L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church
Forum RP de l'Eglise Aristotelicienne du jeu en ligne RR
Forum RP for the Aristotelic Church of the RK online game
 
Lien fonctionnel : Le DogmeLien fonctionnel : Le Droit Canon
 FAQFAQ   RechercherRechercher   Liste des MembresListe des Membres   Groupes d'utilisateursGroupes d'utilisateurs   S'enregistrerS'enregistrer 
 ProfilProfil   Se connecter pour vérifier ses messages privésSe connecter pour vérifier ses messages privés   ConnexionConnexion 

[RP] Coroação Condal

 
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Capítulo do Repositório
Voir le sujet précédent :: Voir le sujet suivant  
Auteur Message
thegold



Inscrit le: 25 Juil 2009
Messages: 1094
Localisation: [PT] Condado de Porto, Chaves

MessagePosté le: Lun Juil 30, 2012 11:59 am    Sujet du message: [RP] Coroação Condal Répondre en citant

Estava um belo dia de Sol, perfeito para o acontecimento que se ia realizar, e os convidados iam chegando à Catedral, enquanto outros ficavam na rua para aclamar o novo Conde que ia ser coroado.
<cl> estava a ultimar os preparativos para a cerimónia na sacristia quando foi informado de que o novo Conde estava a chegar à Catedral. Dirige-se então para o altar onde aguarda a entrada do novo conde.


--------------------------------

<novo> chega à Catedral onde irá hoje ser coroado Conde.
Depois de descer do coche segue para a Catedral em procissão sendo escoltado por uma pequena guarda de honra e alguns acólitos, enquanto o coro cantava.
Dirigiu-se então ao altar, onde o esperava uma luxuosa cadeira.
Cumprimentou então o <cl> e sentou-se.


------------------------

-Damas e Cavalheiros de <condado>, estamos aqui hoje reunidos, sob o olhar de Jah, para coroar um novo conde para <condado>.
Este é sem dúvida um importante dia para o nosso Condado, pois o Conde não serve simplesmente para ostentar o título, é o Conde com conduz o Condado à prosperidade.


<cl> lê então um episódio da vida de Aristóteles.

Citation:
Num cinzento dia de Inverno, um discípulo, que havia chegado ao fim da sua aprendizagem, veio ao encontro de Aristóteles antes de o deixar.
O discípulo: “Caro mestre, agora que vou ser entregue a mim mesmo, há uma coisa que gostaria de saber.”
Aristóteles: “Escuto-te, augusto discípulo.”
O discípulo: “Formou-me nas artes da lógica e da ciência metafísica, mas nada me disse quanto à moral.”
Aristóteles: “O que dizes é verdade, meu amigo. É com efeito uma lacuna do meu ensino. Que queres saber exactamente? “
O discípulo: “É importante para um homem, creio eu, saber diferenciar o bem do mal, a fim de seguir as regras que o conduzem ao primeiro, e que permitem evitar o segundo.”
Aristóteles: “Certamente.”
O discípulo: “O que me conduz a uma simples pergunta. Mestre, o que é o bem?”
Aristóteles: “É um problema muito complexo e, ao mesmo tempo, de uma simplicidade límpida como o cristal. O bem, no seu princípio, é a perfeição da natureza do objecto, da sua substância."
O discípulo: “Mas porquê, caro mestre?”
Aristóteles: “Porque o bem final reside no divino, indubitavelmente. E para identificar o bem, é suficiente, por conseguinte, unir-se à análise da essência do divino. A substância do todo-poderoso é claramente pura e perfeita, o bem pode ser apenas a perfeição da substância, e, por conseguinte, da natureza de uma coisa. Compreendes? “
O discípulo: “Sim, mestre, compreendo.”
Aristóteles: “Ensinei-te, caro discípulo, que a natureza de uma coisa reside no seu destino, dado que o movimento revela a substância do objecto. Sabes por conseguinte qual é a natureza do homem, não sabes? “
O discípulo: “Certamente mestre. A natureza do homem é viver em colectividade, e esta colectividade toma o nome de povoação.”
Aristóteles: “Exactamente. O bem do homem, ou seja, o tender a realizar a perfeição da sua própria natureza, é por conseguinte uma vida dedicada a assegurar as condições da harmonia na povoação. Ora, o bem da povoação é todo aquele que participa no seu equilíbrio, dado que a natureza da colectividade é perpetuar-se. Assim, por conseguinte, podes constatar o bem do homem conduzindo ao bem da povoação. “
O discípulo: “É notável!”
Aristóteles: “Com efeito. Vê, o homem faz o bem apenas integrando-se plenamente na povoação, participando na organização, e fazendo qualquer seu possível para manter a harmonia.”
O discípulo: “Então, mestre, o homem de bem é por conseguinte o cidadão?”
Aristóteles: “Não foi isso que eu disse, caro discípulo. Um escravo pode ser um homem de bem, se tem consciência da sua própria natureza de homem, e que sabe satisfazer-se da sua condição, porque assim trabalha para a manutenção do equilíbrio da povoação. A organização é apenas a participação nas assembleias. “
O discípulo: “Obrigado mestre, as suas respostas satisfazem-me.”
Aristóteles: “Estou feliz, meu amigo.”
E Aristóteles nunca mais voltou a ver o seu discípulo que, de acordo com a lenda, viveu uma existência exemplar, inspirada pelos princípios da virtude.


-Como podem ver, este texto ensina-nos uma grande lição.
<novo>, tendes noção das responsabilidades que o cargo de Conde traz?


--------------------------

-Sim, tenho.

--------------------------

-<novo>, estais disposto a prestar o juramento de livre vontade?

-------------------------

-Sim, estou.

-------------------------

-Antes de serdes coroado Conde, deveis jurar que fareis tudo o que estiver ao vosso alcance para governar o Condado de <condado>, mantendo a paz interna, defendendo-o dos inimigos, obstar a inquietude, e observar a justiça e a misericórdia.
Deveis jurar que ireis manter a sagrada religião de Aristóteles, religião oficial de Portugal, conservar e defender inviolavelmente a doutrina, a devoção, a disciplina bem como os privilégios canónicos do Clero.

-<novo>, jurais cumprir com este compromisso?


------------------------------

-Eu, <novo>, juro que farei tudo o que estiver ao meu alcance para governar o Condado de <condado>, como seu Conde, mantendo a paz interna, defendendo-o dos inimigos, obstando a inquietude e observando a justiça e a misericórdia.
Juro que irei defender a sagrada religião de Aristóteles, bem como a sua doutrina, a devoção, a disciplina e os privilégios canónicos do Clero.


-------------------------------

-Na presença de Jah, dos representantes da Igreja, da Nobreza e dos súbditos do Condado aqui presentes, que vos admiram com respeito e obediência, irei aspergir sobre vós a Água Benta, que evoca o Sacramento do Baptismo, perdoa as faltas, afasta o Maligno e convida a saúde.

<cl> pega na Caldeirinha com Água Benta e no hissope...

-Que o Senhor te abençoe e te guarde,

...mergulha o hissope na Caldeirinha...

-Que o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e que de ti tenha misericórdia,

...e lança a água sob a cabeça inclinada de <novo> três vezes...

-Que o Senhor sobre ti levante o seu rosto, e te dê a paz.

<cl> pousa o hissope no altar e faz sinal para que o Conde cessante traga as jóias condais.

---------------------------

<conde> aproxima-se de <cl> trazendo as jóias numa almofada de veludo vermelha dispondo-as ao <cl>

(Se o Conde cessante quiser pode dizer algumas palavras agora)

----------------------------

<cl> pega no ceptro elevando-o frente aos presentes na horizontal e, à medida que o vai dando ao novo Conde diz:



-Com este ceptro, símbolo da justiça, concedo-vos o dever de zelar pela justiça no Condado;

<cl> passa o ceptro para a mão direita de <novo> e volta-se para as restante jóias agarrando no anel, que eleva frente aos presentes e, à medida que o vai dando o anel ao novo Conde diz:



-Com este anel, símbolo da palavra de Jah, concedo-vos o dever de defender a Igreja Aristotélica e Romana e de prestar auxilio a espalhar a palavra de Jah;

<cl> coloca o anel na mão esquerda de <novo> e volta-se para a última jóia, agarrando nela e, à medida que vai colocando a coroa de conde na cabeça de <novo> diz:



-Com esta coroa concedo-vos a autoridade para governar em todo o Condado de <condado>, sob o atento olhar de Jah, e com o dever de zelar sempre pelos habitantes do Condado, que em vós depositaram a sua confiança.

<cl> coloca a coroa na cabeça de <novo> e fazendo o sinal da cruz sobre o mesmo diz:

-Assim consagro-vos Conde de <condado>!
Levantai-vos D. <novo>, Conde de <condado>


E virando-se para os presentes <cl> diz:

-Salve o Conde!


Code:
[i]Estava um belo dia de Sol, perfeito para o acontecimento que se ia realizar, e os convidados iam chegando à Catedral, enquanto outros ficavam na rua para aclamar o novo Conde que ia ser coroado.
<cl> estava a ultimar os preparativos para a cerimónia na sacristia quando foi informado de que o novo Conde estava a chegar à Catedral. Dirige-se então para o altar onde aguarda a entrada do novo conde.[/i]

--------------------------------

[i]<novo> chega à Catedral onde irá hoje ser coroado Conde.
Depois de descer do coche segue para a Catedral em procissão sendo escoltado por uma pequena guarda de honra e alguns acólitos, enquanto o coro cantava.
Dirigiu-se então ao altar, onde o esperava uma luxuosa cadeira.
Cumprimentou então o <cl> e sentou-se.[/i]

------------------------

[b]-Damas e Cavalheiros de <condado>, estamos aqui hoje reunidos, sob o olhar de Jah, para coroar um novo conde para <condado>.
Este é sem dúvida um importante dia para o nosso Condado, pois o Conde não serve simplesmente para ostentar o título, é o Conde com conduz o Condado à prosperidade.[/b]

[i]<cl> lê então um episódio da vida de Aristóteles.[/i]

[quote]Num cinzento dia de Inverno, um discípulo, que havia chegado ao fim da sua aprendizagem, veio ao encontro de Aristóteles antes de o deixar.
O discípulo: “Caro mestre, agora que vou ser entregue a mim mesmo, há uma coisa que gostaria de saber.”
Aristóteles: “Escuto-te, augusto discípulo.”
O discípulo: “Formou-me nas artes da lógica e da ciência metafísica, mas nada me disse quanto à moral.”
Aristóteles: “O que dizes é verdade, meu amigo. É com efeito uma lacuna do meu ensino. Que queres saber exactamente? “
O discípulo: “É importante para um homem, creio eu, saber diferenciar o bem do mal, a fim de seguir as regras que o conduzem ao primeiro, e que permitem evitar o segundo.”
Aristóteles: “Certamente.”
O discípulo: “O que me conduz a uma simples pergunta. Mestre, o que é o bem?”
Aristóteles: “É um problema muito complexo e, ao mesmo tempo, de uma simplicidade límpida como o cristal. O bem, no seu princípio, é a perfeição da natureza do objecto, da sua substância."
O discípulo: “Mas porquê, caro mestre?”
Aristóteles: “Porque o bem final reside no divino, indubitavelmente. E para identificar o bem, é suficiente, por conseguinte, unir-se à análise da essência do divino. A substância do todo-poderoso é claramente pura e perfeita, o bem pode ser apenas a perfeição da substância, e, por conseguinte, da natureza de uma coisa. Compreendes? “
O discípulo: “Sim, mestre, compreendo.”
Aristóteles: “Ensinei-te, caro discípulo, que a natureza de uma coisa reside no seu destino, dado que o movimento revela a substância do objecto. Sabes por conseguinte qual é a natureza do homem, não sabes? “
O discípulo: “Certamente mestre. A natureza do homem é viver em colectividade, e esta colectividade toma o nome de povoação.”
Aristóteles: “Exactamente. O bem do homem, ou seja, o tender a realizar a perfeição da sua própria natureza, é por conseguinte uma vida dedicada a assegurar as condições da harmonia na povoação. Ora, o bem da povoação é todo aquele que participa no seu equilíbrio, dado que a natureza da colectividade é perpetuar-se. Assim, por conseguinte, podes constatar o bem do homem conduzindo ao bem da povoação. “
O discípulo: “É notável!”
Aristóteles: “Com efeito. Vê, o homem faz o bem apenas integrando-se plenamente na povoação, participando na organização, e fazendo qualquer seu possível para manter a harmonia.”
O discípulo: “Então, mestre, o homem de bem é por conseguinte o cidadão?”
Aristóteles: “Não foi isso que eu disse, caro discípulo. Um escravo pode ser um homem de bem, se tem consciência da sua própria natureza de homem, e que sabe satisfazer-se da sua condição, porque assim trabalha para a manutenção do equilíbrio da povoação. A organização é apenas a participação nas assembleias. “
O discípulo: “Obrigado mestre, as suas respostas satisfazem-me.”
Aristóteles: “Estou feliz, meu amigo.”
E Aristóteles nunca mais voltou a ver o seu discípulo que, de acordo com a lenda, viveu uma existência exemplar, inspirada pelos princípios da virtude.[/quote]

[b]-Como podem ver, este texto ensina-nos uma grande lição.
<novo>, tendes noção das responsabilidades que o cargo de Conde traz?[/b]

--------------------------

[b]-Sim, tenho.[/b]

--------------------------

[b]-<novo>, estais disposto a prestar o juramento de livre vontade?[/b]

-------------------------

[b]-Sim, estou.[/b]

-------------------------

[b]-Antes de serdes coroado Conde, deveis jurar que fareis tudo o que estiver ao vosso alcance para governar o Condado de <condado>, mantendo a paz interna, defendendo-o dos inimigos, obstar a inquietude, e observar a justiça e a misericórdia.
Deveis jurar que ireis manter a sagrada religião de Aristóteles, religião oficial de Portugal, conservar e defender inviolavelmente a doutrina, a devoção, a disciplina bem como os privilégios canónicos do Clero.

-<novo>, jurais cumprir com este compromisso?[/b]

------------------------------

[b]-Eu, <novo>, juro que farei tudo o que estiver ao meu alcance para governar o Condado de <condado>, como seu Conde, mantendo a paz interna, defendendo-o dos inimigos, obstando a inquietude e observando a justiça e a misericórdia.
Juro que irei defender a sagrada religião de Aristóteles, bem como a sua doutrina, a devoção, a disciplina e os privilégios canónicos do Clero.[/b]

-------------------------------

[b]-Na presença de Jah, dos representantes da Igreja, da Nobreza e dos súbditos do Condado aqui presentes, que vos admiram com respeito e obediência, irei aspergir sobre vós a Água Benta, que evoca o Sacramento do Baptismo, perdoa as faltas, afasta o Maligno e convida a saúde.[/b]

[i]<cl> pega na Caldeirinha com Água Benta e no hissope...[/i]

[b]-Que o Senhor te abençoe e te guarde,[/b]

[i]...mergulha o hissope na Caldeirinha...[/i]

[b]-Que o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e que de ti tenha misericórdia,[/b]

[i]...e lança a água sob a cabeça inclinada de <novo> três vezes...[/i]

[b]-Que o Senhor sobre ti levante o seu rosto, e te dê a paz.[/b]

[i]<cl> pousa o hissope no altar e faz sinal para que o Conde cessante traga as jóias condais.[/i]

---------------------------

[i]<conde> aproxima-se de <cl> trazendo as jóias numa almofada de veludo vermelha dispondo-as ao <cl>[/i]

(Se o Conde cessante quiser pode dizer algumas palavras agora)

----------------------------

[i]<cl> pega no ceptro elevando-o frente aos presentes na horizontal e, à medida que o vai dando ao novo Conde diz:[/i]

[img]http://i1223.photobucket.com/albums/dd511/anacatmendes/cetroconde-1.png[/img]

[b]-Com este ceptro, símbolo da justiça, concedo-vos o dever de zelar pela justiça no Condado;[/b]

[i]<cl> passa o ceptro para a mão direita de <novo> e volta-se para as restante jóias agarrando no anel, que eleva frente aos presentes e, à medida que o vai dando o anel ao novo Conde diz:[/i]

[img]http://i218.photobucket.com/albums/cc248/bfrb/anelconde.png[/img]

[b]-Com este anel, símbolo da palavra de Jah, concedo-vos o dever de defender a Igreja Aristotélica e Romana e de prestar auxilio a espalhar a palavra de Jah;[/b]

[i]<cl> coloca o anel na mão esquerda de <novo> e volta-se para a última jóia, agarrando nela e, à medida que vai colocando a coroa de conde na cabeça de <novo> diz:[/i]

[img]http://i1072.photobucket.com/albums/w379/Joaquimaraujo/SimbolosNobres/CoroasNobres/CondeAbertaAraj.png[/img]

[b]-Com esta coroa concedo-vos a autoridade para governar em todo o Condado de <condado>, sob o atento olhar de Jah, e com o dever de zelar sempre pelos habitantes do Condado, que em vós depositaram a sua confiança.[/b]

[i]<cl> coloca a coroa na cabeça de <novo> e fazendo o sinal da cruz sobre o mesmo diz:[/i]

[b]-Assim consagro-vos Conde de <condado>!
Levantai-vos D. <novo>, Conde de <condado>[/b]

[i]E virando-se para os presentes <cl> diz:[/i]

[b]-Salve o Conde![/b]

_________________
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Montrer les messages depuis:   
Poster un nouveau sujet   Ce sujet est verrouillé; vous ne pouvez pas éditer les messages ou faire de réponses.    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> Igreja de Portugal - L'Église de Portugal - Church of the Kingdom of Portugal -> Capítulo do Repositório Toutes les heures sont au format GMT + 2 Heures
Page 1 sur 1

 
Sauter vers:  
Vous ne pouvez pas poster de nouveaux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas éditer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas supprimer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas voter dans les sondages de ce forum


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduction par : phpBB-fr.com