L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church
Forum RP de l'Eglise Aristotelicienne du jeu en ligne RR
Forum RP for the Aristotelic Church of the RK online game
 
Lien fonctionnel : Le DogmeLien fonctionnel : Le Droit Canon
 FAQFAQ   RechercherRechercher   Liste des MembresListe des Membres   Groupes d'utilisateursGroupes d'utilisateurs   S'enregistrerS'enregistrer 
 ProfilProfil   Se connecter pour vérifier ses messages privésSe connecter pour vérifier ses messages privés   ConnexionConnexion 

[LIVRO DAS HAGIOGRAFIAS] Os Santos Antigos
Aller à la page 1, 2, 3, 4, 5  Suivante
 
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Capítulo do Repositório
Voir le sujet précédent :: Voir le sujet suivant  
Auteur Message
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:51 pm    Sujet du message: [LIVRO DAS HAGIOGRAFIAS] Os Santos Antigos Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia do Santo Ânani Mhour, o Primeiro Filósofo da História



    Como o último erudito do meu povo capaz de lembrar daquele que tanto significou para nós, decidi transcrever meus pensamentos em texto.


    A Vida de Ânani Mhour

    Anani Mhour nasceu no dia da queda de Oanylone, em uma família incluída entre as primeiras a deixar a cidade por amor à Deus.

    Seu pai costumava contar que todos os sobreviventes permaneceram do outro lado do lago, enquanto relâmpagos e trovões destruíam todas as construções, até o momento em que o abismo engoliu todos os restos da cidade. Ele adorava falar sobre como um arco-íris permaneceu visível, durante três dias, após a destruição da cidade amaldiçoada. Ele tinha visto os veleiros chegando com inúmeros refugiados, alguns dos quais falavam uma língua desconhecida, embora ele os tivesse conhecido falando a mesma língua que ele semanas antes.

    Nosso grupo acolheu alguns dos refugiados que ainda falavam nossa língua, mas será que realmente falávamos a mesma língua ou será que a língua de Oane desapareceu com a cidade? Minha mãe tinha vinte e cinco anos de idade e era a guardiã da grande biblioteca. Ela havia fugido com muitos livros, mas apenas apenas àqueles que falavam sobre a mensagem de Deus ainda eram legíveis. Na verdade, enquanto antes todos falávamos a mesma língua, a ira do Altíssimo nos condenou a falar em dezenas de dialetos diferentes, separando os seres humanos, uns dos outros, forçando-os a se entenderem a fim de sobreviver.

    Inicialmente, foi dito que apenas os justos tinham sobrevivido, mas logo percebemos que estávamos pecando por orgulho ao dizer que éramos melhores do que os outros, e logo percebemos que entre nós, nem todos tinham um coração puro e que o medo os havia levado a fugir mais do que sua fé em Deus.

    Os primeiros anos foram difíceis para os sobreviventes e nossa falta de compreensão combinada com nossa miséria impediu a criação de um grupo unido. Assim, as comunidades foram se formando muito rapidamente e se agrupando em tribos. Eu tinha doze anos de idade quando minha tribo decidiu viajar em direção ao pôr-do-sol, na esperança de se aproximar do Altíssimo.

    Deus parecia ter nos abandonado, mas não abandonamos nossa esperança de que um dia ele perdoaria a humanidade por tê-lo servido tão mal.

    Ânani, como a primeira criança nascida desde a destruição da grande cidade, foi educada da mesma forma que os sacerdotes de Oanylone e, para surpresa de todos, com apenas sete anos de idade, ele podia citar qualquer parte do livro de Oane.

    Aos dez anos de idade, ele começou a consolidar o que sabíamos da história da humanidade, desde Oane até a destruição da cidade, pois ele disse:

      "Se estas coisas forem esquecidas, cometeremos novamente os mesmos erros. Deixemos de provocar a ira no nosso Criador e provemos a ele que somos dignos."

    Ânani, embora o mais jovem de todos os estudantes, logo foi capaz de me superar na arte da caligrafia, e sua paixão pelo desenho o fez misturar os dois em suas histórias.

    Ele se tornou aquele que estendeu a memória de seu povo através da escrita, o que era novo para nós porque os únicos escritos que tínhamos eram a poesia, os livros de contabilidade do mestre da cidade e os textos sagrados do templo. O grande livro de Oane tinha desaparecido com a grande biblioteca, mas Ânani começou a transcrever as memórias dos antigos em finas tábuas de madeira ou através de gravação em pedras.

    Nada o distraiu de sua missão. Ele questionou o mais velhos e transcreveu, incansavelmente, as suas histórias, seja como construir um barco, como plantar milho, ou mesmo todas as histórias da vida de nosso povo, desde o dia em que nosso Criador destruiu a cidade amaldiçoada e a cobriu com sal.

    Dizia-se que se ele era tão erudito e tão sábio, era porque tinha sido abençoado pelo próprio Oane, quando ele apareceu quarenta dias após o dia das cinzas. Na verdade, acho que ele foi inspirado pelos vários justos que Deus havia trazido ao paraíso.

    Sobre a morte de Anani, quatro gerações estavam lá para lamentar sua morte, e choraram por dez dias. No décimo dia, como era costume naquela época, eles levaram seus restos mortais para a colina mais alta para ser queimado quando o sol nascesse. De fato, os anciãos da tribo de Mhour ouviram as palavras do Altíssimo a respeito de que o Paraíso se encontrava no Sol. Assim, querendo ajudar a alma do falecido à alcançar o sol, eles passaram a realizar a cremação no momento em que o sol ainda tocava o horizonte, a fim de que a alma pudesse seguir em direção ao sol, sem cruzar o olhar dos malditos na lua.

    Mas o fogo não queimou... Um arco-íris fora formado desde sol até o pé da pira, de forma a que parecia que a alma de Mhour se desprendia de seu corpo, indo em direção à luz e virando-se, por um momento, para dizer:

      "Não chorem por mim pois, para onde irei, eu serei um anjo entre anjos. Não destruam meu corpo, porque ele é um presente de Deus. Ele é matéria e, como tal, deve voltar para a matéria. Que a partir de agora o fogo seja reservado para a purificação dos corpos impuros e o enterro para todos os que acreditam nele.

      Guardem a mensagem de Deus para o dia em que Ele escolherá Seu primeiro profeta, pois nesse dia, Suas palavras deverão ser lembradas aos seres que irão povoar a criação."

    Sua alma, então, parecia subir no arco-íris para ir em direção ao sol, acompanhado pela mesma nuvem celestial que foi descrita pelos antigos como a nuvem que levara os sete humanos da cidade de Oanylone, pouco antes do abismo o engolir e do sal cobrir o lugar amaldiçoado.

    Meu tempo está se aproximando e estou aqui, no mesmo no lugar onde, há sessenta anos atrás, estava a grande cidade; onde a ira do nosso Criador, justa porém implacável, foi trazida sobre nós.

    Ânani me disse uma vez:

      "Espero que um dia os humanos se lembrem que Deus disse que a criação estava submissa à humanidade, mas que ele não disse que a humanidade deveria estar sujeita uns aos outros. Precisamos de líderes, mas líderes que sejam justos, líderes que vivam para seu povo e não de seu povo. Espero que um dia, sejamos governados por aqueles que servem ao povo e não, como ocorreu no caso na cidade amaldiçoada, por aqueles que servem à si mesmos."

    Termino este texto rogando ao nosso Criador para que me permita ver meu amigo novamente após a minha morte, pois eu o amava como uma irmã, embora eu desejasse tê-lo amado como sua esposa. Contudo, como ele tinha seu pensamento voltado unicamente à servir à Deus e ao seu povo, ele não se uniria a uma só pessoa.

    Encerro este texto em uma arca dourada, no sal que ainda marca e para sempre marcará a localização da primeira cidade dos Filhos de Deus, juntamente com os quatro textos do meu amigo, do meu amor, para que um dia possam servir de memória para a humanidade.

    A história do meu povo (por Mhour)

    A Destruição de Oanylone, ocorrida no dia de Mercúrio ou, quarta-feira, foi apenas o início de nossa punição. Nós a chamávamos de « Quarta-feira de Cinzas ».

    Havia sete grupos que agora falavam idiomas diferentes e desconfiavam uns dos outros, mas com muito pouca comida... Nosso grupo partiu em direção ao pôr-do-sol e caminhou por quarenta dias.

    Durante os quarenta dias tivemos muito pouco para comer, apenas esta planta estranhamente nutritiva que, até então, era utilizada somente para alimentar os porcos do Mestre Mayhiz, os pães encontrados em um dos navios que haviam fugido da cidade e alguns peixes que estavam reservados para as crianças, antes de partirmos. Substituímos, portanto, a comida pela oração e os prazeres pela penitência. O povo se amaldiçoou pela decisão de preferir o prazer à oração e à contemplação.

    No quadragésimo dia, Oane apareceu para nós. Aqueles que tinham visto sua estátua no grande templo, o reconheceram diretamente e se ajoelharam, batendo no peito e implorando que intercedesse por eles junto ao Altíssimo. Ele se voltou para o meu pai e disse:

      "Mhour, seu filho, é o primogênito desde o dia das cinzas. Você guiou sua tribo durante quarenta dias em privação e oração sem nunca pedir nada para si mesmo. Saiba que suas orações foram ouvidas e que amanhã será um dia de fartura para você. Você deixará de lamentar as faltas dos anciãos, porque Nosso Criador disse: "Eu o julgarei de acordo com a vida que se levou" e não mais pelos pecados de seus pais.

      Você deve viver para o futuro e não mais para lamentar o passado, ser o guia de seu povo e instruir seu filho à abrir o caminho que levará aos profetas.

      Deus só pede o vosso amor, e só o podeis dar a Ele se vos amardes à si mesmos. Que o perdão dos pecados seja dado àquele que se arrepende, mas que aquele que repete contra a palavra dada seja banido.

      O amanhã é um presente de Deus. Celebre porque será o dia da renovação, que os últimos quarenta dias não sejam a imagem de sua vida. Não procure à Deus no sofrimento, mas lembre-se de ter sofrido para não perdê-lo. Vou deixá-lo continuar com sua vida. Descanse e celebre com tudo o que resta da comida e do vinho, pois amanhã será o dia da renovação."

    Assim, minha tribo celebrou, e aqueles que tinham pão dividiram-no com seu vizinho, e o vinho também foi dividido até a última gota, e naquele dia foi o primeiro dia de fartura desde a quarta-feira de cinzas. Todos dormiam como eu, ou seja, como um bebê grande que eu era e, ao acordarem com o sol, as pessoas viram uma fonte fluindo por perto, e um pouco mais longe, um oásis cheio de frutas e animais.

    No centro do oásis estava um pilar sobre o qual foi fixada a tábua de Oane, a tábua que continha os mandamentos de Deus. Esta pedra que fora gravada pelos dedos do Criador e confiada à primeira comunidade para que nunca esquecessem que, além do amor, estávamos também vinculados à lei da Criação. Esta pedra que tinha desaparecido com a cidade estava lá... intacta, mas escrita em uma língua que não sabíamos mais ler... Mas eram as leis do Altíssimo e nós não estávamos prontos para esquecê-las novamente.

    Foi lá, perto do pilar, que a maioria do meu povo se estabeleceu. Por mais de quarenta anos de paz e felicidade, vivemos aqui e rezamos à Deus para que perdoasse seus filhos. Outros continuaram em direção ao mar e mais além, para espalhar a raça humana por toda a criação.

    As três teses de Ânani Mhour

    Recordamos sua vida, especialmente suas três teses principais. A primeira poderia ser uma das fontes da hierarquia não-familiar.

      Deus, o Criador do mundo é o pai e ele deve ser amado, temido e respeitado, mas isto é válido para todos os filhos em relação aos seus pais e mães. E em geral, se o pai tem autoridade sobre o filho, então todos aqueles que têm autoridade sobre nós devem ser amados, temidos e respeitados como um pai. Mas assim como um pai deve proteger seu filho, ter autoridade sobre outra pessoa traz consigo as mesmas responsabilidades. Quem, por uma razão ou outra, tomar o lugar do pai deve aceitar as honras, mas também as responsabilidades.

    O segundo argumento foi que o Senhor recompensou a amizade com uma longa vida para todas as coisas.

      Oane disse certa vez, durante a criação de nossa primeira cidade, que "é através do amor e da complementaridade que vocês serão capazes de criar, pois nosso Criador quer que todos nós sejamos unidos na vida como humildes servidores da criação."

      Isto é tão verdade que, por esquecê-la o Altíssimo nos castigou, cada um querendo se tornar o mestre e fazer de seu irmão diante de Deus um servo.

      O amor ao conhecimento levou os humanos a criar a escrita para preservar esse conhecimento, mas escrever sem amor é apenas uma série de palavras tristes e sem alma. É, portanto, o amor pela escrita que faz com que a escrita assuma todo o seu significado e o amor pela leitura que garantirá que este texto não será perdido.

      Tudo o que é feito para durar deve ser feito com amor e amizade. Se o pedreiro trabalhar sem amizade para seu cliente, a casa que ele está construindo entrará em colapso com os primeiros ventos.

    A terceira tese, que ele talvez amasse acima de tudo, é que quem controla a palavra tem muitos poderes e deve usá-los para o bem e a paz.

      Vou lhes contar a história de Ocless, que foi uma grande dama, mas que, embora possuísse o poder da palavra, preferia o poder da espada.

      Ocless foi a matriarca de uma grande família que agora está esquecida. Sempre que uma discussão se voltava contra si, ela puxava sua espada e a colocava na sua frente, apontando para seu oponente. Muito rapidamente a discussão se voltava para a direção desejada pela dama e, zombando, ela colocava novamente sua espada de volta na bainha.

      Sua família desapareceu, por não ter ninguém que ousasse contradizer suas palavras, ela continuou persistindo em seus erros, o que levou sua família à bancarrota. Era impossível para o clã viver permanentemente com o medo da espada da Senhora Ocless acima deles.

      Cada homem e cada mulher tem a tarefa de salvar a humanidade aos olhos de Deus, e para isso ele deve fazer o que a humanidade foi escolhida para fazer a fim de cuidar da criação. O homem deve, portanto, ser feliz ajudando seu próximo a ser feliz, pois não é possível conceber dar amor em torno de si mesmo se ainda não se está feliz.

      Deus em sua grande sabedoria nos deu mais do que a palavra, ele nos deu a possibilidade de usar esta palavra para propagar amizade e felicidade. É nosso dever usar a palavra para consolar nossos semelhantes e fazê-los felizes, mas a palavra também é uma arma poderosa e seria bom que àqueles que possuem as chaves não pudessem também estar armados. O ser humano é feito de espírito e matéria, ele possui dois tipos de armas, uma fundada sobre o espírito e outra sobre a matéria.

      A arma do espírito dada por Deus é feita de política, pregação e diplomacia. Ela deve permitir que a arma da matéria que fará com que o sangue e o ódio sejam derramados não seja tirada de sua bainha. Para isso, seria vantajoso que aqueles que possuem a palavra, não carreguem a espada.



_________________


Dernière édition par Adonnis le Ven Oct 16, 2020 7:01 am; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:51 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de Santa Anastásia


      A jovem Anastácia nasceu na Novogárdia, em 1256, filha de um pai funcionário público de alto escalão e uma mãe da baixa nobreza. Ambos os pais eram aristotélicos por tradição e não por escolha, mas, no entanto, iam à missa todos os domingos e nunca desistiram de alguns rublos durante a busca no final do culto.

      Anastasia é uma criança única. Seu pai, com uma grande carreira administrativa, tinha uma renda muito boa: eles permitiam que a mãe de Anastasia passasse seus dias com sua filha e lhes proporcionavam um considerável conforto material. A jovem já estava sonhando com um casamento suntuoso com o mais terno e rico dos jovens russos. A jovem Anastásia tinha tudo para ser feliz, e ela era.

      Muito cedo, Anastásia mostrou uma curiosidade intelectual surpreendente. Não passou um dia sem que ela fizesse perguntas a sua mãe sobre a vida, sobre a morte, sobre a jovem a República, sobre o amor ou sobre Deus. Seu pai se congratulou e imediatamente convocou os melhores tutores. Os candidatos vinham de todo o Principado e até mesmo das distantes Kiev e Moscou: a reputação da família era honrada e o cargo era estável e bem pago.

      Mas seu pai era um homem muito atento ao bem-estar de sua filha e, afastando-se de seu trabalho na administração por um tempo, decidiu tirar alguns dias de folga para entrevistar pessoalmente os candidatos para garantir, por um lado, sua piedade - porque queria que sua religião fosse transmitida à filha - e, por outro lado, sua visão da jovem República - de fato, este conceito era novo e ele queria que sua filha continuasse seu trabalho: em nenhuma circunstância ele queria que ela desenvolvesse idéias pró-monárquicas.

      A escolha do pai da jovem Anastásia finalmente recaiu sobre um nativo de Novogárdia, com cerca de cinquenta anos de idade, e a educação da menina começou.

      Mas Anastásia estava entediada. Seu tutor achava melhor ensinar do que responder às perguntas da garota. Ele estava enganado. Não que Anastásia estivesse interessada apenas em algumas coisas, mas havia certas coisas que ela estava ansiosa para saber. Seu tutor não tinha compreendido que ele deveria ter resolvido primeiro os enigmas primários da garota antes de começar sua educação clássica.

      No entanto, Anastásia era muito grata a seu pai e tinha sua antiga tutora em tão alta estima que ela não disse uma palavra sobre seu tédio à ninguém. Ela decidiu encontrar as respostas para suas perguntas por conta própria, e como sempre lhe haviam dito que os homens da Igreja eram provavelmente os homens mais cultos, ela foi à catedral onde se encontrou com vários cônegos, que ficaram encantados de ver uma criança tão jovem demonstrando tanto interesse em assuntos teológicos.

      Assim, tendo encontrado respostas para suas perguntas existenciais, ela ficou menos entediada durante as aulas com seu tutor.

      Com o passar do tempo, os cônegos abordaram outros temas com a jovem criança-prodígio, incluindo a natureza divina do poder. Esta foi, sem dúvida, a fonte dos infortúnios de Anastásia. De fato, os cônegos lhe explicaram como eram as coisas antes do estabelecimento da República - era este mesmo assunto que seu pai não queria ver abordado pelo tutor. Aos poucos, Anastásia percebeu que a República, apesar de seu sucesso administrativo, logo tornaria a Igreja totalmente impotente, o que ela achou inconcebível.

      Ela resolveu discutir o assunto com seu tutor, cuja sabedoria era grande. O homem foi, completamente, pego de surpresa: ele não sabia a princípio se deveria ou não responder às perguntas da jovem. Sua posição como tutor o encorajava a fazê-lo, mas o pai da menina o havia expressamente proibido de fazê-lo. Entretanto, foi seu lado pedagógico que assumiu e, depois de fazer Anastásia jurar não dizer à seu pai que concordara em discutir a República com ela, ele aceitou responder às suas perguntas. O tutor tinha conhecido a corte dos Czares, onde, por serviços prestados, ele tinha recebido certos privilégios, assim como algumas terras. Anastásia logo percebeu que ele, secretamente, também queria o retorno da monarquia.

      Anastásia tinha uma grande admiração por seu pai, à quem também era muito apegada. Foi insuportável para ela conhecê-lo no caminho do desvio teológico e filosófico. Depois de algum tempo, ela decidiu compartilhar com ele as idéias que havia desenvolvido. Seu pai, que até então tinha sido calmo e benevolente, ficou furioso. Ele estava convencido de que era este tutor, que ele considerava muito aristocrático, que havia instilado estas idéias nocivas em sua filha.

      Anastásia, que adorava seu tutor, interveio em seu favor, explicando que foi mais na catedral do que na sala de aula que ela tinha desenvolvido tais pensamentos. Seu pai, num ataque de raiva, tomou uma decisão que selou o destino da menina. Aqui, ao que parece, é o que ele lhe respondeu, numa tradução aproximada: "Então os padres lhe disseram que eu estava em pecado, e você acredita neles? Enquanto me sacrifico por vocês; enquanto me mato de trabalhar para lhe pagar os melhores tutores? Bem, como você é tão ingrata, e como você parece estimar mais os padres do que eu, eu lhe ordeno que pegue o véu. Lá se vão os seus sonhos de casamento!"

      Assim, Anastásia entrou no convento. No início, ela chorava todas as noites e ficava indiferente durante o dia. Seu sonho sempre foi casar e ter filhos, a fim de transmitir-lhes algo tanto material como espiritualmente. Quando chegou, sozinha, ao convento, ela não disse uma palavra sobre as condições que a haviam levado até lá, nem mesmo à Madre Superiora, que era uma mulher excepcionalmente boa e compreensiva. A Madre Superiora fez o máximo para integrar Anastásia, mas em vão: a jovem, inconsolável, permaneceu isolada.

      Um dia, a Madre Superiora teve uma ideia brilhante: ao final de um trabalho, ela disse a Anastásia: "Você está aqui há três semanas e ainda não confessou. Você sabe tão bem quanto eu que é bom ir à confissão pelo menos uma vez por semana ou à cada duas semanas. Assim, para sua salvação, ouvirei sua confissão pessoalmente." O estratagema deu frutos: percebendo que era à Deus que ela se dirigia através da Madre Superiora, Anastásia confessou as circunstâncias em que ela havia chegado ao convento. As lágrimas correram por suas bochechas à sombra do confessionário, na pequena capela do convento.

      A Madre Superiora era boa e inteligente e, depois de ouvir a terrível história de Anastásia, ela lhe disse as palavras que mudariam o destino da menina: "Como você lamenta o fato de que nunca terá um filho à quem ensinar algo, vou lhe confiar uma tarefa na qual você será capaz de ensinar algo para outras crianças. A recém-criada República, que você tanto criticou, certamente retirou a santidade do poder, mas decidiu nos ajudar em nosso ensino. Com a ajuda de subsídios do Governo, vamos abrir aulas para ensinar crianças pequenas cujos pais não possuem condições de pagar um tutor. E eu gostaria que você ensinasse em uma dessas aulas."

      Assim, a jovem Anastásia tornou-se a professora de cerca de vinte crianças entre oito e quatorze anos de idade. No início, a menina era um tanto desajeitada: ela não tinha nenhum treinamento, apenas tinha o conhecimento do assunto que deveria ensinar. Entretanto, pouco a pouco ela se tornou mais confiante e provou ser uma excelente professora. Ela amava seus alunos e seus alunos a amavam. Sua ferida estava sarando lentamente e, embora ela ainda sentisse por nunca ter tido filhos, começava a encontrar um semblante de paz interior. Este renascimento durou sete anos.

      Após sete anos de ensino intensivo, Anastásia ficou gravemente doente. A República em expansão havia atraído muitos estudiosos, incluindo alguns excelentes médicos, que aceitaram examinar, voluntariamente, a virtuosa paciente. Seu diagnóstico era incerto, mas eles conseguiram chegar a um acordo sobre uma cura: Anastásia não se adequava ao clima; ela precisava viver em um país mais ensolarado e menos frio para se recuperar.

      Este diagnóstico mergulhou a Anastácia em um sofrimento indescritível. Dizem que ela falou as seguintes palavras à Madre Superiora: "Por quê, Madre, por quê? Eu tinha acabado de encontrar um pouco de equilíbrio e agora Deus quer me afastar dele! Você tem certeza de que Ele é bom e infalível? Ao me surpreender com esta nova desgraça, Ele me parece cruel ou cego!" Diante de tal surto de dor e palavras, a pobre Madre Superiora se sentiu perdida. Ela apenas fingiu responder à Anastásia: "Os caminhos do Senhor são impenetráveis." Ela estava longe de imaginar como esta simples afirmação, inocente na aparência, teria importância sobre a vida da santa.

      A ordem religiosa à qual pertencia o mosteiro que tinha recebido Anastásia possuía um mosteiro entre Alençon e Verneuil. Como a região estava bastante ensolarada, foi decidido que a garota seria transferida para lá.

      A viagem foi particularmente cansativa então, foi em um estado precário de saúde, que Anastásia entrou no mosteiro pela primeira vez. Ela não via a beleza da natureza, nem apreciava o calor do sol em sua pele. Não, ela ficou confinada à cama por vários dias antes de poder sair de sua cela. Entretanto, sua profunda melancolia começou a diminuir quando um raio de sol acariciou sua bochecha uma manhã. Sentindo-se rejuvenescida, ela finalmente saiu para dar alguns passos nos jardins, após mais de duas semanas de reclusão e sofrimento. E ali, teve uma revelação: a beleza do lugar a enfeitiçou, o aroma das flores, a suavidade do ar e as milhares de cores que ela admirava lhe causaram um choque, tendo em vista o lugar era simplesmente sublime, grandioso e resplandecia beleza enquanto ela estava confinada em celas austeras. Anastásia passou, assim, várias horas indo de flor em flor, colocando sua mão sobre a casca de carvalhos centenários, surpreendendo um esquilo aqui, uma abelha ali... Foi uma freira que, acreditando que sua pobre filha havia perdido a cabeça, porque estava rindo sozinha, teve que trazê-la de volta para dentro.

      Foi uma transfiguração para Anastásia . Seu entusiasmo e alegria não cessaram e logo ela foi capaz de começar a ensinar as crianças novamente. As irmãs deram-lhe tarefas adicionais, outros assuntos para ensinar, e Anastásia cumpriu seu dever com alegria.

      Chegou o dia fatídico em que ela foi ordenada sacerdotisa. Naquele dia, paixões contrastantes estavam agitando a jovem mulher. Ela sabia que pelo pronunciamento de seus votos ela estava renunciando definitivamente a qualquer casamento ou filho; mas ela também sabia que esta era a melhor maneira de afirmar seu compromisso com o serviço do Altíssimo. Uma vez ordenada, foi-lhe confiada a celebração de algumas cerimônias e, pouco a pouco, foi abrindo seu caminho dentro do convento: ela cuidou do trabalho pastoral e depois contribuiu para o desenvolvimento do seminário local, dando muito de si mesma para a evolução da religião na diocese. Ela foi nomeada vigária diocesana e, após alguns anos de bons e leais serviços, acabou se tornando a mão direita do Arcebispo de Rouen.

      Ele era um homem bom e generoso que apreciou muito o trabalho árduo e a habilidade de Anastásia, a sua devoção e o seu otimismo transbordante. Ele a guiou e lhe ensinou o funcionamento da hierarquia da Igreja, mostrou-lhe em quem confiar e de quem desconfiar, a quem pedir ajuda e de quem não esperar nada. Assídua e atenta, Anastásia não perdeu uma migalha dos ensinamentos inestimáveis do velho Servo de Deus.

      Um dia, o Arcebispo ficou gravemente doente. Anastásia o vigiava noite e dia, rezando sem cessar pela salvação de sua alma. Apesar de suas súplicas enviadas ao Altíssimo, o Arcebispo faleceu uma noite de novembro. Foi outro choque para Anastásia: o que ela faria sem ele? A jovem mulher afundou em total desespero, passando horas soluçando. Logo, apesar de sua tristeza e recriminações, ela foi nomeada para o lugar de seu mentor. Desde o início, algumas vozes se levantaram para protestar contra esta nomeação: ela parecia ser uma mulher muito fraca e impressionável, sem influência; ela mesma parecia acreditar que não estava preparada para este importante cargo. Mas a hierarquia, que o arcebispo tinha, em seu testamento, instado a nomear sua protegida em seu lugar, tinha decidido o contrário.

      Em sua incomensurável dor, Anastásia se afogou no trabalho e, para surpresa de todos e de si mesma, acabou se tornando uma excelente Episcopisa. Sua posição também à levou ao Duque de Alençon, que a nomeou como conselheira religiosa. Ela permaneceu nessa função por vários anos e assistiu à passagem dos duques.

      Um dia, por razões desconhecidas para nós, Anastásia decidiu entrar na política. Ela escolheu o partido de Alençon que lhe pareceu ser o mais virtuoso e o mais próximo das diretrizes da Igreja e se envolveu em suas atividades - como fez sempre que decidiu assumir um cargo - com toda sua energia, o que lhe permitiu estar muito rapidamente no topo das listas. Ela ocupou, então, uma série de cargos no conselho e ocupou, sucessivamente, os cargos de Tesoureiro, Promotor Público, Juiz e Comissário de Comércio.

      Sua perseverança, sua retidão e seu excepcional registro como Comissária de Comércio, permitiram que ela fosse reconhecida como Duquesa no conselho subsequente. Mais pelo seu senso de dever, do que por sua conveniência, ela aceitou. No entanto, algo nela havia quebrado. Designada para sua posição de Duquesa, ela se tornou uma presa da veemência e do escárnio daqueles que não podiam conceber que alguém fosse Episcopisa e Duquesa, o que a fez perceber que a vida política não era um caminho aceitável para ela que pregava a amizade e a compreensão. O tempo em que uma jovem mulher passeava no jardim do mosteiro já havia partido há muito tempo.

      Anastásia renunciou ao cargo de Duquesa, por coação, após menos de duas semanas de governo. Cansada da vida pública e não mais concebendo ser Episcopisa sem ter uma cadeira no conselho, pelo menos como conselheira religiosa, ela também renunciou ao Episcopado, muito para o desespero dos fiéis que haviam encontrado nela uma Pastora extremamente próxima à eles. Ela se retirou para o feudo que lhe havia sido dado em agradecimento por sua ação apaziguadora nos conselhos anteriores.

      Depois de mais de quarenta anos passados subindo as fileiras da hierarquia secular e eclesiástica, ela finalmente conseguiu respirar. Durante algum tempo, ela se contentou com a jardinagem, em redescobrir os simples cheiros e prazeres da arte. No entanto, ela era uma erudita e não podia se contentar em fazer apenas trabalho manual: ela perdeu a oportunidade de colocar sua mente para trabalhar. Após alguns meses, ela começou a escrever, usando o imenso tempo que agora tinha, para se isolar por dias inteiros no Scriptorium do mosteiro ou na Biblioteca de sua pequena propriedade.

      Ela aperfeiçoou e atingiu um grau de sofisticação que impressionou à muitos. Sabe-se que ela escreveu muito, mas infelizmente, a maioria de seus escritos se perdeu porque, em sua morte, as pessoas à quem seu patrimônio foi legado não tomaram conta deles. No entanto, alguns foram preservados e estão sendo restaurados, mas isto não é nada comparado com a montanha de escritos que ela provavelmente produziu.

      Esta vida de prazeres simples, estudo duro e escrita compulsiva durou dezessete anos. Anastásia morreu na Biblioteca de sua propriedade e diz-se que, quando seu corpo foi descoberto, ela foi encontrada morta sentada à sua escrivaninha, com a caneta na mão e um mar de livros espalhados em sua frente, seus olhos voltados para o céu e sua boca congelada em um sorriso de felicidade.


    Texto estabelecido com o maior rigor filológico, com base em diversos escritos que circulam na região de Verneuil e em todo o Reino da França, relatos de gentis fiéis, crentes e heterodoxos e escavações realizadas no campo e no convento de Santa Anastásia, pelos senhores Désidérade Ytournel de l'Obstancie e Arnault d'Azayes, Teólogos do Santo Ofício Romano.

    Citation:


        Na véspera do Dia de Santa Julia Liberata, no ano de Horace MCDIII, João e Adeline, padeiros da Argentina, desejavam que seu testemunho fosse escrito pelo Irmão Welrigotef, Cônego da Arquidiocese de Rouen e Escriba do Santo Ofício Romano.

      Já haviam passado três anos desde que minha esposa e eu nos casamos com o Padre de nossa boa cidade. Os primeiros meses de nossa casa foram idílicos: tínhamos uma pequena casa, alguns animais e, sobretudo, um moinho muito bonito que nos permitia viver mais do que confortavelmente. A guerra parecia distante de nossa terra e todos os domingos íamos à igrejinha para assistir à missa.

      Em tal clima de prosperidade - até mesmo de abundância - você entenderá sem dificuldade que meu desejo e o de minha esposa era ver nosso casamento abençoado pelo nascimento de um filho, um pequeno herdeiro ou herdeira que viveria conosco nesta rica região.

      Entretanto, mais de meio ano depois de nossa união ter sido celebrada diante de Deus, a barriga da minha esposa ainda não estava crescendo. Por mais de um ano, nada aconteceu. Após um ano e meio, Adeline e eu decidimos, como sempre nos ensinaram, não permanecer sozinhos em nossa angústia. Fomos pedir conselho à pessoa que parecia ser a mais sábia da aldeia em matéria de coisas naturais: o Padre. Explicamos-lhe brevemente a situação. Aqui está aproximadamente o que ele nos disse:

        "Meus filhos... Eu entendo sua situação. Antes de falar de vocês, eu, como em raras ocasiões, falarei de mim mesmo. Ou melhor, sobre nós. Nós, sacerdotes, não podemos procriar. Alguns de nós lamentamos, mas ainda somos ordenados; outros ainda não aceitam esta proibição e preferem não se tornar sacerdotes enquanto permanecem clérigos. Se lhe falo sobre isso, é porque a única explicação que vejo para sua incapacidade de ter um filho deve ser a mesma que é dada aos padres que questionam a proibição: Deus considera que certos homens e mulheres têm uma missão importante que seria comprometida pela procriação. Não estou dizendo que vocês devem entrar no sacerdócio: pelo contrário, seu casamento não é de forma alguma amaldiçoado por sua incapacidade. Vocês simplesmente tem que aceitar Sua decisão e, em vez de tentar encontrar as razões para isso, não tentem encontrá-las por vocês mesmos, mas esperem que elas sobrevenham à vocês."


      Nosso pároco era um homem muito sábio, mas você compreenderá facilmente que suas palavras dificilmente poderiam satisfazer o jovem casal cheio de esperança que éramos. Minha esposa, acima de tudo, não poderia aceitar tal fatalidade. Eu estava um pouco mais resignado do que ela, e tentei argumentar com ela, explicando-lhe que não era correto afirmar que o padre estava errado. Mas nada ajudou: Adeline estava convencida de que um casamento só foi verdadeiramente abençoado por Deus no dia do nascimento de uma criança.

      A bela harmonia dos primeiros dias estava decididamente longe de nós, e eu temia que nossa história terminasse tragicamente, pois Adeline parecia estar constantemente se aproximando do lado da morte.

      Numa noite de outono, quando uma discussão particularmente violenta havia estalado entre Adeline e eu, enquanto nos preparávamos para dormir, um clarão de luz ofuscante entrou em nossa pequena casa e uma voz suave de um calor nunca antes sentida, ressoou:

        "João, Adeline, não pensem que Deus é ingrato. Adeline, como você, eu vivi o drama de não poder ter um filho. João, como você, tive que me conformar com os comentários pragmáticos de um padre. Mas eu sei como é nesses casos. Deus não pode cometer erros, mas Ele pode perdoar e mudar Seu plano: nosso Criador, em Sua infinita sabedoria, deixou o livre arbítrio para Suas criaturas, que às vezes O surpreendem.

        João, você demonstrou grande respeito pela hierarquia sagrada, mostrando sua gratidão por aqueles que lhe permitiram salvar sua alma através do batismo e abençoar sua união. Adeline, por sua vez, você demonstrou uma perfeita compreensão do que o amor deve ser: a amizade aristotélica, levada ao clímax, encontra sua plenitude no casamento e, obviamente, na procriação - caso contrário, por que proibir que duas pessoas do mesmo sexo se casem?

        Para recompensá-los por seu fervor e sua lealdade à Deus, Ele decidiu, à meu pedido, permitir que vocês procriassem. Meu nome é Santa Anastásia e agora vos ordeno que se amem."


      Um mês depois, a barriga da Adeline começou a crescer e, nove vezes mais tarde, nasceu Thomas.



_________________


Dernière édition par Adonnis le Ven Oct 16, 2020 7:02 am; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:52 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de Santo André, o Protocleto





    I - A infância e a juventude

    André nasceu em Betsaida, 6 anos antes da chegada de Christos, em uma família humilde. Seu pai era um pescador, uma atividade ao qual André se dedicou com sucesso lhe permitiu desenvolver uma inteligência notável. O menino passou toda a sua juventude próximo ao lago de sua região natal, crescendo em sabedoria e gentileza, calorosamente cercado pelas falsas crenças em múltiplos deuses.

    As vezes, e cada vez mais com o passar do tempo, seu coração questionava, sem verbalizar, sua fé nesses deuses dos quais ele instintivamente duvidava. Para André, eles eram a representação humana dos seres divinos, construídos sobre o modelo dos homens; não sendo, portanto, exemplos de virtudes.

    Um dia ele ouviu falar de eventos milagrosos ocorrendo na Judéia, onde parecia ter nascido um profeta. Infelizmente, ele foi forçado a permanecer nas margens do lago.


    II - O Apelo

    André, agora adulto, estava pescando, como sempre, na companhia do irmão Simon e de outros amigos.
    Foi então que um estranho vestido com trapos se aproximou do lago. Sua aparência parecia inspirada: ele parecia um homem santo, mas sem os ricos ornamentos de seda e as pedras preciosas que normalmente adornavam os sacerdotes.

    Quem é este homem?, André se perguntou quando este último se dirigiu a ele gentilmente.

    Pescador, como vai sua pesca?

    Nada mal!, respondeu André sem muita convicção, concentrado em seu trabalho.

    Seu irmão e amigos o chamaram para continuar seu trabalho.

    Mas o desconhecido olhou para ele com gentileza e, insistentemente, disse:

    Pescador, aqui você está vivendo momentos monótonos... Sua vida aqui é um desperdício. Estou olhando para você há alguns dias e vejo em você um destino maior. Esta manhã, o Altíssimo me inspirou: você não gostaria de deixar este lago para se tornar um missionário? Siga-me e você encontrará outros homens, consagre sua vida para Deus.
    Eu sou Thanos. Eu vivi com o Profeta Christos, e venho trazer-lhes sua palavra, que é a palavra do Único Deus.


    André sentiu seu coração se agitar e, embora o futuro representasse para ele algo desconhecido, foi com uma certeza nunca antes sentida que ele contou com firmeza aos seus amigos e irmão:

    Eu Seguirei Thanos e oferecerei a minha vida ao Único Deus!

    Thanou sorriu e perguntou:

    Qual é o seu nome?

    André , ele respondeu.

    Então, a partir de hoje, seu nome será André Protocleto, porque tú és o primeiro a quem eu compartilho a minha Santa Missão!

    André abraçou o Apóstolo e correu em direção ao seu irmão e amigos, que o observavam para tentar entender o que estava acontecendo, a fim de anunciar-lhes, de forma simples:

    Encontrei o meu caminho, sinto o chamado do Altíssimo.

    Ele correu para casa para recolher seus pertences e dizer Adeus a sua família, seguindo então em companhia do Apóstolo Thanos, sem qualquer remorso.
    Eles partiram ao amanhecer, depois que Thanos o batizou nas margens do lago. Depois disso, todo pecador gostava de visitar o local exato onde André foi abençoado, tendo em vista que, naquele local, os peixes passaram a ser maiores e mais numerosos.

    III - A separação e escravidão

    Ao longo do caminho, Thanos, maravilhado com a inteligência de seu discípulo, ensinou a André a mensagem de Aristóteles e de Christos. Um humilde pescador que podia desvendar tão sutilmente os mistérios do Altíssimo foi certamente um de seus dons!

    E Thanos lhe ensinou tudo o que podia, de modo que Andrew tornou-se o equivalente a um sacerdote de nosso tempo, e ninguém podia afastá-lo da verdadeira fé.
    Somente os dias de amizade e cooperação entre os dois homens terminaram abruptamente.
    De fato, pouco antes de chegar a uma cidade da região, os dois homens foram emboscados. Os bandidos os separaram e levaram André, o mais forte dos dois, para vendê-lo como escravo no porto.
    Foi um comerciante grego de Patras, Teognosto, que o comprou e o embarcou ao amanhecer do dia, para servir como cozinheiro em um navio para uma tripulação inteira.
    A partir deste dia, ele nunca mais viu Thanos.

    IV - A Tempestade e o primeiro milagre

    André, seguindo os preceitos de Thanos, nunca reclamou do próprio destino, tampouco amaldiçoou o momento que mudou seu próprio destino. Ele rezou por muito tempo, desde que o Todo-Poderoso o permitisse. Um dia, uma grande tempestade varreu o mar e os ventos. Tornou-se evidente que o casco do barco do Teognosto, abalado pelas ondas, corria o risco de ser esmagado. O desespero tomou conta da tripulação. André, então, levantou sua voz e começou a rezar a Aristóteles e Christos pela salvação de toda a tripulação. A estas palavras e vendo o rosto iluminado de André, todos os marinheiros o seguiram em sua oração. De repente, milagrosamente, o mar se acalmou, o sol apareceu... Teognosto, impressionado com este milagre, ordenou a libertação imediata de André e dirigiu-lhe algumas palavras:

    Saudações, grande mágico. Mas diga-me, quem são os seus deuses que são tão poderosos para pararem a tempestade?

    André respondeu: Pagão, só existe um Deus. Ele é superior à todos, superior aos elementos, e hoje vocês testemunharam um julgamento de Sua misericórdia. Vocês rezaram em seu nome e ele os salvou. Mostrem sua gratidão a Ele e escutem Sua Palavra

    Seguindo estas palavras, André realizou seu primeiro ato como sacerdote, sendo-lhe pedido para converter todos os membros da tripulação da galera. Ele acabou se tornando amigo de Teognosto, que o queria como guardião dos seus filhos.

    V - A Comunidade e as novas viagens

    Em Patras, a cidade natal de Teognosto, André assumiu plenamente seu papel de guardião, mostrando àquelas crianças a luz da verdadeira fé. Ele se esforçou para difundir a doutrina de Aristóteles. Com a ajuda de Teognosto, André formou uma comunidade grande e bem organizada, baseada nos princípios da generosidade e da partilha. Ele foi então recompensado por seus esforços pelo próprio Papa S. Titus que, ao tomar conhecimento de suas ações, enviou-lhe uma carta cheia de gratidão, afirmando que ele era um pilar da futura Igreja.
    Quando Titus enviou sua famosa carta a Linus, Linus herdou sua mensagem e descobriu a lista dos fiéis em quem ele podia confiar.

    Hagiografia do Apóstolo São Titus, Primeiro entre os Apóstolos, I Papa da Igreja

      Titus:
      Estou escrevendo estas linhas da minha prisão, porque acho que minha missão está chegando ao fim.

      Estou escrevendo para você Linus, meu amigo, porque quero que você continue, depois de mim, o que nosso Salvador Christos começou na Judeia e pelo que ele morreu como mártir.

      Não sei o que aconteceu com os outros apóstolos e vos encarrego de encontrá-los e de organizar a difusão da fé e a formação dos nossos sacerdotes. Não ceda à tentação das armas, mas procure não morrer desnecessariamente como mártir, porque a vida é um presente precioso que Nosso Criador nos deu.

      A Igreja deve se tornar uma sociedade visível, que se reconhecerá por quatro traços característicos: Ela deve ser una, santa, aristotélica e apostólica.

      O elo que nos liga a quintessência divina para nos manter próximos do Criador só existe por Sua vontade e através de Christos e de seus apóstolos. Pois, foi para nós que esse vínculo foi fornecido pela primeira vez; e continuará será transmitido, pelo efeito da infinita caridade de Deus, para aqueles que permanecerem fiéis à mensagem dos profetas.A mensagem divina, transmitida pelos profetas, deve ser guardada e defendida pelos bispos por nós ordenados, para que seja impossível para a Igreja de Christos errar e descumprir o dogma.

      É preciso também afastar todas as outras sociedades que usurpam o nome da Igreja. Pois, guiados pelo espírito da heresia ou da criatura sem nome, entregam-se a erros perniciosos, tanto na doutrina como nos costumes.
      De qualquer forma, o caminho será longo, mas vi em um sonho que você virá a Roma para concluir a construção do que se tornará o coração da nossa sociedade de fiéis para a palavra que nos foi ensinada pelo próprio messias.

      Conto com você, meu amigo, para continuar a caminhada que realizei com Kyrene, Calandra, Adonia, Helena, Ofélia, Uriana, Thanos, Paulos, Nikolos, Samoht e até mesmo com o infiel Daju...

      O portador desta mensagem também lhe entregará um molho de chaves, uma das quais abre a cripta onde nos encontramos em segredo; ele pode guiá-lo e protegê-lo, mas seja discreto, pois nossos inimigos tentam nos fazer desaparecer. Na cripta você encontrará também sete portas, cada uma aberta por uma das chaves que lhe enviei; atrás da sétima porta está uma lista dos nossos crentes mais devotos; com eles você poderá realizar nosso trabalho.

    André estava nessa lista, e mais tarde, Linus o nomeou Bispo da nova Diocese de Patras.

    Então, um dia, um barco atracado em Patras trouxe alguns homens do Leste à procura de André. Quando o conheceram, o comandante disse:

    André, nós somos sármatas. Durante nossas diversas viagens, ouvimos falar dos seus milagres, de sua sabedoria e lhe pedimos que aceite nosso convite para educar nosso povo de acordo com os princípios do Deus a quem você reza!

    Surpreendido e feliz com a ideia de trazer mais ovelhas perdidas sob a proteção do Altíssimo, André se despediu da Comunidade, de seu fiel amigo e das crianças de quem cuidava. Theophilactus, filho de Teognosto, o acompanhou em sua viagem. Mais tarde, ele se tornou um incansável assistente de André.

    VI - Nas terras sarmacianas

    André e Theophilactus se dedicaram à pregação naquelas terras bárbaras, onde os homens viviam na ignorância e na dureza. Eles ensinaram justiça, generosidade, temperança e todas as outras virtudes de Aristóteles. Eles também fundaram várias comunidades, formando as primeiras bases das Igrejas Orientais.
    Então um dia, os poderosos e impiedosos senhores locais decidiram prender André com a intenção de executá-lo com o argumento de que ele estava denegrindo seus deuses. Então o povo, espontaneamente e sem medo, fizeram grandes procissões até a prisão onde ele foi preso. Mas em vão, pois o tirano permaneceu firme em sua determinação de condená-lo. Então, uma noite, uma grande luz passou pela cela de André e um formoso alado libertou o prisioneiro e o levou para uma pequena capela construída graças à generosidade da população. Quando o tirano soube deste milagre, ele correu, armado dos pés até a cabeça, junto com seus capangas para matar André. No entanto, o bispo esperava por ele calmo e sorridente, vestindo uma túnica branca.

    Irmão, veja como o Altíssimo me protegeu. Eu não temo as armas do homem. Arrependam-se de suas ações e aceitem o perdão de Nosso Pai por todos vocês. Seus pecados cegam você, e suas ações não são outra coisa senão a inspiração doentia da besta sem nome.

    Ele parecia apertar a mão do tirano: seus acólitos, num silêncio prodigioso, ficaram sem palavras. De repente, o tirano deixou cair sua espada, mergulhando no chão:

    É verdade, ouço esta voz em minha cabeça, a voz da morte. Ajude-me, por favor!

    E assim, André venceu seu primeiro duelo com a criatura sem nome. Em reconhecimento, o agora ex-tirano construiu uma magnífica catedral e fez do bispo seu braço direito. Nada poderia impedir a conversão de toda a Europa.

    VII - Retorno a Patras, depois à Itália

    André, que estava ficando mais velho, estava se sentindo cada vez mais cansado. Entretanto, sua jornada terrena ainda não havia terminado. Uma mensagem de seu amigo Teognosto o convenceu a retornar a Patras. Ele deixou a liderança da comunidade para Theophilatus, ordenando-lhe bispo e partiu para a Grécia. Após uma longa jornada, quando ele chegou, todos se apressaram em recebê-lo. A comunidade tinha prosperado e crescido e o veneravam como um santo. O outro filho de Teognosto, Teodoro, foi ordenado e também se tornou bispo. André decidiu, então, retirar-se para um eremitério distante, para cuidar de seu espírito. Mas um novo pedido chegou até ele e apesar do trabalho sempre crescente, ele foi para Sarzana na Itália, onde muitas perseguições aconteceram. Seu último ato o levou em direção ao caminho do martírio.

    VIII - O Martírio

    Após atracar em Ravenna, André terminou a viagem por terra até Sarzana, onde as pessoas saudaram sua chegada com elogios e grinaldas.

    Irmãos e irmãs, disse o Bispo. Venho para libertá-los da tortura e para lhes trazer a palavra do Altíssimo. Mas lembrem-se, eu não estou aqui para derrubar os poderosos, estou aqui para ajudá-los a lutar contra sua ignorância e seus pecados!

    Andre foi preso e levado pelo Procurador Imperial antes mesmo que a multidão pudesse reagir.

    Então você é o líder desses rebeldes, que zombam dos deuses e se recusam a adorar o Imperador! ele gritou, enquanto cuspia na túnica branca de André.

    André respondeu: Eu trago verdade e paz. Você não busca nada além de tumulto, guerra e sangue para servir apenas suas ambições e o desejo de seus sacerdotes covardes! Preste atenção em mim, e mantenha-se longe da influência do mal!

    Mas desta vez, os ouvidos do Procurador permaneceram fechados e ele riu para ele. O povo piedoso de Sarzana e toda a região vieram prestar homenagens ao homem santo, como havia acontecido em Sarmazia. O Procurador começou a se preocupar com a ordem pública e baniu toda a população que se reunia dos portões da cidade. Em seguida, ele se apressou para pronunciar a sentença contra André, condenando-o à crucificação. Na véspera da execução, André começou a rezar a Deus para tirar o medo de sua mente e lhe dar a coragem de se apresentar como um verdadeiro mártir da Fé. Ele rezou para que sua morte servisse para selar seu testemunho e seus longos anos de serviço e divulgação das palavras de Aristóteles e Christos.

    No dia da crucificação, André pediu que sua cruz fosse erguida na forma de um X, porque não se achou digno de ser crucificado da mesma forma que o Profeta. E foi na frente de todos os cidadãos em lágrimas que o bispo morreu, sob um céu nublado.

    O Procurador que havia sido abalado pela dúvida durante toda a noite viu sua resposta quando uma luz brilhante brilhou através das nuvens e iluminou o pobre corpo crucificado. Uma pomba pousou na cabeça de André e colocou uma pena branca e uma espinha de peixe sobre ela. O Procurador, como se tivesse sido atingido, caiu de joelhos e declarou:

    Eu estava cego!" Ele era verdadeiramente um homem santo!

    Ele então ordenou que o corpo fosse enterrado no próprio local, onde André foi nomeado como Santo Padroeiro, e sobre o qual foi construída uma magnífica Catedral.

    Relíquias: o corpo do santo, a cruz do mártir, a carta de São Tito.
    Dia do Santo Patrono: 30 de Novembro, em comemoração ao Mártir.
    Frases:
    • Os bispos devem ser como os pescadores: humildes, muito industriosos, e devem saber onde lançar o anzol.
    • Não há terra que não esteja pronta para a mensagem de Deus.
    • Abra seus olhos! Não é você quem está agindo, mas a criatura sem nome que tomou conta de você!



_________________


Dernière édition par Adonnis le Ven Oct 16, 2020 7:03 am; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:52 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de Santo Antíoco - o Destino de um Rei Selêucida



    Antíoco I Soter "o Salvador", Rei Selêucida


      Jovem Antíoco, seu destino será inspirado e determinado por Deus... Por causa de vocês, milhares de homens de diferentes nações serão convertidos à verdadeira palavra de Deus. E entre todas essas nações acabará por nascer aquela que terminará o que eu comecei.

    Estas foram as palavras do profeta Aristóteles quando ele pediu que Antíoco, com apenas algumas semanas, lhe fosse trazido, selando assim o destino de uma vida extraordinária.


    I - Sob os auspícios da Teologia


    Nascido em 322 a.C. em algum lugar da Grécia, filho de Seleucos e da rainha Apama, Antíoco I Soter* era meio persa. Seu pai, ex-soldado de Alexandre e e amigo de Aristóteles, teve a revelação do Profeta:

    Levanta teu filho com fé em Deus, ensina-lhe o que te ensinei, prepara-o para a missão que Deus lhe confiou. Para ajudar você, eu lhe dou meu filho, Nicômaco, que será o tutor do seu filho.

    Assim, desde sua primeira infância, Antíoco se beneficiou do aprendizado da mensagem formulada pelo Altíssimo ao primeiro profeta. Ele foi, portanto, educado na amizade e na virtude. Nicômaco lhe ensinou os preceitos que ele mesmo havia recebido de seu pai. Naquela época, pouco depois da morte de Alexandre em -323, a Grécia atravessava um período de tumultos e conspirações para reunificar as terras pisoteadas pelos generais macedônios do Imperador. Seleuco fez as escolhas certas e se aliou a Ptolomeu, Rei do Egito que, vitorioso sobre seus adversários, lhe deu o título de Mestre da Mesopotâmia.

    Antíoco e seu tutor, Nicômaco, seguiram o novo mestre em suas campanhas militares em todo o vasto território da Babilônia. O jovem usou todo esse tempo para aprender as estratégias e táticas militares de seu pai, tendo em mente os valores nele incutidos pelos escritos de Aristóteles. Os territórios de Seleuco cresceram cada vez mais e incluíam o domínio dos altos Satrápias da Ásia até as fronteiras da Índia. A infância do jovem foi, assim, dividida entre os conselhos de guerra e a ciência teológica de Nicômaco. Com um talento incrível, Antíoco rapidamente se tornou um especialista em estratégia militar e teologia. Onde a maioria das crianças passava seu tempo com outras crianças, ele permanecia em contato com o mundo adulto e já estava ciente de seu destino, martelado por seu pai que repetia constantemente a profecia de Aristóteles a seu respeito.

    Em 307 a.C., aos quinze anos de idade, Antíoco testemunhou a coroação de seu pai, que tomou o título de Basílio (Rei), bem como o nascimento do Império Selêucida. O jovem, então, ajudou seu pai como conselheiro geral e teólogo. Seleuco sempre foi receptivo aos preceitos de Aristóteles, com quem havia compartilhado muitas aventuras, e seu filho foi encorajado por este aspecto da personalidade do Rei. O jovem e seu guardião Nicômaco estabeleceram com Seleuco a fundação de Selêucia, em -311. O filho do Profeta lhe deu um livro contendo todos os escritos de Aristóteles, "Do Deus Único e seus mandamentos", e um envelope selado que Aristóteles havia dado a Seleuco para a atenção do jovem Antíoco. Este último descobriu então seu conteúdo enigmático:

    Aristote a écrit:
    O auto-sacrifício é a condição da virtude.


    Antiochos, tendo um espírito brilhante, interpretou esta frase como sagrada e convenceu-se de que teria que submeter a si à grandeza do Altíssimo, mesmo a custa de sua própria vida.

    Com o passar dos anos, Antíoco tornou-se um ajudante perfeito para seu pai, sempre agindo de forma racional e enfatizando sua percepção da mensagem divina. Ele encorajou Seleuco a não semear o terror entre os povos conquistados, mas sim cuidar delas em benefício da Grécia. Sob sua orientação, o povo teve escolas e aprendeu medicina, economia e teologia. Era de fato um objetivo importante para o jovem, melhorar as condições dos povos que haviam caído nas mãos de seu pai.

    A Coroação de um Rei

    Um novo período de turbulência surgiu no Império Babilônico, quando Antigonos, então Rei da Macedônia, desejava estender seu domínio sobre a Grécia. Foi sob a orientação de Antíoco que Seleuco se aliou mais uma vez a Ptolomeu e finalmente saiu vitorioso do conflito que se seguiu. O reino de Antigonos foi dividido entre os vitoriosos. Seleuco recebeu a Síria e a parte oriental da Ásia Menor. A posse da Síria lhe deu uma abertura para o Mediterrâneo. Acreditando que ele devia esta vitória ao conselho sábio e iluminado de seu filho, ele fundou imediatamente a nova cidade de Antioquia sobre o Orontes, que se tornou a sede de seu governo. Enquanto isso, Selêucia do Tigre se tornou a capital dos Satrápias do Oriente.

    Antíoco tinha agora atingido a idade de 28 anos, e estava agora pronta para servir plenamente a seu pai. Nicômaco ficou em Selêucia, ao lado de Antíoco, para ensinar-lhe cada vez mais. Com a sua experiências, o jovem conseguiu encontrar um grande lugar no coração de seu pai e na estima dos seus generais, tanto que em 294, Selêuco investiu seu filho Antíoco como Vice-Rei em Antióquia. O Reino da Síria, sob sua gestão, alcançou serenidade e estabilidade em todos os territórios sob sua administração. Foi nesta época que ele se propôs a tornar mais conhecida a palavra do profeta Aristóteles e os ensinamentos que ele deu à humanidade. Assim, ele escolheu cinco homens e uma mulher entre seus amigos fiéis e explicou-lhes a procecia divina revelada a ele em sua tenra idade. Seu carisma e sua excelente capacidade oratória logo lhe permitiu convencer seus seguidores que se lançaram pelas terras selêucidas a espalhar a palavra do Vice-Rei. Por toda a parte, sua reputação estava crescendo e os ensinamentos transmitidos por seus seguidores atingiram os nativos das Sartrápias de Seléuco e se tornaram seu costume diário.

    Os babilônios que viviam na região de Selêucia já tinham crenças profundamente enraizadas neles. De fato, eles adoravam Oane, o homem que havia respondido à pergunta de Deus. A Igreja Oanista, testemunhando a difusão da palavra de Aristóteles, foi seduzida por seus ensinamentos e a introduziu em seu próprio dogma, tornando Aristóteles um de seus profetas.

    Antíoco notou então a convergência alcançada pela Igreja Oanista, e foi seduzido pela mitologia Oanista, que ele considerou profundamente marcante, interessante e integrando-se muito bem com os ensinamentos de Aristóteles. Assim, com o acordo de seu pai, ele convidou os sumos sacerdotes do culto de Oane em seu palácio e eles ouviram a palavra de Oane e Aristóteles. Todos ficaram surpresos e animados ao notar a grande semelhança.

    Antíoco: Meus amigos, vocês são os herdeiros de uma grande religião. Vocês poderiam ter permanecido fechados em vocês mesmos e se recusado a ver o que estava acontecendo ao seu redor, como tantas destas religiões conservadoras.

    Mas não, vocês ouviram a Santa Palavra de Aristóteles que Nicômaco e eu espalhamos. Vocês não apenas ouviram, mas entenderam este ensinamento e o incorporaram em vosso dogma.

    Aristóteles conhecia o Altíssimo, mas não conhecia sua igreja, e não sabia que ao nos conhecer, você consideraria nossos profetas como os únicos verdadeiros herdeiros da verdadeira Palavra do Altíssimo. Ele não poderia fazer isso, mas eu poderia. É por isso que proponho a vocês, sumos sacerdotes da Igreja Oanista, unir seu dogma e os ensinamentos de Aristóteles, proclamando a igreja oficial de nosso Império como a Igreja Oanista Aristotélica.


    Assim, a igreja oficial do império começou a difundir seus ensinamentos nas grandes regiões do Império, com sucesso imediato na Babilônia, com mais dificuldades em outros lugares.

    Antíoco, então, começou a se distanciar das conquistas de seu pai, sempre iluminando-o com seus conselhos sutis, mas levando mais tempo para abordar a questão do Altíssimo. Seu pai sabia que Antíco estava assim tomando seu lugar no tabuleiro de xadrez elaborado para os homens pelo Todo-Poderoso, e isto o encorajou a expandir seus territórios. Em Antioquia, o jovem havia se tornado uma celebridade, muitos escutaram seus longos discursos sobre amizade, virtude, justiça ou moralidade. Sua aura se estendeu além do Império Selêucida, e alcançou os Sartrápias do Oriente e até mesmo a Grécia. A profecia que Aristóteles havia enunciado foi transmitida e, na mente dos antigos seguidores do profeta, cresceu a esperança de um novo profeta na pessoa de Antíoco. Assim Teofrasto, o primeiro Escolarca do** Liceu, veio à Síria para conhecer aquele que, aos olhos dos gregos, era o sucessor do Profeta.

    Teofrasto: Jovem Antíoco, eu vos saúdo, homem de profecia. Atenas está se perguntando sobre você, e muitos são aqueles que o consideram como um novo profeta. Eu sei que não é assim, mas você está ciente disso?

    Antíoco: Caro Teofrasto, escolarca e renomado teólogo, ambos sabemos que eu não sou o profeta do Altíssimo. Eu sou apenas o instigador de Sua Fé em terras distantes que ainda não foram alcançadas pela consciência de Sua grandeza! Aristóteles me transmitiu a missão que Deus me havia designado desde a minha infância. Estou encarregado de pregar aos reinos para dar a conhecer a Natureza do Altíssimo para que se preparem para a chegada de um novo profeta. Eu também gostaria de expandir a fé no único Deus além dos nossos territórios. Minha vida será dedicada à Sua mensagem e farei tudo para iluminar o mundo com Seu amor pela humanidade, mesmo que eu morra por Sua glória.

    Teofrasto: Fico feliz em saber que você é tão sábio, os preceitos que Nicômaco lhe ensinou e a sabedoria de seu pai fizeram de você um homem de valores. Sua fé é grande. Garanto-lhes que transmitirei suas palavras fervorosas aos estudiosos atenienses. Que o Todo-Poderoso o sustente por um longo tempo.

    O escolarca voltou à Atenas para espalhar a palavra a mensagem de Antíoco, que já gozava de uma reputação venerada além das margens do Mediterrâneo.

    Os anos se passaram e Antíoco passou seu tempo dirigindo o reino, espalhando a mensagem de Deus e fornecendo conselhos estratégicos para as conquistas de seu pai Seleuco. Foi em 280 a.C., quando ele tinha 42 anos de idade, que seu pai foi assassinado nas fronteiras da Ásia Menor. Levou mais de um mês para que a notícia de sua morte se espalhasse em Antioquia, e o filho pródigo foi devastado por sua morte súbita. Antíoco foi ferido nas profundezas de sua alma e ficou devastado por não ter estado com Seleuco em seus últimos momentos.

    Por legítima sucessão, Antíoco foi coroado Basílio e tornou-se o Rei da Síria, defendendo os territórios conquistados por seu pai durante seu reinado. Ele fez seu primeiro discurso da varanda do palácio de Antioquia, em frente a uma grande multidão reunida para aclamar o novo Rei. Seu fervor e a convicção de que ele tinha uma missão importante a cumprir em nome do Altíssimo, deram a este discurso um caráter excepcional. Ele o concluiu com estas palavras, como ditado pelo Todo-Poderoso:

    Antíoco: Eu, o grande Rei Antíoco I, ordeno a construção de templos em todo o nosso reino, sobre sólidas fundações para que jamais possam ser destruídos. Farei isso para provar minha fé no Altíssimo para que, no final da minha vida, eu possa descansar eternamente e meu espírito possa se juntar ao Todo-Poderoso no Paraíso Solar.

    O advento de um reinado dedicado ao Altíssimo

    A primeira ação de Antíoco para cumprir sua promessa foi a colocação da pedra fundamental para a construção dedicada ao Altíssimo em Antioquia, na esperança de honrar o criador e perpetuar a mensagem que ele havia enviado aos seres humanos através de seu profeta Aristóteles. No mesmo ano, ele casou-se com Estratonice, filha do rei Demétrio da Macedônia, por quem há muito tempo ele havia se apaixonado. Ela lhe deu cinco filhos, dois meninos e três meninas. Ele também decidiu fortalecer o culto aristotélico oanista, incentivando o recrutamento de jovens sacerdotes indígenas em todas as partes de seu Império. Desta forma, a igreja aristotélica oanista tornou-se a religião do Império, ao invés de um costume fora de sua própria cultura.

    Então ele começou a viajar por seu reino, atravessando a Pérsia, Media, Susiana, Partia, Drangiana, Aria, Báctria, Sogdiana,
    Hircânia, Aracósia e até mesmo a Índia. Em todos os lugares ele fez longos discursos dignos dos melhores oradores, como se assistido pelo Altíssimo, suas palavras conseguiram convencer os relutantes e ele falou sem parar sobre o único Deus, a amizade e a virtude. Assim, muitos se juntaram às fileiras do clero da Igreja Aristotélica Oanista e permitiram seu desenvolvimento exponencial.

    Antíoco gozava de grande fama entre seu povo que, frequentemente, repetiam suas frases e aforismos. Assim, a ideia de um Criador Todo-Poderoso moveu o povo ao entrar em seus corações. Ele construiu grandes cidades na Ásia Menor, de acordo com o modelo ateniense, e em cada uma das capitais dos territórios dos quais foi rei, ele construiu um templo dedicado ao Altíssimo. Ele gratificou os ex-generais de seu pai, que haviam liderado as grandes campanhas do passado, nomeando-os governadores das grandes províncias, deixando-os para administrar as terras distantes.

    Antíoco manteve contato com Teofrasto até sua morte em 288 a.C., compartilhando com ele por seis longos anos, longas cartas sobre a singularidade do Todo-Poderoso, discutindo moralidade, amizade ou virtude. Assim, quando Antíoco se tornou Rei dos Selêucidas, ele pediu ao Liceu que lhe enviasse seus melhores discípulos em teologia. Ele colocou cada discípulo nas cidades onde os templos haviam sido construídos para torná-los conselheiros dos governadores (ex-generais) na liderança política das províncias. Assim, Antíoco conseguiu alcançar tanto a lealdade dos governadores, recompensando os generais de seu pai, quanto a difusão das noções básicas da religião aristotélica, ancorando as pessoas em torno da ideia de um só Deus, o criador de todas as coisas.

    Mas um período turbulento estava chegando. Antíoco teve que enfrentar uma revolta que eclodiu na Síria, fomentada por aqueles que não aceitavam sua missão divina, ou o que chamavam debochadamente, de o grande rei das "ideias malucas". Assim, ele escolheu parar as campanhas de expansão e foi mais uma vez forçado a lutar para salvar o que seu pai tinha construído. Antíoco sabia que perder a Síria seria perder a cola que mantinha seu reino unido. Mas, apesar de uma vitória que lhe permitiu manter seu trono, Antíoco teve que se opor às intenções ofensivas dos reinos adjacentes ao seu próprio. Ele enviou seus melhores generais armados com seus melhores estrategistas para garantir o bloqueio a qualquer ataque dos reinos vizinhos.

    Não querendo arrastar o reino para um conflito sem fim, ele optou por assinar, em diversas ocasiões, tratados de paz para garantir a sobrevivência do seu reino. O valor de uma vida era muito importante para ele, por isso preferiu perder alguns territórios em vez de perder vidas em virtude do seu orgulho. Em todo caso, ele sabia, e o disse com frequência, como quando perdeu para Eumenes em Sardes.

    Eumenes: Eu tenho uma pergunta, Antíoco. Porque você está assinando este tratado? Você poderia ter continuado a lutar enviando mais exércitos. Hoje éramos superiores em número, mas em seis meses, em um ano, você poderia ter nos derrotado tranquilamente!

    Antíoco: Eumenes, hoje você é o vencedor, estas terras agora lhe pertencem. Mas não tenho medo porque o que foi feito não pode ser desfeito. Em cada um de seus novos súditos, a fé no único Deus criou raízes, de modo que o que quer que você faça, o que quer que você diga, nunca ficará em silêncio.

    Antíoco estava bem, ele havia enterrado no fundo de sua alma e coração, a fé indescritível e poderosa no Altíssimo. Ele estava interessado, acima de tudo, na transmissão de sua mensagem. A missão que Aristóteles havia confiado a ele desde sua infância havia dado origem à Fé em Deus em grande parte do mundo. Ele tinha, portanto, semeado e tornado férteis os reinos da Ásia e do Oriente Médio para a chegada do segundo profeta do Altíssimo.

    Uma vida que chega ao fim


    Enquanto o Império Selêucida estava enfraquecendo devido aos muitos ataques e revoltas dos quais foi vítima, Antíoco filosofou sobre este estado de coisas e ainda conseguiu encontrar alguns aspectos positivos. Em qualquer província que fosse, a fé em um só Deus tinha crescido a ponto de se tornar essencial e natural em todos os lugares. Quando ele atingiu 64 anos de idade, mandou construir templos para durar para sempre e, em cada um deles, havia teólogos do Liceu que atuavam como guias, utilizando os rituais deixados pelo povo de Oane. O grande Rei inaugurou o majestoso templo de Antioquia, que foi o último a ser concluído por causa de seu imenso esplendor. Antíoco, no último degrau com vista para a praça de mais de dez metros de altura, recitou outro discurso sempre abordado os mesmos temas que lhe eram mais importantes. Enquanto falava, seus olhos brilhavam e as lágrimas escorriam por seu rosto, por completar o trabalho de toda uma vida.

    Antíoco: Eu, Antiochus I, ordenei que o templo fosse construído sobre fundações indestrutíveis. Fiz isso para provar minha fé no Todo-Poderoso, no final de minha vida. Aqui mesmo descansarei eternamente e unirei meu espírito com o Todo-Poderoso no Paraíso Solar.

    Foi no momento em que terminou esta frase que Antíoco foi atingido por uma flecha no coração que o atingiu no local. O Rei caiu de joelhos, segurando a flecha em sua mão direita, ele apontou a outra mão na direção do céu enquanto dava seu último suspiro para a multidão, que estupefata, testemunhou sua morte:

    Antíoco: Lembrem-se do que eu lhes ensinei, amem-no como ele nos ama, amem-se como ele lhes ama...

    O seu corpo enrijeceu-se de repente. Nessa posição, com a mão estendida para o sol, sobre o mármore da praça, numa poça de sangue em forma de círculo perfeito, jazia o Rei. Uma luz brilhante desceu do céu, iluminando o corpo de Antíoco. Quando desapareceu, o homem caiu para trás, seus olhos ainda brilhando de lágrimas. O povo de Antioquia ficou chocado com este evento, convencido de que era a intervenção do único Deus, que tinha vindo em busca daquele que o tinha servido tão bem. Seu assassino nunca foi encontrado.

    O funeral do Grande Rei foi suntuoso e seu filho, Antíoco Teo, que o sucedeu, jurou perpetuar a obra de seu pai. A flecha que perfurou o coração de Antíoco foi preservada como uma relíquia sagrada e o corpo do falecido foi sepultado nos alicerces do templo de Antioquia.

    Uma enorme estátua de bronze foi esculpida representando Antíoco após sua morte, na Praça do Templo. Em seu pedestal, foi gravado:

    "Antíoco I Soter - Rei Selêucida e Filho do Altíssimo"

    ___________________________________

    * O Salvador em grego.
    ** Reitor do Liceu fundado por Aristóteles em -335, sucessor do Profeta em -322.


_________________


Dernière édition par Adonnis le Sam Oct 17, 2020 2:40 am; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:52 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de Santo Antônio, o Grande


    Santo Antônio, o Grande nasceu em Lyonnais-Dauphiné, em uma pequena vila de pescadores, em 1356. Com pais modestos e honestos, ele teve uma infância normal dividida entre as tarefas diárias e sua fé em Aristóteles. Sua fé lhe permitiu superar tudo, e encontrar nela refúgio e sinceridade.

    Um dia, enquanto pescava sozinho, os remos se separaram de seu barco e ele se viu encalhado no meio do lago. Qualquer um teria pulado na água para tentar nadar até a margem, rindo do risco de ficar preso nos pântanos do lago. Antônio, por sua vez, preferiu não correr o risco de pecar colocando sua vida em perigo e decidiu permanecer em seu barco para rezar. Algumas horas depois, seus pais, alertados pela demora de seu filho, vieram em seu socorro. Sua fé havia salvo Antônio da morte certa.

    Seu pai morreu em um acidente depois que seus cavalos entraram em pânico ao arar um campo e o arado o atropelou depois que ele caiu. Aos 12 anos de idade, Antônio tornou-se o cabeça de sua família, precisando cuidar dela e sustentá-la. Para fazer isso, ele precisou trabalhar na fazenda, já que continuar como pescador o manteria afastado de sua família por longos períodos. Em sua aldeia de pescadores, as crianças riram dele porque ele falava com os animais.

    Uma anedota conta que um dia, uma das melhores vacas leiteiras do vilarejo começou, repentinamente, a produzir leite com um sabor inexplicavelmente azedo. Nem o fazendeiro nem o farmacêutico conseguiram encontrar um remédio para este mal. Apesar disso, bastou que Antônio falasse com a vaca para que ela voltasse a produzir um bom leite.

    Alguns aldeões suspeitaram que Antônio fosse um bruxo e, em virtude disto, foram conversar com o Arcebispo de Lyon. O Arcebispo, por sua vez, foi ao vilarejo para analisar a situação por si mesmo e conversar com Antônio. Ele logo descobriu que o futuro santo, longe de estar possuído, tinha uma extraordinária força e fé e, assim, o Arcebispo convenceu Antônio a consagrar sua vida à Igreja. Aos 32 anos de idade, Antônio tomou a decisão de viajar e espalhar a palavra.

    Ele viajou por Provença até saber que a capital religiosa do Ducado, Viena, foi vítima da fome. Os animais morriam por razões inexplicáveis, as frutas e verduras eram poucas e pouco nutritivas e a população estava morrendo de fome e clamando por comida. Ele decidiu apoiar esses aldeões e teve a esperança de que, com o conforto de sua fé, seus espíritos se abririam e suportariam essa dura provação.

    Ele chegou em Viena em 17 de janeiro de 1389. Sua presença passou despercebida para a maioria, mas não para todos. Um suinicultor recebeu a visita de Antônio. Eles trocaram algumas palavras e Antônio rezou pelos animais do pobre homem, tendo em vista que todos estavam raquíticos e em má forma. Antônio recusou a hospitalidade do camponês e foi à procura de um lugar para dormir. Diz-se que Antônio foi passar a noite no meio da floresta de Viena e lá ele falou com Deus.

    Naquela noite, o fazendeiro não conseguiu dormir. Barulhos de estranha agitação vinham de seu celeiro. Ele pensou que era o fim. Seus porcos estavam morrendo e com eles a esperança de alimentar adequadamente sua família.

    Pela manhã, havia um estranho silêncio na fazenda. Ansioso, o fazendeiro foi até o celeiro para ver seus animais e seus medos noturnos tinham fundamento. Mas ali sua surpresa foi grande: viu aparecer um porco, depois dois, depois cinco, depois quinze... Mas como isso era possível se inicialmente ele só tinha três? Tinha sido o encontro com Antônio na noite anterior, e ele havia rezado para salvar suas feras e sua família da fome.

    Ele correu para a cidade para contar sua história. Outros agricultores, céticos no início, não podiam acreditar. Mas eles tiveram que enfrentar os fatos, pois Antônio viajou de fazenda em fazenda rezando e os animais se multiplicaram e se curaram. Através de sua fé e suas orações, ele salvou Viena da fome. Os fazendeiros o nomearam como "Antônio, o Grande", e ele acabou por seguir em frente depois que a cidade foi salva.

    Os anciãos nos dizem que Antônio foi para o norte, em direção às regiões bárbaras além das fronteiras do Sacro Império Romano, em regiões tão remotas que a fé Aristotélica ainda não havia chegado. Onde quer que ele fosse, ele espalhava a palavra de Aristóteles e o número de fiéis aumentava. Diz-se que, no sudeste da França, ele inflava os fígados de gansos (uma estranha iguaria) até que eles ficassem gigantescos. De todos os lugares, vieram rumores, contando o mesmo tipo de eventos. Diante da fome e do desespero do povo, Antônio rezou. E a natureza se multiplicou para que todos pudessem se alimentar.

    Sua fama enfureceu um cacique tribal do norte. Por causa dessas orações e de sua fé crescente em Aristóteles, Yvan Leterminus viu seu poder enfraquecer. Yvan mandou enforcar, desenhar e esquartejar Antônio em 17 de janeiro de 1407, e seus restos mortais foram jogados em um prado.

    Diz-se que no ano seguinte, um pomar havia crescido ali, e que as árvores deram ameixas durante todo o ano. Assim que uma fruta caia ou era colhida, outra voltava a crescer. Um dia, Ivan mandou derrubar as árvores e no dia seguinte, ao invés de um pomar, haviam dois. Furioso, o chefe pegou um machado e bateu em uma das árvores. Uma enorme ameixa caiu sobre a cabeça de Ivan. A fruta era tão grande e pesada que lhe partiu o crânio.


_________________


Dernière édition par Adonnis le Sam Oct 17, 2020 11:56 pm; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:52 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Babila


    São Babila nasceu em Antioquia, por volta de 200, e morreu lá por volta de 250. Foi Bispo de Antioquia desde 237 até sua morte e é venerado como santo das Igrejas do Oeste (que celebram sua memória em 24 de janeiro) e do Leste (4 de setembro). Junto com ele são lembrados seus fiéis discípulos Urbano, Prilidano e Epolono, com os quais foi preso durante as perseguições de Decius.

    Diz-se que ele nasceu em uma família de classe média. Seu pai era um famoso comerciante têxtil e Babila passou sua juventude negligenciando a religião, mas entregando-se a diversos hobbies e prazeres com os amigos de seu pai. Babila era muito ambicioso e não se contentava em passar seus dias perdendo seu tempo em pousadas da moda, mas queria se tornar importante e entrar no belo mundo. Então foi assim que, desenvolvendo o negócio de seu pai, ele iniciou um próspero negócio de alfaiataria criando uma série de modelos de grande prestígio que ele vendia nas cortes europeias e para os altos prelados.

    Um dia, enquanto acompanhava seu pai a Roma para negociar sua seda oriental, ele conheceu Valentim, o futuro santo dos amantes, com quem lançou uma linha de roupas para mulheres e uma linha de trajes para altos prelados, em brocado vermelho. Logo sua fama cresceu, e não havia nenhuma rainha ou senhora da nobreza que não quisesse ter uma de suas roupas ou de seu amigo Valentim.

    Um dia, porém, enquanto estava em sua oficina de costura em Antioquia, soube que seu amigo Valentim havia se aposentado dos negócios e feito seus votos, tornando-se Bispo em Terni, na Itália. Embora ele pensasse que talvez isso certamente melhorasse seus negócios com a Igreja, um rolo inteiro de veludo de Damasco caiu sobre sua cabeça, deixando-o atordoado no chão. Enquanto os ajudantes em sua oficina e seus servos tentavam curá-lo, Babila abriu novamente os olhos e disse a seu fiel Urbano: "O Senhor falou comigo! Até hoje pecamos, buscamos vaidade e ficamos satisfeitos com isso, mas agora percebo que isso é apenas o trabalho da criatura sem nome, que nos faz ver um doce pecado, mas na verdade nos engana."

    A partir daquele momento, Babila deixou de criar modelos para os ricos e nobres e começou a fornecer, aos monges pobres e padres do campo, roupas humildes mas adequadas e, em todas as peças, ele imprimia a marca D&G - "Deo Gratias", como uma lembrança da visão que tinha recebido de Deus sob o Rolo de Damasco.

    Ele é conhecido por muitos milagres. O primeiro é o da capa da vergonha de São Sebastião. Diz-se que um dia, vendo a representação de São Sebastião perfurado por flechas, atado à estaca de tortura, Babila correu até sua loja para comprar um tecido de linho, com o qual cobriu o púbis do santo, salvando-o assim da vergonha. Sabe-se também que, enquanto Babila cobria São Sebastião, todas as estátuas do santo, espalhadas pelo mundo, foram cobertas no mesmo instante.

    Sua fama de homem piedoso e servo de Deus se espalhou então por toda parte, e seus concidadãos o queriam como bispo, mas ele recusou, alegando que não poderia fazê-lo. Mas, diante da forte insistência deles, ele aceitou e guiou seu rebanho com amor e compaixão durante anos. Durante as perseguições a Decius, ele foi preso com seus discípulos, foi amarrado com estacas de ferro e antes de morrer, legou pulseiras elegantes às igrejas que havia visitado durante sua vida.


_________________


Dernière édition par Adonnis le Sam Oct 17, 2020 11:57 pm; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:52 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia das Santas Bárbara e Mônica


    Bárbaras e Monique nasceram em Aesernia (Isernia) no século III. Seu pai, chamado Urbano, era um magistrado romano.
    Seu tutor, Hermes, que era secretamente aristotélico, as iniciou no ensino do Livro das Virtudes. Assim, as duas jovens se converteram à verdadeira fé, repudiando os falsos ídolos. Urbano, consciente da intenção de suas filhas, mandou assassinar o tutor e tentou, de todas as formas, manter as irmãs longe de sua fé, mas nada foi capaz de diminuir a vontade de Bárbara e de Mônica.

    Em seguida, ele as trancou em uma torre com doze servas e as cercou de conforto e luxo para que pudessem abraçar o estilo de vida pagão. Mas as duas donzelas conseguiram, milagrosamente, sair da torre todas as noites e distribuíram sua riqueza aos pobres, incluindo suas suntuosas vestes. Elas também quebraram os ídolos ricos que seu pai havia colocado na torre e distribuíram os preciosos fragmentos entre os pobres.

    As servas ficaram impressionadas com tal comportamento, Barbara e Monica então pregaram o Livro das Virtudes para elas, convertendo-as ao aristotelismo. Durante suas excursões noturnas, elas pregavam a palavra de Aristóteles e seu exemplo de amizade, além da convicção e da temperança em seu discurso fizeram com que mais e mais pessoas se reunissem ao seu redor, abraçando a verdadeira fé e abandonando crenças pagãs bobas. Quando seu pai soube do incidente, ele as entregou ao prefeito Dione, que as denunciou por impiedade.

    Ele ordenou que as meninas fossem levadas para a prisão onde foram visitadas pela mãe e algumas outras senhoras, que imploraram que elas abjurassem, mas nem mesmo as lágrimas maternas puderam comover Bárbara e Mônica.

      Nós adoramos o único Deus verdadeiro e seguimos nossos únicos mestres, Aristóteles e Cristos.

    O prefeito então condenou as irmãs a serem despidas e açoitadas publicamente, após terem seus cabelos raspados. Movidas diante de tamanha crueldade, as mulheres locais cobriram as duas pobres meninas com seus mantos. Os carrascos, por sua vez, após longas horas de tortura, impressionados pela força da fé das jovens, caíram no chão sem vida.

    Dione então os amarrou a uma grande roda de metal que, ao girar, deveria ter despedaçado as duas santas. Entretanto, graças a intervenção do Arcanjo da Amizade, no primeiro giro, a roda quebrou, matando os algozes e causando um grande espanto no público. O Prefeito, atordoado com os acontecimentos e, ainda, furioso pela impotência que o dominava, levou Bárbara até o templo de Apolo para forçá-la a queimar queimar incenso em adoração à divindade. Entretanto em virtude de suas fervorosas orações, a estátua do deus caiu do pedestal, quebrando-se no chão e matando Dione. Frente a este espetáculo, todos os presentes se converteram a fé aristotélica e ajudaram as duas jovem a escaparem.

    Elas atravessaram a província e, onde quer que fossem, não deixavam de fazer obras de caridade, embora não tivessem quase nada em suas posses. Chegando à uma cidade, elas foram hospedadas por uma modesta família aristotélica que vivia em uma pequena casa na orla da floresta. Apesar de esgotadas pela viagem, elas se ofereceram para trabalhar na lavoura da família e se recusaram a comer carne.

      Deus nos deu tudo o que precisamos para viver e fez com que recebêssemos alimento, através do nosso trabalho. Portanto, o trabalho em si é uma forma de glorificação ao Altíssimo. Cuidar dos campos e cuidar dos animais é uma forma de mostrar nosso amor pelo que Deus nos deu.

    Nos domingos, as duas santas guiaram a oração da pequena comunidade de fieis que havia sido criada, graças aos seus ensinamentos. Elas passaram a ser tão admiradas que os fieis a chamavam de "Monsenhoras".

    Um homem de uma grande família participou da celebração do rito naquele dia. Durante a partilha do pão, ele passou a linha dos fiéis, fingindo ter prioridade, e gritou isto diante da recusa das duas santas que celebravam a missa: "Sou um nobre, pertencente a uma família muito antiga, você não gostaria de me fazer esperar como as pessoas pequenas..."

    Então, Bárbara lhe respondeu: “Não sei que título específico você tem, mas como o Segundo Profeta nos ensina, a verdadeira nobreza é a do espírito. Se você não compreender esta verdade e não cultivá-la em seu coração, será mais fácil uma corda passar pelo buraco de uma agulha do que você entrar no céu."

    O nobre furioso deixou a assembleia, não antes de ameaçar as duas mulheres por ousarem desafiá-lo. Ele, ao chegar na cidades, denunciou as santas às autoridades.

    As duas irmãs tentaram escapar e chegar em Piceno, mas foram presas e levadas ao prefeito de Téramo (Interamniun), que as condenou à morte. As irmãs foram levadas para a Cecília, onde Bárbara foi apedrejada, enquanto Mônica foi espancada até a morte.

    No lugar do martírio, multidões de fiéis se reuniram, independentemente das represálias. Para evitar problemas de ordem pública, o prefeito, na noite escura, mandou transportar os corpos das meninas para Silvi e, em um barco para o mar aberto onde, com uma grande pedra ao redor do pescoço, elas foram lançadas na água.

    Mas uma certa senhora romana chamada Plautilla, viu as mártires em um sonho que lhe mostrou o local onde poderia encontrar seus corpos, convidando-a a se converter. Plautilla, então, dirigiu-se as praias de Silvi ao amanhecer e, para seu espanto, viu dois golfinhos carregando uma santa cada um, em direção a praia. Por sua vez, Plautilla enterrou as santas próximo a cidade.

    No século IV, foi construída uma basílica sobre suas sepulturas e duas praias em Silvi foram dedicadas as santas: a praia de Santa Mônica e a praia de Santa Bárbara. Por volta de 1230, quando a cidade de Áquila foi fundada por Federico II Hohenstaufen da Suábia, os restos mortais das santas foram transportados para a nova catedral dedicada a elas.

    Em Silvi, seus dois crânios permanecem, e suas mãos foram levadas para Teramo, em memória de seu cativeiro.

    Elementos relacionados:

    A torre e os dois golfinhos.
    Patronos de Molise e Abruzzi.


_________________


Dernière édition par Adonnis le Sam Oct 17, 2020 11:58 pm; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:52 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Bento, Patrono dos Clérigos e do Monasticismo




    I - Introdução:

    Bento de Pisa Iaolo, Ben para os amigos ou São Bento para os aristotélicos, fundador da extinta Ordem Beneditina e, sobretudo, inspirador de crescimento monástico. Ele é considerado o Santo Padroeiro das ordens religiosas aristotélicas e do monasticismo, inspirado na Tábua de Oane, editor das Regras de São Bento (mãe de todas as outras cartas aristotélicas internas) e dos 12 preceitos que também levam seu nome, destinados a civilizar um pouco a vida da cidade.

    II - Infância:

    O pequeno Bento nasceu por volta do ano 480, em uma família de nobres romanos. Preso a uma crise existencial e rejeitando o estilo de vida degenerado do seu meio, ele se interessou pelo estudo da lógica de Aristóteles e do misticismo de Christos.

    Naquela época, uma grande parte da população rural dos Reinos Ocidentais era vítima das piores heterodoxias. O pequeno Ben conheceu um homem velho, um ermitão, em um mercado. Bento lhe perguntou por que ele vivia assim, diferente dos outros, marginal entre os marginalizados. O velho lhe respondeu com a resposta de Christos: "Discípulos! Viva para os outros em vez de esperar que outros vivam para você. Cabe à cidade acolher os marginalizados, não aos marginalizados ajudar a cidade."

    O eremita lhe ensinou que a moralidade que se abre a Deus deve ser transmitida aos homens unidos na mesma cidade. Para guiá-los, a razão é necessária. Isto vem através da educação, seguindo os homens e mulheres sábios e maduros que avançaram no caminho para a Verdade. Desta forma, a moralidade que se abre a Deus e dá a paz pode emergir. Eles começaram a falar, a discutir. Sua troca de idéias durou três dias e três noites, mas eles não se importaram, continuaram assim e acabaram adormecendo...

    Quando ele acordou, Bento estava sozinho, o ermitão tinha desaparecido. Sua voz ainda ecoava nele em uma frase que permaneceu gravada nele até as últimas gotas de sua vida: "Uma causa final é a inteligência pura, uma divindade. Se voltarmos na ordem de causas e efeitos, encontramos apenas uma causa final. Então Deus é único... Há apenas um Deus, este motor imóvel do mundo, esta vontade perfeita que é a fonte de toda substância, de todo movimento. Deus é a finalidade cósmica do universo". Bento caiu de joelhos, tomado pela intensidade da revelação que estava surgindo nele. Bento rejeitou os falsos deuses dos mundos escuros, ao ser iluminado pela luz da Revelação.





    III - Vocação:

    Bento pediu permissão a seus pais para sair. Diante de sua determinação, seu pai não pode fazer outra coisa senão curvar-se a sua decisão. Ele, portanto, deu-lhe uma bolsa cheia e Bento partiu. Ele frequentou as escolas aristotélicas e participava dos jogos de reflexão. Ele leu todos os livros que lhe foram confiados por seus professores que tentaram convencê-lo a seguir a via da Igreja. Bento, entretanto, não se sentia preparado.

    Ele descobriu com emoção a Razão, os logotipos, mas também a Cidade e o espírito da Cidade. Aos 21 anos, ele partiu novamente e chegou à Gália, uma terra ainda selvagem em grande parte de seu território. Ele queria ficar sozinho diante da criação, tornar-se sábio por meio da observação da grande obra divina.

    Ele construiu um refúgio em uma montanha cercada por florestas. Ele aprendeu a viver longe dos homens e começou a meditar sobre os ensinamentos que tinha recebido, aprendendo com os animais e consigo mesmo, confrontado com o fato de estar em um ambiente estrangeiro. Sua alimentação consistia em peixes que ele pescava em um lago com água pura e alguns vegetais e frutas silvestres que ele colhia. Sua inteligência e carisma, desenvolvidos graças a sua alimentação saudável, alcançaram um alto nível. Os animais selvagens o deixam passar entre eles, o mais fraco sem se assustar, o mais forte sem atacar. Seu corpo parecia totalmente em harmonia com a natureza, mas seu coração de animal social muitas vezes sentia solidão à noite no canto do fogo.

    Sua inteligência tornou-se aguda e seu pensamento tornou-se totalmente aristotélico juntamente com sua alma. A razão estava nele. Em 9 anos, ele descobriu a ausência dos homens, refletida em seus vícios e defeitos, meditou sobre sua beleza e virtudes. Ele teve então uma profunda experiência de Moralidade que só por si poderia levá-lo a permanecer como um homem, de acordo com a Razão. Ele teve a experiência íntima do vínculo entre Homem, Razão e Moralidade. "Trata-se de proporções e ritmos harmoniosos." Ele então compreendeu o ensinamento de Christos: "A fé traz a verdade". Mas para entendê-lo, devemos usar a razão. "Ele tomou consciência da beleza do mundo, da beleza do Homem, sua alma, desprovida de todos os artefatos, percebeu que a beleza sensata é uma imagem da Beleza eterna que a alma sempre contemplou. Seu conhecimento da moral, da razão e das virtudes havia se desenvolvido muito, mas muito teoricamente, e Bento sentia cada vez mais a necessidade de colocá-lo em prática.

    Uma noite ele teve um sonho estranho: uma roda estava girando num céu púrpura, e nas barras estavam sentados demônios com chicotes que eles batiam nas costas dos bois. Seus olhos estavam velados, em cada véu estava o nome de um vício: luxúria, cobiça, orgulho... A roda foi movida pelo avanço destes bois ligados a ela. Esses bois andavam e andavam e andavam, girando em círculos em um movimento que fazia a roda girar. Em cada boi era marcado um nome, um deles levava o nome de Bento. Cada um deles era solitário, não vendo nada além deste céu púrpura através de seu véu. Então ele sabia: "O sábio deve participar da vida da cidade onde ele deveria levar os frutos de sua sapiência". Assim que acordou, Bento se partiu. Ele preparou seus parcos bens e partiu para as cidades dos homens.





    IV - Mundo:

    Bento foi às praças públicas e aos mercados e começou a pregar. Ele estabeleceu relações com mulheres, homens e crianças e lhes ensinou sobre as virtudes, a natureza e a beleza profunda do homem. Sua mensagem era simples, era a mensagem de Christos: "Se para você a vida não tem sentido, então ame a vida mais do que o sentido da vida. Não espere até morrer para entender que a vida está passando por você. Lembre-se: Nós não nascemos apenas para morrer, nascemos para viver." Ele também disse que o ser divino é Todo-Poderoso e que a essência das coisas está nas próprias coisas e em suas formas. O lugar ideal onde o homem educado pode alcançar a felicidade é a cidade.

    Ele foi ridicularizado e alguns até atiraram pedras nele. A milícia o parou várias vezes, o espancou e o levou até os portões da cidade. No entanto, ele continuou com seu trabalho. Pessoas de todas as idades o seguiam de aldeia em aldeia, de cidade em cidade. Bento descobriu então as dificuldades do ensino. Os homens e mulheres que o seguiram escutaram sua palavra, alguns deles fazendo o trabalho necessário para que todos vivessem. Para fazer as pessoas entenderem que as coisas são cópias de ideias, que é sempre necessário trabalhar nas coisas para que a ideia seja mais puramente expressa. Ele viu que, graças ao esforço e ao trabalho de todos, seu ensino estava dando frutos. Ele se impôs a todos eles. Alguns se afastaram dele, o deixaram. O resto do grupo se tornou uma comunidade nômade. Os mais esclarecidos também começaram a pregar.

    Os passos da Comunidade os levaram à Borgonha, uma terra bárbara e pagã que gradualmente se abriu para a civilização aristotélica. As aldeias as receberam com respeito, um vínculo intangível foi tecido. As multidões se aglomeravam quando ele chegava, eles o ouviam com amor e compreensão. Diante do afluxo de borgonheses que seguiram seus ensinamentos, a Princesa Clotilde, futura esposa de Clovis, Rei dos Francos, o fez vir ao palácio dos reis borgonheses.

    Bento e Clotilde sentiram um amor intenso um pelo outro. No entanto, não sucumbiram a ele. Bento foi capaz de fazê-los seguir os caminhos de sua pregação, Clotilde, por sua vez, conseguiu convencer seu pai a ouvir a doutrina. Ela colocou seus padres a prova ante a Assembleia dos Nobres borgonheses. Durante uma semana eles debateram e Bento confrontou e libertou um a um dos seus valores pagãos. A assembleia aristocrática estava agitada, os padres os ajudaram a ter poder sobre os homens. Bento então compreendeu o ditado de Christos e o pronunciou em voz alta e forte, para que todos ouvissem: "Só existe nobreza na alma, e é no seu coração que você deve ser nobre. Mas saiba que, mesmo assim, você estará vulnerável, porque a nobreza costuma ser prejudicada pela mesquinhez".

    Os nobres borgonheses compreenderam sua mensagem, aplaudiram-no então, expulsaram a falsa religião e exigiram que seu rei o ouvisse face a face. Durante três dias, o Rei e Bento conversaram e Bento conquistou o coração e a mente daquele homem indomável. Ele se converteu ao aristotelismo e todos os borgonheses que seguiam seu rei, felizes por terem compreendido a mensagem do homem santo. O Rei aprendeu com ele que só a honra pode evitar a mesquinhez. E assim Bento aprendeu o valor do poder dos homens sobre os homens, daqueles líderes respeitados que conduzem seu povo ao futuro. Ele sabia que também é para eles que é necessário recorrer para que a razão esteja entre todos os homens. Bento então disse sobre este assunto em uma carta a um amigo: "A vida da cidade só pode prosseguir na ordem estabelecida. A única graça, da qual o soberano tira sua legitimidade, deriva de uma ordem estabelecida pelo Divino. Desafiar a ordem estabelecida leva-nos a afundar na tentação do caos e da criatura sem nome. Mas tenha cuidado com o soberano que esquece nossa autoridade canônica e se afasta de nossos ensinamentos dogmáticos."





    V - Tábuas e Leis:

    O rei concedeu a Benedito um pedaço de terra em Cluny para que ele pudesse estabelecer sua comunidade. A comunidade floresceu. Os edifícios foram construídos, os monges se reuniram em um lugar onde todos puderam encontrar sabedoria. Na fundação deste primeiro mosteiro, ele estabeleceu uma vida fortemente exemplar: nenhum monge tentou novamente deixar o caminho da vida santa virando-se para a direita ou para a esquerda, como haviam feito em ocasiões anteriores. Com tanta raiva contida, os irmãos perderam a cabeça. Eles procuraram uma maneira de matá-lo. Através de suas orações e bênçãos, Bento descobriu as intrigas maquiavélicas e tentou expor os ataques do inimigo. Bento levantou, portanto, a questão das regras morais ideais para organizar a cidade e a comunidade monástica.

    Seguindo o conselho de Christos: "Se eles se recusarem a recebê-lo e ouvir suas palavras, saia desta casa ou desta cidade sacudindo a poeira de seus pés", Bento deixou o mosteiro e se instalou no cume do Monte Cassino, o antigo lugar de tradição heterodoxa. Assim que ele chegou, o homem de Deus destruiu o ídolo e derrubou o altar. A criatura sem nome entrou em alvoroço e usou todo tipo de artifícios para dificultar a construção do mosteiro... No pior momento, Deus lhe deu um impulso em seu empreendimento e São Bento teve um sonho estranho:

      "... No centro de um oásis estava uma coluna sobre a qual repousava a Tábua de Oane, a famosa Tábua contendo os mandamentos de Deus. Esta pedra havia sido esculpida pelos dedos do Criador e confiada à primeira comunidade para que nunca esquecesse que além do Amor, também estávamos vinculados à lei da Criação. Esta pedra, que deveria ter desaparecido com a cidade, estava lá, intacta. Em sua viagem de sonho, ele viu um homem convidando-o a se aproximar, parecia velho e tinha barba.... Ele se parecia com os antigos retratos de Aristóteles, mas poderia ter sido Christos ou mesmo Oane. O homem pegou areia, mas talvez fosse sal... Uma mulher carregando um jarro se aproximou dele e o homem derramou a areia dentro do jarro. A mulher então caminhou até a coluna e derramou o conteúdo do jarro sobre a pedra... não era areia, sal, ou qualquer coisa que ele soubesse... Parecia que um arco-íris estava caindo sobre a pedra e ela começou a brilhar. A tábua brilhava mas ofuscar a visão, e as palavras, embora escritas em uma língua que o homem não conseguia mais ler, lhe pareciam familiares. Bento falou longamente com o casal, eles disseram que representavam tanto o que era quanto o que ainda seria, explicaram-lhe que a tábua havia sido preservada, embora afastada da vista dos homens porque ainda não estavam prontos para observá-la, mas que ele, Bento de Pisa Yaolo, talvez pudesse traduzir um texto que Aristóteles havia trazido de volta depois de ter descoberto e decifrado a pedra. Mostraram-lhe onde este texto tinha sido escondido e esquecido."


    E quando acordou pela manhã, ele sabia para onde ir... um lugar muito próximo: uma cripta mortuária numa caverna bem escondida na base do Monte Cassino. Bento encontrou ali, como seu sonho lhe havia mostrado, uma caixa de couro selada contendo vários rolos de pergaminhos antigos em mau estado. Aristóteles os tinha escrito no estilo Greco-Alexandrino de seu tempo e a tradução era longa e trabalhosa. Com base no conhecimento que a Lei Divina lhe havia dado, através da Tábua de Oane, Bento escreveu, em seu Scriptorum, 12 preceitos a fim de orientar a moralidade amenizada da cidade e estabelecer a famosa regra monástica que doravante teria seu nome. Bento desenvolveu sua mensagem de ordem e paz, único garante de uma comunidade de homens e mulheres inclinados à verdade e à educação na verdade.

    Esta experiência transformou sua vida e lhe deu a inspiração para continuar seu trabalho. O novo edifício que ele estava criando tornou-se mais uma reconstrução do que uma construção. Homens silenciosos apareciam no campo ou na floresta, cavando, desbravando, construindo. Outros homens silenciosos que não podiam ser vistos sentaram-se no claustro congelado, cansando seus olhos e afiando suas mentes dolorosamente ocupados, copiando e recopiando os manuscritos que haviam salvo. Ninguém discutia ou desprezava, ninguém chamava a atenção para o que estava fazendo, mas pouco a pouco o bosque pantanoso se tornava um eremitério, uma casa religiosa, uma fazenda, uma abadia, um seminário, uma escola, uma cidade. Estradas e pontes o colocaram em contato com outras abadias e outras cidades que tinham crescido da mesma forma.

    Foi assim que foi fundada a comunidade beneditina. O trabalho é o eixo que permite o desenvolvimento da razão para a satisfação de todos. A videira é a essência do trabalho manual, porque, como disse Bento: "é o sangue da terra, um presente de nosso senhor para a humanidade. Por este sangue, façamos com que a casa dos homens rendam frutos para a grandeza de Deus." Cada um tinha seu lugar, mesmo que pudesse mudá-lo. A busca da beleza estava em ação porque a beleza sensível é uma imagem da beleza eterna que a alma já contemplou. Eles estavam tentando descobrir as proporções, medidas e ritmos harmoniosos que permitem sua manifestação. Benedito seguiu os princípios de Aristóteles: "A essência das coisas está nas próprias coisas e as dá forma." Bento não esqueceu a educação dos homens: padres em cada aldeia, bispos para conduzi-los, alguns monges itinerantes para apoiá-los constantemente e compartilhar com eles a sabedoria. Para aqueles que protegiam a comunidade, a carne era reservada para que pudessem ficar fortes. Aqueles que pregavam aos borgonheses receberam, com prioridade, frutas e verduras para que seu carisma se desenvolvesse da melhor forma possível; os peixes foram reservados para aqueles que permaneceram na abadia, trabalhando nas causas primárias e, sendo assim, sua inteligência se tornava mais e mais viva porque, como disse Aristóteles: "Como o bem final reside no divino, sem dúvida e para identificar o bem, basta ater-se à análise da essência do divino. A substância do Todo-Poderoso é inteligência pura e perfeita, de modo que o bem pode ser apenas a perfeição da substância e, portanto, da natureza das coisas."

    Um abade para liderar a comunidade, um conselho para apoiá-lo e assistir os monges em pequenos grupos, cada um encontrando um guia que está sempre presente. A Borgonha tornou-se uma grande terra da religião aristotélica.

    Os 12 preceitos de São Bento:

    1. A um só Deus tú adorarás e amarás perfeitamente.
    2. Respeitarás o Seu Santo Nome, evitarás a blasfêmia e os falsos juramentos.
    3. Guardarás o dia do Senhor, servindo a Deus com devoção.
    4. Honrarás o teu pai e a tua mãe, bem como os teus superiores hierárquicos.
    5. Evitarás o homicídio e o escândalo, o ódio e a ira.
    6. Observarás cuidadosamente a pureza nos seus atos.
    7. Não te apropriarás dos bens de outros, nem os reterá injustamente.
    8. Banirás a calúnia, bem como as mentiras.
    9. Velarás pela pureza nos teus pensamentos e nos teus desejos.
    10. Não cobiçarás as coisas dos outros.
    11. A Fé e a Razão irão guiá-lo simultaneamente.
    12. Apenas Aristóteles e Cristos adorareis, evitando falsos profetas.







_________________


Dernière édition par Adonnis le Sam Nov 07, 2020 4:39 am; édité 2 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:53 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Bernardo


    A vida muito edificante, inspiradora e piedosa de São Bernardo, fundador da Ordem Cisterciense (também chamada "Ordo Cisterciensis"), Santo Padroeiro das Cruzadas e dos Cavaleiros de Deus.

    Seus primórdios

    Bernardo nasceu em Dijon, no ano de 1090, de um pai que foi um cavaleiro influente na Corte do Duque de Borgonha e de uma mãe de devoção sem limites pertencente à alta nobreza. Seu pai, Tecelino, era um homem de antiga e legítima cavalaria, fiel servo de Deus e estrito observador da justiça. Ele passou sua juventude com seus muitos irmãos e irmãs recebendo toda a bondade que dois pais podem dar a seus filhos. Mais tarde, ele teve acesso à melhor e mais religiosa educação possível. Ele aprendeu as línguas modernas, assim como as antigas, foi iniciado na ciência política e nas artes de guerra. Ele aprendeu a apreciar a arte e desenvolveu uma forte retórica, que lhe seria de grande utilidade mais tarde.

    Neste ínterim, sua mãe teve um sonho muito estranho, que predisse o futuro da criança. Ela sonhou que estava dando à luz a um leão rugindo, grande e forte; seu corpo inteiro era dourado, exceto por suas costas, que eram brancas.
    Assustada com este sonho, ela foi consultar um religioso que, recebendo naquele momento o dom da profecia através de Oane, a quem o Altíssimo disse: "A língua dos leões será tingida com o sangue dos inimigos da criação". Então ele respondeu a esta mulher que estava abalada pelo medo e pela ansiedade: "Não tenhas medo, tú és a mãe de um grande e nobre leão, que será o guardião da casa de Deus e que fará com que estrondosos rugidos sejam ouvidos às suas portas, contra os inimigos da fé. Pois ele será um pregador notável e, como um leão divino com sua língua reparadora, curará muitas feridas da alma".

    A mulher, para dar glória a Deus, decidiu construir uma igreja em Dijon que, mais tarde, passaria do clero secular para o clero regular, sob os cuidados de São Bernardo. Bernardo, por sua vez, havia conquistado a reputação de orador hábil e de aluno dedicado. Diz-se até que graças à sua audácia, ele conseguiu permanecer casto, apesar das vis lisonjas das meninas cativadas por seu físico. Foi por volta de seu vigésimo aniversário que Bernardo decidiu se retirar do mundo; e em pouco tempo ele conseguiu compartilhar suas opiniões com todos os seus irmãos, alguns parentes e também alguns amigos.

    Neste primeiro apostolado, seu poder de persuasão foi tal que, apesar de sua juventude, ele logo se tornou, como dizem as biografias, "o terror das mães e esposas"; amigos temiam vê-lo se aproximar. Já havia algo de extraordinário nisso, e certamente, seria insuficiente para atribuir-lhe o poder do gênio no sentido laico da palavra, a fim de explicar tal influência. Não há necessidade de reconhecer a ação da graça divina que, penetrando de alguma forma em toda a pessoa do apóstolo e brilhando através de sua abundância, comunicou através dele como através de um canal, seguindo a comparação que ele mesmo empregaria mais tarde ao aplicá-la ao profeta Aristóteles, e que também pode, em maior ou menor grau, ser aplicada a todos os santos.

    Algum tempo depois, Bernard escolheu o caminho religioso e ingressou na Ordem Cisterciense, recentemente fundada por uma cisão com os dominicanos, agora desaparecidos. Seu talento como pregador inigualável foi imediatamente reconhecido dentro da ordem cisterciense. A Ordem Cisterciense rapidamente aumentou em importância à medida que Bernardo convenceu os fiéis de todas as origens a se unirem à vida monástica. Obviamente, ele obteve um lugar no Capítulo, onde propôs a fundação de uma abadia filial cisterciense em sua Borgonha natal: "A Abadia de La Bussière sur Ouche".

    Enquanto as multidões permaneceram atentas as palavras daquele que se fez entender, e aprenderam com temor sobre os hereges e cismáticos, daquele que se tornaria o primeiro abade de La Bussière, organizando-se com a nobreza local. O primeiro a responder ao chamado sagrado de Bernardo foi o Barão de Sombernon, que propôs um de seus senhorios, localizado perto de Dijon, para fundar ali a Abadia. Bernardo aceitou imediatamente e abençoou o Barão no decorrer de uma missa celebrada no referido senhorio, que contou com a presença de muitos dos fiéis de Borgonha que foram imediatamente seduzidos pelas grandes palavras de Bernardo, que se tornou então o primeiro abade de La Bussière assim que o trabalho foi concluído. A Abadia de La Bussière se estabeleceu rapidamente na Borgonha e a abertura de uma escola dentro da própria abadia contribuiu muito para sua fama e também para ensinar o aristotelismo aos fiéis borgonheses. Assim que abriu, e graças à fama de seu abade, vários nobres vieram visitar as instalações da abadia para seu retiro. Esta proximidade com os grandes políticos da época permitiu que Bernardo se tornasse cada vez mais influente.

    A Abadía de La Bussière sur Ouche.

    Sua fama entre as autoridades locais seculares e religiosas logo alcançou os muros da capital dos Papas, onde ele acabou sendo convidado. Em Roma, ele desfrutou das bibliotecas para sua educação e conheceu as figuras religiosas mais proeminentes da época. Ele convenceu vários com seu discurso da boa fé da ordem cisterciense, que se tornou conhecida em Roma. No entanto, a abadia convocou seu abade para outras tarefas. De volta à La Bussière, Bernardo começou a estabelecer relações diplomáticas com as novas ordens militares e religiosas que haviam sido criadas na sequência da redescoberta dos ensinamentos de Kyrene. Os mais fortes para responder ao chamado do abade foram os Cavaleiros de uma Ordem Militar Romana, que ainda hoje estão profundamente enraizados na Abadia de La Bussière, onde contribuíram em particular para a criação da escola que ainda hoje torna La Bussière famosa.

    Seu compromisso Militar-Religioso

    Esta aproximação com os cavaleiros, um mundo que ele já conhecia bem graças a seu pai, o levou a decidir fundar um braço armado à serviço da Igreja. Ele realizou uma grande quantidade de pesquisas teológicas que resultaram em numerosos escritos, como seu famoso ensaio: A santa e justificada violência, uma referência teológica para todos os cavaleiros de Deus.

    A Santa e Justificada Violência (trecho) a écrit:
    Estas palavras de São Bernardo sobre "os Cavaleiros de Deus" lembram a todo aristotélico que a vida é uma batalha liderada por Deus, cujo resultado é certo, mas vem a um preço que deve ser pago com orgulho: o dom de nossas vidas. (...) Pois ele não carrega a espada sem razão: ele é o executor da vontade divina, seja para punir os malfeitores ou para glorificar o bem.


    Quando o Papa Honório II, mais tarde, convocou um Conselho sobre o tema das ordens religiosas, Bernardo se envolveu fortemente na pregação do reconhecimento de várias dessas ordens. Ele fez grande uso de sua influência e, quase simultaneamente, se tornou a figura de proa deste Conselho. Ele convenceu os Reis da França e de Roma (o Sacro Imperador Germânico), bem como a Sua Santidade, de que a fundação desses grupos de fiéis lutando em nome de Deus estava correta. Entretanto, Bernardo era um homem de paz e escreveu um esboço das regras para as Ordens Militares-Religiosas, conciliando o estado monástico e o ideal cavalheiresco, lançando as bases do que mais tarde se tornaria a Congregação Romana dos Santos Exércitos. Ainda dentro do Conselho, Bernardo foi confrontado por Abelardo, um teólogo obscuro, mas influente, convencido da pequenez do homem, mas igualmente ortodoxo, a quem Bernardo perguntou:

    Citation:
    É assim que os segredos de Deus são trazidos à luz e as perguntas mais altas são lançadas ao vento?


    No final deste conselho, Bernardo tentou convencer os recém reconhecidos Cavaleiros de Deus a ir e reconquistar a Terra Santa. Na Páscoa aristotélica, Bernardo pregou uma cruzada na cidade de Vézelay, enquadrando-a em um ideal de paz e unidade. No Natal, ele pregou na Espira. Ele também interveio em Mainz, em um ato misericordioso de bondade, para evitar o massacre de espinozistas por fanáticos doutrinados pelos poderes seculares. Admirado por todos, muitos o seguiram nas estradas para a Terra Santa para ali realizar uma cruzada sob sua santa direção.

    Citation:
    Que aqueles que cometem injustiça sejam expulsos da cidade do Senhor, aqueles que se esforçam para roubar as riquezas inestimáveis que Jerusalém guarda para o povo aristotélico, aqueles que querem manchar os Lugares Santos e apropriar-se dos Santuários de Deus. Que as espadas dos fiéis sejam desembainhadas sobre as cabeças dos inimigos, para destruírem qualquer um que se levante contra a fé de Deus, que as nações não se perguntem: onde está Deus?


    Ao longo do caminho, os Cavaleiros de Deus encontraram muitos peregrinos e fiéis que se juntaram a eles. Primeiro, eles atravessaram a Dalmácia e chegaram à Grécia, onde se separaram em busca dos lugares santos mencionados na Vida de Aristóteles, antes da reforma. Atravessaram a Tessalônica onde foram recebidos com indiferença e finalmente chegaram aos portões de Constantinopla, onde os aristotélicos do Oriente lhes ofereceram sua hospitalidade como se fossem seus irmãos, apesar de serem uma religião diferente. Os cavaleiros continuaram suas rotas através dos vales e planícies da Anatólia, antes de finalmente alcançarem os portões de Antióquia, onde fizeram o cerco, com o apoio de alguns aristotélicos locais, fiéis a verdadeira fé.

    São Bernardo de La Bussière pregando a cruzada.



    Pouco depois, encorajados e animados por sua fé, as Cruzadas lançaram um assalto às paredes da Antióquia. Os Averroistas que controlavam a povoação naquela época eram mais numerosos que os membros Cruzados, mas lutaram com pouco ardor e convicção, enquanto os Cruzados pareciam inesgotáveis. Diante do ardor de suas tropas, Bernardo começou, como se quisesse provar algo a alguém:

    Citation:
    Eles vivem sem ter nada de próprio, nem mesmo a sua própria vontade. Vestidos com simplicidade e cobertos de poeira, seus rostos queimados pelo calor do sol, seus olhos ferozes e severos. Com a proximidade do combate, armam-se com a fé, por dentro, e com as armas, por fora; suas armas são seu único adorno; usam-nas corajosamente no maior dos perigos, sem temer o número ou a força dos bárbaros: toda sua confiança está no Deus dos Exércitos; e lutando por Sua Causa, buscam uma vitória segura ou uma morte santa e honrosa. Este é o tipo de vida em que podemos esperar a morte sem medo, desejá-la com alegria e recebê-la com segurança!


    A luta continuou e o sangue infiel foi derramado sobre a terra santa, mas Bernard estava convencido de que esta era a vontade de Deus. Finalmente, após meses de intensas batalhas, Jerusalém tornou-se novamente aristotélica, pondo um fim à reconquista da Terra Santa. Os Cruzados recolheram várias relíquias, ergueram inúmeros fortes e dividiram a Terra Santa em numerosos condados que foram divididos precisamente de acordo com o mérito que teriam demonstrado durante a Cruzada. Ao mesmo tempo, os reinos aristotélicos ocidentais haviam preparado uma grande frota graças à qual alguns cruzados, incluindo Bernard, puderam retornar a suas casas.

    Seu Apostolado

    Sem se comprometer com os caprichos dos Papas e dos Príncipes, São Bernardo também foi um pregador formidável, um escritor de alto nível, um asceta exigente e um dos místicos mais motivados.

    Muito mais tarde, Bernardo foi convidado a mediar entre dois Papas que afirmavam ter ganho as eleições no Conclave, Inocentius II e Anacleto, respectivamente. Bernardo mediou a favor de Inocêncio II, e graças a esses talentos de diplomatas experientes, convenceu o Rei da França e o Imperador, assim como muitas cidades italianas que inicialmente eram a favor de Anacleto. Depois deste último episódio, São Bernardo, Abade de La Bussière de Ouche, na Borgonha, retirou-se para sua abadia com seus irmãos cistercienses.

    São Bernardo passou seus últimos anos em La Bussière, continuando seus estudos nas mais diversas áreas, como a cozinha, bem como o cultivo da terra, nos jardins da Abadia. Ele se questionou muito sobre a vida e sobre a fé; e lamentou o que não pôde alcançar em sua vida, rezando para que seu sucessor fosse capaz de fazer isso...

    Bernardo foi uma parte decisiva em todas as controvérsias de seu tempo, mas ele era um homem da Igreja e não um teólogo, embora lhe tenha sido concedido o título de Doutor da Igreja. Sua doutrina, assim como seus atos, reflete as inspirações de natureza mística e contemplativa, mas ele se irritava rapidamente contra qualquer coisa que pudesse alarmar ou distrair a devoção; não apenas contra todas as heresias, mas contra todas as iniquidades. São Bernardo não foi o fundador da Ordem Cisterciense, mas sua força motriz, sua maior glória: a figura mais notável do desenvolvimento prodigioso da ascensão dos cistercienses, estes monges brancos que renovaram profundamente - e de forma duradoura - a vida religiosa do Ocidente.

    Denunciando a desorientação das outras ordens religiosas, ele não deixou de criticar a corrupção dos preceitos da regra de São Bento: comida abundante, coquetéis, hábitos e modos de vida principescos, partes de muitos mosteiros, como sua decoração, pinturas ou esculturas que evocam mensagens doutrinárias, que são úteis para os fiéis, mas não para o monge.

    São Bernardo a écrit:
    Ó vaidade das vaidades, mais tola que vaidosa: as paredes de sua Igreja brilham, enquanto tudo falta aos seus pobres. Para não mencionar a imensa elevação de seus oratórios, seu comprimento excessivo, sua largura excessiva, sua decoração suntuosa e suas pinturas exuberantes, cujo efeito é atrair a atenção dos fiéis e diminuir o recolhimento.


    Bernardo de La Bussière deu seu último suspiro em um dia frio, de janeiro de 1153, depois de ter recebido a unção. Ele deixou para trás mais de 160 monges no recém criado mosteiro de Noirlac, enquanto a nova família cisterciense já conta com cerca de 350 mosteiros. Suas relíquias, constituídas por sua batina, sua armadura, sua mitra e seu báculo, assim como seu corpo, repousam na Abadia de La Bussière.




_________________


Dernière édition par Adonnis le Mar Jan 05, 2021 11:14 pm; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:53 pm    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de Santa Boulasse


    I. Vida de Santa Boulasse

    A jovem Boulasse nasceu em 522 em Beaune, Bourgogne. Seus pais pagãos dirigiam uma respeitável taverna na praça do mercado, a "Taverna dos Hospícios". (cerveja a 0,60 cruzados, cardápios a 6 cruzados). Pessoas sérias e respeitáveis, porém, rezavam aos ídolos e ignoravam a mensagem da Igreja. No entanto, estes bons taverneiros procuravam vinho e cerveja cos os monges dos arredores e Boulasse, que era a responsável pela reserva, tinha contato frequente com eles.

    Como ela era aberta e inteligente, os monges a iniciaram tanto na fé, como na enologia. Foi durante uma de suas longas noites de treinamento e discussões teológicas no quarto de seus pais que ela ficou deslumbrada com a luz divina no reflexo de uma caneca. Convertida e segura de sua fé, Boulasse abandonou seus pais e escolheu o caminho da Igreja. Ela foi formada por um dos monges que a haviam tomado sob suas asas, muito impressionada com a força de sua convicção. Sentindo a imperiosa necessidade de pregar sua nova fé, ela foi secretamente ordenada sacerdotisa em 582, apesar das interdições e consciente dos riscos, mas segura de seguir o plano divino. Não podendo assumir uma paróquia, ela abriu uma taberna, "Ao bom crente", onde fez conversões e deu aulas de catecismo, e onde, diz-se, batizaria os crentes com a ajuda do pároco de Mâcon.

    Ela era uma exímia pregadora e uma magnífica taverneira, e teve um grande impacto missionário na cidade e converteu as multidões para a verdadeira religião. Ela será lembrada por muito tempo por sua ação caridosa em relação aos vagabundos e pela organização de seus questionários religiosos na taverna com prêmios de cerveja a serem ganhos.

    Depois de converter a maioria dos habitantes de Mâcon, Boulasse sentiu a necessidade de viajar e difundir a mensagem de Aristóteles. Ele dirigiu seus passos e seu carrinho cheio de pão e vinho para as aldeias germânicas próximas, no que agora é o SRING, para iniciá-las no banquete da amizade aristotélica.

    Entretanto, os habitantes foram menos receptivos à sua pregação e ela se viu diante de um rei cruel e pagão, Childehald, que se recusou a negar os falsos deuses de seus pais. Destemida, a santa pregou em público, construiu a primeira igreja em Colônia e quis abrir uma taverna para facilitar sua tarefa missionária.

    Mas Childehald não sentiu o mesmo e emitiu um decreto contra os sermões. Depois de descumpri-lo, Boulasse foi encaminhada ao Procurador Público e condenada por Alta Traição. A sentença de erradicação deveria ser executada em público, para edificar a população, e usando a ferramenta de seu crime: seu alimento sagrado. O carrasco a fez beber uma grande quantidade de vinho, mas a santa, apoiada por Aristóteles, não vacilou; ela suportou corajosamente seu martírio, ainda rezando após o tormento. Childehald, louco de raiva, decidiu por um fim nisso e ordenou que ela fosse afogada no último barril de vinho Hautes-côtes de Beaune que restante.

    Quando tiraram Boulasse do barril, seu rosto brilhava de felicidade. Diante deste espetáculo espantoso, Childehald foi atingido pelo arrependimento e, tocado pela graça, ele se converteu e teve todo o seu povo convertido. Tendo cumprido sua missão terrena e preparado o caminho para a conversão dos alemães, Boulasse decidiu entregar-se ao sono e juntar-se ao Senhor no Paraíso Solar.

    Santa Boulasse tornou-se, então, a padroeira dos vinicultores e especialmente dos taverneiros, e ainda é invocada por eles ou seus clientes quando precisam enfrentar uma noite exaustiva de trabalho. Não é raro ouvir em nossas tavernas a expressão, familiar e cheia de afeto pela santo: "Que Boulasse esteja com você!".

    II. Relíquias:

    • A cabeça da Santa é preservada e venerada na Basílica de Colônia.
    • O Coração e o Fígado da Santa foram trazidos de volta e colocados em Mâcon e são preservados no Tesouro da Igreja da Paróquia.


    III. Culto da Santa:

    O culto de Santa Boulasse é consagrado em Colônia e Mâcon desde o século VI e as relíquias da Santa ainda são utilizadas durante a procissão de bênção do vinhedo de Mâcon que ocorre no dia 22 de setembro, antes da colheita das uvas.

    IV. Citações:

    • Não é porque a comunhão é livre, que devemos fazer pouco dos fiéis e distribuir canecas d'água.
    • Não negarei minha fé, nem por todo o vinho do mundo!
    • Verdadeiramente tal êxtase só pode ser divino! Perdoai-nos Boulasse por nossa cegueira! (Childehald perante o corpo torturado da santa)
    • Melhor a cerveja no corpo do que o corpo na cerveja.
    • Beba com moderação e reze com fervor.
    • Tenho mais coração do que fígado, mas posso assimilar tudo se for falado por amor ao Altíssimo.
    • Se Christos não quisesse mulheres sacerdotisas, ele o teria dito.
    • Não acreditar cria uma crise de fé, beber demais cria um ataque ao fígado.
    • Se nosso Criador tivesse querido que as mulheres se limitassem à procriação, Ele nos teria tornado incapazes de amar outros humanos além de nosso próprio sangue.
    • Respeito as leis ditadas pela fé, mas se a Igreja recusa a mulher no sacerdócio é para agradar aos imperadores e não a Deus.
    • Mesmo que não seja para amanhã, um dia teremos novamente mulheres sacerdotisas e episcopisas...
    • Quem melhor do que uma mulher para liderar os homens pelo nariz?
    • Ela havia colocado uma placa em sua taberna: "A casa não dá crédito aos ricos, mas oferece água e pão aos pobres".



    V. Símbolos: Seis Rosas


_________________


Dernière édition par Adonnis le Mar Jan 05, 2021 11:19 pm; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:53 pm    Sujet du message: Répondre en citant

Santa Caterina da Urbino, Padroeira da Itália e da Arte Médica
_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:53 pm    Sujet du message: Répondre en citant

São Clément, Primeiro Inquisidor
_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:54 pm    Sujet du message: Répondre en citant

São Corentin
_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:54 pm    Sujet du message: Répondre en citant

São Dominique
_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2492
Localisation: Monte Real/Leiria - Palazzo Taverna/Roma

MessagePosté le: Mar Juin 09, 2020 11:54 pm    Sujet du message: Répondre en citant

Santa Dominique
_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Montrer les messages depuis:   
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Capítulo do Repositório Toutes les heures sont au format GMT + 2 Heures
Aller à la page 1, 2, 3, 4, 5  Suivante
Page 1 sur 5

 
Sauter vers:  
Vous ne pouvez pas poster de nouveaux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas éditer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas supprimer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas voter dans les sondages de ce forum


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduction par : phpBB-fr.com