitou e, assim que deixou Rennes, vendeu o cavalo que o Arcebispo lhe havia oferecido para dar o dinheiro da venda aos pobres. Em sua paróquia de Tredrez e posteriormente em Louannec, enquanto seus predecessores pregavam em latim, Yves surpreendeu seus paroquianos pregando em bretão, tornando assim acessível ao povo o entendimento do Livro das Virtudes. Ao fazer isso, pessoas de todo o mundo vieram para ouvir este humilde padre cuja devoção fez com que as pessoas amassem a piedade. Mas ele não mediu esforços para contar ao povo pobre da região rural bretã sobre a esperança de Deus. Por causa de uma epidemia que levou muitos padres, às vezes ele pregava cinco vezes no mesmo dia em lugares diferentes: Tredrez, Louannec, Saint Michel en Grève, Trédarzec e Pleumeur. Ele caminhada por todo o caminho, nunca a cavalo.

    Em 1293, após a morte de sua mãe por doença, ele herdou todo o patrimônio familiar como o membro mais velho da família Heloury. Em Tredrez, quando era Reitor ali, ele também alimentava os pobres: uma vez que tinha o pãozinho que permanecia no presbitério dado aos pobres. O pão bastante era cortado para que todos tivessem o suficiente, para o grande espanto do vigário, que reservara um pedaço para si de antemão.
    Yves surpreendeu a todos por seu desapego: Advocatus erat, sed non latro, res mirabilis populo. Esta exclamação em latim tem sobrevivido aos séculos, e ainda é muitas vezes pronunciada na Bretanha: « Ele era um advogado, mas não um ladrão, algo admirável para o povo. Quanto às roupas pobres que ele às vezes fazia, o dia em que eram usadas para ele nem sempre terminava antes que algum infeliz as oferecesse.

    Yves Hélory morreu no dia 19 de maio de 1333. Seu funeral na Igreja de Saint-Tugdual em Tréguier, onde seu mausoléu foi erguido, foi objeto de um extraordinário fervor popular. Para todos, ele se tornou o « mirouër (espelho) dos eclesiásticos, advogados, os pobres, viúvas e órfãos. »

    Um gesto final para os pobres:

    No dia seguinte à sua morte, pela manhã, os pobres de Tréguier encontraram todos um pão em seus pertences. Esta descoberta foi imediatamente atribuída a Yves. Os pobres, desejando agradecer ao Santo Homem, participaram da montagem do magnífico mausoléu na Catedral de Tréguier, e não deixaram de vir rezar depois.

    IV - Testemunhos sobre Yves Hélory de Kermartin


    A viúva do malabarista Rivallon disse sobre ele:

      « Meu falecido marido e eu, acompanhados pelos quatro filhos que tivemos, viemos a sua casa em Kermartin, há cerca de onze anos antes da morte de Dom Yves, para receber esmolas e hospitalidade pelo amor de Deus. Yves nos recebeu com grande alegria e, durante esses cerca de onze anos, ele nos manteve em sua casa, providenciando nossa comida e roupas. »

    Um cavalo para os pobres:

      Num verão, em uma época de grande seca, Yves não tinha mais nada a dar aos pobres. Tudo o que lhe restava era um cavalo usado para cultivar sua terra. Ele veio de Trédrez para Tréguier para encontrar um burguês chamado Traquin, que se casara com sua irmã. Ele disse a Traquin: « Compre meu cavalo. » O burguês riu dele: « Estás louco? », gritou ele, « de querer vender o teu cavalo para dar aos pobres! » Sem se importar com essas provocações, Yves insistiu, e o burguês comprou o cavalo por cinquenta cruzados. Tão logo o preço foi combinado ou calculado, Yves voltou para casa apressado, tendo instruído sua irmã a enviar-lhe 50 cruzados em pães para distribuir aos pobres, pois os pobres o seguiam por toda parte.

    Yves, uma memória ainda viva na Bretanha

    Quando os bretões viram Yves passando pelo campo
    Yves vestido com seu grande casaco branco
    Eles pensavam que Deus o tinha colocado na Bretanha
    Para defender os fracos e os pequenos dos grandes.
    Em seu nome, os doentes despertaram em suas camas.
    Os marinheiros o invocaram no meio da escuridão,
    E seus barcos cruzaram as ondas perigosas



    Ele é o Santo Padroeiro da Bretanha e dos Juristas.
    Ele é comemorado em 19 de maio.



_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Montrer les messages depuis:   
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Biblioteca da Igreja de Portugal Toutes les heures sont au format GMT + 2 Heures
Aller à la page Précédente  1, 2, 3, 4, 5
Page 5 sur 5

 
Sauter vers:  
Vous ne pouvez pas poster de nouveaux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas éditer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas supprimer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas voter dans les sondages de ce forum


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduction par : phpBB-fr.com