L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church
Forum RP de l'Eglise Aristotelicienne du jeu en ligne RR
Forum RP for the Aristotelic Church of the RK online game
 
Lien fonctionnel : Le DogmeLien fonctionnel : Le Droit Canon
 FAQFAQ   RechercherRechercher   Liste des MembresListe des Membres   Groupes d'utilisateursGroupes d'utilisateurs   S'enregistrerS'enregistrer 
 ProfilProfil   Se connecter pour vérifier ses messages privésSe connecter pour vérifier ses messages privés   ConnexionConnexion 

[PT] Hagiography - St. Benedict - Patron of the Clerics

 
Poster un nouveau sujet   Répondre au sujet    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> La Bibliothèque Romaine - The Roman Library - Die Römische Bibliothek - La Biblioteca Romana -> Office des bibliothécaires - Office of the Librarian
Voir le sujet précédent :: Voir le sujet suivant  
Auteur Message
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2073
Localisation: Leiria/Condado de Coimbra

MessagePosté le: Sam Nov 07, 2020 4:51 am    Sujet du message: [PT] Hagiography - St. Benedict - Patron of the Clerics Répondre en citant



Citation:



    Os Santos Antigos
    Hagiografia de São Benedito, Patrono dos Clérigos e do Monasticismo




    I - Introdução:

    Bento de Pisa Iaolo, Ben para os amigos ou São Bento para os aristotélicos, fundador da extinta Ordem Beneditina e, sobretudo, inspirador de crescimento monástico. Ele é considerado o Santo Padroeiro das ordens religiosas aristotélicas e do monasticismo, inspirado na Tábua de Oane, editor das Regras de São Bento (mãe de todas as outras cartas aristotélicas internas) e dos 12 preceitos que também levam seu nome, destinados a civilizar um pouco a vida da cidade.

    II - Infância:

    O pequeno Bento nasceu por volta do ano 480, em uma família de nobres romanos. Preso a uma crise existencial e rejeitando o estilo de vida degenerado do seu meio, ele se interessou pelo estudo da lógica de Aristóteles e do misticismo de Christos.

    Naquela época, uma grande parte da população rural dos Reinos Ocidentais era vítima das piores heterodoxias. O pequeno Ben conheceu um homem velho, um ermitão, em um mercado. Bento lhe perguntou por que ele vivia assim, diferente dos outros, marginal entre os marginalizados. O velho lhe respondeu com a resposta de Christos: "Discípulos! Viva para os outros em vez de esperar que outros vivam para você. Cabe à cidade acolher os marginalizados, não aos marginalizados ajudar a cidade."

    O eremita lhe ensinou que a moralidade que se abre a Deus deve ser transmitida aos homens unidos na mesma cidade. Para guiá-los, a razão é necessária. Isto vem através da educação, seguindo os homens e mulheres sábios e maduros que avançaram no caminho para a Verdade. Desta forma, a moralidade que se abre a Deus e dá a paz pode emergir. Eles começaram a falar, a discutir. Sua troca de idéias durou três dias e três noites, mas eles não se importaram, continuaram assim e acabaram adormecendo...

    Quando ele acordou, Bento estava sozinho, o ermitão tinha desaparecido. Sua voz ainda ecoava nele em uma frase que permaneceu gravada nele até as últimas gotas de sua vida: "Uma causa final é a inteligência pura, uma divindade. Se voltarmos na ordem de causas e efeitos, encontramos apenas uma causa final. Então Deus é único... Há apenas um Deus, este motor imóvel do mundo, esta vontade perfeita que é a fonte de toda substância, de todo movimento. Deus é a finalidade cósmica do universo". Bento caiu de joelhos, tomado pela intensidade da revelação que estava surgindo nele. Bento rejeitou os falsos deuses dos mundos escuros, ao ser iluminado pela luz da Revelação.





    III - Vocação:

    Bento pediu permissão a seus pais para sair. Diante de sua determinação, seu pai não pode fazer outra coisa senão curvar-se a sua decisão. Ele, portanto, deu-lhe uma bolsa cheia e Bento partiu. Ele frequentou as escolas aristotélicas e participava dos jogos de reflexão. Ele leu todos os livros que lhe foram confiados por seus professores que tentaram convencê-lo a seguir a via da Igreja. Bento, entretanto, não se sentia preparado.

    Ele descobriu com emoção a Razão, os logotipos, mas também a Cidade e o espírito da Cidade. Aos 21 anos, ele partiu novamente e chegou à Gália, uma terra ainda selvagem em grande parte de seu território. Ele queria ficar sozinho diante da criação, tornar-se sábio por meio da observação da grande obra divina.

    Ele construiu um refúgio em uma montanha cercada por florestas. Ele aprendeu a viver longe dos homens e começou a meditar sobre os ensinamentos que tinha recebido, aprendendo com os animais e consigo mesmo, confrontado com o fato de estar em um ambiente estrangeiro. Sua alimentação consistia em peixes que ele pescava em um lago com água pura e alguns vegetais e frutas silvestres que ele colhia. Sua inteligência e carisma, desenvolvidos graças a sua alimentação saudável, alcançaram um alto nível. Os animais selvagens o deixam passar entre eles, o mais fraco sem se assustar, o mais forte sem atacar. Seu corpo parecia totalmente em harmonia com a natureza, mas seu coração de animal social muitas vezes sentia solidão à noite no canto do fogo.

    Sua inteligência tornou-se aguda e seu pensamento tornou-se totalmente aristotélico juntamente com sua alma. A razão estava nele. Em 9 anos, ele descobriu a ausência dos homens, refletida em seus vícios e defeitos, meditou sobre sua beleza e virtudes. Ele teve então uma profunda experiência de Moralidade que só por si poderia levá-lo a permanecer como um homem, de acordo com a Razão. Ele teve a experiência íntima do vínculo entre Homem, Razão e Moralidade. "Trata-se de proporções e ritmos harmoniosos." Ele então compreendeu o ensinamento de Christos: "A fé traz a verdade". Mas para entendê-lo, devemos usar a razão. "Ele tomou consciência da beleza do mundo, da beleza do Homem, sua alma, desprovida de todos os artefatos, percebeu que a beleza sensata é uma imagem da Beleza eterna que a alma sempre contemplou. Seu conhecimento da moral, da razão e das virtudes havia se desenvolvido muito, mas muito teoricamente, e Bento sentia cada vez mais a necessidade de colocá-lo em prática.

    Uma noite ele teve um sonho estranho: uma roda estava girando num céu púrpura, e nas barras estavam sentados demônios com chicotes que eles batiam nas costas dos bois. Seus olhos estavam velados, em cada véu estava o nome de um vício: luxúria, cobiça, orgulho... A roda foi movida pelo avanço destes bois ligados a ela. Esses bois andavam e andavam e andavam, girando em círculos em um movimento que fazia a roda girar. Em cada boi era marcado um nome, um deles levava o nome de Bento. Cada um deles era solitário, não vendo nada além deste céu púrpura através de seu véu. Então ele sabia: "O sábio deve participar da vida da cidade onde ele deveria levar os frutos de sua sapiência". Assim que acordou, Bento se partiu. Ele preparou seus parcos bens e partiu para as cidades dos homens.





    IV - Mundo:

    Bento foi às praças públicas e aos mercados e começou a pregar. Ele estabeleceu relações com mulheres, homens e crianças e lhes ensinou sobre as virtudes, a natureza e a beleza profunda do homem. Sua mensagem era simples, era a mensagem de Christos: "Se para você a vida não tem sentido, então ame a vida mais do que o sentido da vida. Não espere até morrer para entender que a vida está passando por você. Lembre-se: Nós não nascemos apenas para morrer, nascemos para viver." Ele também disse que o ser divino é Todo-Poderoso e que a essência das coisas está nas próprias coisas e em suas formas. O lugar ideal onde o homem educado pode alcançar a felicidade é a cidade.

    Ele foi ridicularizado e alguns até atiraram pedras nele. A milícia o parou várias vezes, o espancou e o levou até os portões da cidade. No entanto, ele continuou com seu trabalho. Pessoas de todas as idades o seguiam de aldeia em aldeia, de cidade em cidade. Bento descobriu então as dificuldades do ensino. Os homens e mulheres que o seguiram escutaram sua palavra, alguns deles fazendo o trabalho necessário para que todos vivessem. Para fazer as pessoas entenderem que as coisas são cópias de ideias, que é sempre necessário trabalhar nas coisas para que a ideia seja mais puramente expressa. Ele viu que, graças ao esforço e ao trabalho de todos, seu ensino estava dando frutos. Ele se impôs a todos eles. Alguns se afastaram dele, o deixaram. O resto do grupo se tornou uma comunidade nômade. Os mais esclarecidos também começaram a pregar.

    Os passos da Comunidade os levaram à Borgonha, uma terra bárbara e pagã que gradualmente se abriu para a civilização aristotélica. As aldeias as receberam com respeito, um vínculo intangível foi tecido. As multidões se aglomeravam quando ele chegava, eles o ouviam com amor e compreensão. Diante do afluxo de borgonheses que seguiram seus ensinamentos, a Princesa Clotilde, futura esposa de Clovis, Rei dos Francos, o fez vir ao palácio dos reis borgonheses.

    Bento e Clotilde sentiram um amor intenso um pelo outro. No entanto, não sucumbiram a ele. Bento foi capaz de fazê-los seguir os caminhos de sua pregação, Clotilde, por sua vez, conseguiu convencer seu pai a ouvir a doutrina. Ela colocou seus padres a prova ante a Assembleia dos Nobres borgonheses. Durante uma semana eles debateram e Bento confrontou e libertou um a um dos seus valores pagãos. A assembleia aristocrática estava agitada, os padres os ajudaram a ter poder sobre os homens. Bento então compreendeu o ditado de Christos e o pronunciou em voz alta e forte, para que todos ouvissem: "Só existe nobreza na alma, e é no seu coração que você deve ser nobre. Mas saiba que, mesmo assim, você estará vulnerável, porque a nobreza costuma ser prejudicada pela mesquinhez".

    Os nobres borgonheses compreenderam sua mensagem, aplaudiram-no então, expulsaram a falsa religião e exigiram que seu rei o ouvisse face a face. Durante três dias, o Rei e Bento conversaram e Bento conquistou o coração e a mente daquele homem indomável. Ele se converteu ao aristotelismo e todos os borgonheses que seguiam seu rei, felizes por terem compreendido a mensagem do homem santo. O Rei aprendeu com ele que só a honra pode evitar a mesquinhez. E assim Bento aprendeu o valor do poder dos homens sobre os homens, daqueles líderes respeitados que conduzem seu povo ao futuro. Ele sabia que também é para eles que é necessário recorrer para que a razão esteja entre todos os homens. Bento então disse sobre este assunto em uma carta a um amigo: "A vida da cidade só pode prosseguir na ordem estabelecida. A única graça, da qual o soberano tira sua legitimidade, deriva de uma ordem estabelecida pelo Divino. Desafiar a ordem estabelecida leva-nos a afundar na tentação do caos e da criatura sem nome. Mas tenha cuidado com o soberano que esquece nossa autoridade canônica e se afasta de nossos ensinamentos dogmáticos."





    V - Tábuas e Leis:

    O rei concedeu a Benedito um pedaço de terra em Cluny para que ele pudesse estabelecer sua comunidade. A comunidade floresceu. Os edifícios foram construídos, os monges se reuniram em um lugar onde todos puderam encontrar sabedoria. Na fundação deste primeiro mosteiro, ele estabeleceu uma vida fortemente exemplar: nenhum monge tentou novamente deixar o caminho da vida santa virando-se para a direita ou para a esquerda, como haviam feito em ocasiões anteriores. Com tanta raiva contida, os irmãos perderam a cabeça. Eles procuraram uma maneira de matá-lo. Através de suas orações e bênçãos, Bento descobriu as intrigas maquiavélicas e tentou expor os ataques do inimigo. Bento levantou, portanto, a questão das regras morais ideais para organizar a cidade e a comunidade monástica.

    Seguindo o conselho de Christos: "Se eles se recusarem a recebê-lo e ouvir suas palavras, saia desta casa ou desta cidade sacudindo a poeira de seus pés", Bento deixou o mosteiro e se instalou no cume do Monte Cassino, o antigo lugar de tradição heterodoxa. Assim que ele chegou, o homem de Deus destruiu o ídolo e derrubou o altar. A criatura sem nome entrou em alvoroço e usou todo tipo de artifícios para dificultar a construção do mosteiro... No pior momento, Deus lhe deu um impulso em seu empreendimento e São Bento teve um sonho estranho:

      "... No centro de um oásis estava uma coluna sobre a qual repousava a Tábua de Oane, a famosa Tábua contendo os mandamentos de Deus. Esta pedra havia sido esculpida pelos dedos do Criador e confiada à primeira comunidade para que nunca esquecesse que além do Amor, também estávamos vinculados à lei da Criação. Esta pedra, que deveria ter desaparecido com a cidade, estava lá, intacta. Em sua viagem de sonho, ele viu um homem convidando-o a se aproximar, parecia velho e tinha barba.... Ele se parecia com os antigos retratos de Aristóteles, mas poderia ter sido Christos ou mesmo Oane. O homem pegou areia, mas talvez fosse sal... Uma mulher carregando um jarro se aproximou dele e o homem derramou a areia dentro do jarro. A mulher então caminhou até a coluna e derramou o conteúdo do jarro sobre a pedra... não era areia, sal, ou qualquer coisa que ele soubesse... Parecia que um arco-íris estava caindo sobre a pedra e ela começou a brilhar. A tábua brilhava mas ofuscar a visão, e as palavras, embora escritas em uma língua que o homem não conseguia mais ler, lhe pareciam familiares. Bento falou longamente com o casal, eles disseram que representavam tanto o que era quanto o que ainda seria, explicaram-lhe que a tábua havia sido preservada, embora afastada da vista dos homens porque ainda não estavam prontos para observá-la, mas que ele, Bento de Pisa Yaolo, talvez pudesse traduzir um texto que Aristóteles havia trazido de volta depois de ter descoberto e decifrado a pedra. Mostraram-lhe onde este texto tinha sido escondido e esquecido."


    E quando acordou pela manhã, ele sabia para onde ir... um lugar muito próximo: uma cripta mortuária numa caverna bem escondida na base do Monte Cassino. Bento encontrou ali, como seu sonho lhe havia mostrado, uma caixa de couro selada contendo vários rolos de pergaminhos antigos em mau estado. Aristóteles os tinha escrito no estilo Greco-Alexandrino de seu tempo e a tradução era longa e trabalhosa. Com base no conhecimento que a Lei Divina lhe havia dado, através da Tábua de Oane, Bento escreveu, em seu Scriptorum, 12 preceitos a fim de orientar a moralidade amenizada da cidade e estabelecer a famosa regra monástica que doravante teria seu nome. Bento desenvolveu sua mensagem de ordem e paz, único garante de uma comunidade de homens e mulheres inclinados à verdade e à educação na verdade.

    Esta experiência transformou sua vida e lhe deu a inspiração para continuar seu trabalho. O novo edifício que ele estava criando tornou-se mais uma reconstrução do que uma construção. Homens silenciosos apareciam no campo ou na floresta, cavando, desbravando, construindo. Outros homens silenciosos que não podiam ser vistos sentaram-se no claustro congelado, cansando seus olhos e afiando suas mentes dolorosamente ocupados, copiando e recopiando os manuscritos que haviam salvo. Ninguém discutia ou desprezava, ninguém chamava a atenção para o que estava fazendo, mas pouco a pouco o bosque pantanoso se tornava um eremitério, uma casa religiosa, uma fazenda, uma abadia, um seminário, uma escola, uma cidade. Estradas e pontes o colocaram em contato com outras abadias e outras cidades que tinham crescido da mesma forma.

    Foi assim que foi fundada a comunidade beneditina. O trabalho é o eixo que permite o desenvolvimento da razão para a satisfação de todos. A videira é a essência do trabalho manual, porque, como disse Bento: "é o sangue da terra, um presente de nosso senhor para a humanidade. Por este sangue, façamos com que a casa dos homens rendam frutos para a grandeza de Deus." Cada um tinha seu lugar, mesmo que pudesse mudá-lo. A busca da beleza estava em ação porque a beleza sensível é uma imagem da beleza eterna que a alma já contemplou. Eles estavam tentando descobrir as proporções, medidas e ritmos harmoniosos que permitem sua manifestação. Benedito seguiu os princípios de Aristóteles: "A essência das coisas está nas próprias coisas e as dá forma." Bento não esqueceu a educação dos homens: padres em cada aldeia, bispos para conduzi-los, alguns monges itinerantes para apoiá-los constantemente e compartilhar com eles a sabedoria. Para aqueles que protegiam a comunidade, a carne era reservada para que pudessem ficar fortes. Aqueles que pregavam aos borgonheses receberam, com prioridade, frutas e verduras para que seu carisma se desenvolvesse da melhor forma possível; os peixes foram reservados para aqueles que permaneceram na abadia, trabalhando nas causas primárias e, sendo assim, sua inteligência se tornava mais e mais viva porque, como disse Aristóteles: "Como o bem final reside no divino, sem dúvida e para identificar o bem, basta ater-se à análise da essência do divino. A substância do Todo-Poderoso é inteligência pura e perfeita, de modo que o bem pode ser apenas a perfeição da substância e, portanto, da natureza das coisas."

    Um abade para liderar a comunidade, um conselho para apoiá-lo e assistir os monges em pequenos grupos, cada um encontrando um guia que está sempre presente. A Borgonha tornou-se uma grande terra da religião aristotélica.

    Os 12 preceitos de São Bento:

    1. A um só Deus tú adorarás e amarás perfeitamente.
    2. Respeitarás o Seu Santo Nome, evitarás a blasfêmia e os falsos juramentos.
    3. Guardarás o dia do Senhor, servindo a Deus com devoção.
    4. Honrarás o teu pai e a tua mãe, bem como os teus superiores hierárquicos.
    5. Evitarás o homicídio e o escândalo, o ódio e a ira.
    6. Observarás cuidadosamente a pureza nos seus atos.
    7. Não te apropriarás dos bens de outros, nem os reterá injustamente.
    8. Banirás a calúnia, bem como as mentiras.
    9. Velarás pela pureza nos teus pensamentos e nos teus desejos.
    10. Não cobiçarás as coisas dos outros.
    11. A Fé e a Razão irão guiá-lo simultaneamente.
    12. Apenas Aristóteles e Cristos adorareis, evitando falsos profetas.







_________________

It's just a Game!
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2073
Localisation: Leiria/Condado de Coimbra

MessagePosté le: Sam Nov 07, 2020 4:51 am    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Anexo da Hagiografia de São Bento - Regras de São Bento

    Mãe de todas as outras Cartas Internas Aristotélicas






    I - PRÓLOGO

    Ouça, meu filho, o ensinamento do Mestre, abra os ouvidos do seu coração! Aceite de boa vontade os conselhos de um pai que o ama e faça realmente o que ele lhe disser. Com trabalho e obediência você chegará à Deus. De fato, se você se recusar a obedecer porque lhe falta coragem, ficará longe dele. Agora é sua vez e a de todo homem que abandona sua vontade egoísta de assumir as fortes e belas armas da obediência para lutar sob as ordens de Christos, o verdadeiro Rei, nosso Messias.

    Antes de tudo, quando você começa a fazer algo de bom, deve rezar fervorosamente a Aristóteles do início ao fim. Ele foi gentil o suficiente para fazer de nós seus filhos, por isso não devemos ofendê-lo por nosso mau comportamento. Sim, os dons que ele nos deu devem estar sempre ser usados para obedecê-lo. Caso contrário, ele será como um pai irado que castiga seus filhos e os priva sua herança.

    E mesmo que nos recusemos a segui-lo até a glória, ele será um terrível Professor que ficará furioso com nossos pecados. E ele nos condenará ao castigo eterno no lugar mais perverso.

    II - O SUPERIOR

    O Superior, que é digno de estar à frente de uma comunidade, deve sempre lembrar o nome que lhe damos. Você deve mostrar por suas ações que merece ser chamado de "superior". Por isso deve nos ensinar algo, estabelecer pouco e não ordenar nada fora do ambiente dos mandamentos de Deus. Mas suas ordens e seus ensinamentos agirão como uma semente para espalhar a justiça de Deus no coração de seus discípulos. O Superior deve sempre lembrar-se disto: no dia terrível em que Deus julgará os homens, ele examinará estas duas coisas: seu ensinamento e a obediência de seus discípulos. O Superior deve sempre lembrar-se disto: no dia terrível em que Deus julgará os homens, ele examinará estas duas coisas: seu ensinamento e a obediência de seus discípulos. O Superior deve saber disto: se, entre suas ovelhas, o pai da família encontrar uma em mau estado, é o pastor que assumirá a responsabilidade.

    Pelo contrário, se o pastor vê que as ovelhas estão inquietas e não obedecem, e ele esgota suas energias fazendo todo o possível para curá-las de suas más ações e no Dia do Julgamento, Aristóteles o declarará inocente.

    É por isso que, quando alguém é chamado de Superior, ele deve conduzir seus discípulos ensinando-os de duas maneiras: tudo o que é bom e santo ele demonstrará por suas palavras, e ainda mais, por seu exemplo. Para os discípulos que têm um coração dócil, suas palavras representarão os mandamentos de Deus. Mas para aqueles de coração duro e para aqueles que entendem menos facilmente, será por seu exemplo que eles mostrarão os desígnios de Deus. E quando o superior explica a seus discípulos o que está errado, será por seu exemplo que ele mostrará que algo não deve ser feito. Caso contrário, se ele não ensinar os outros, será condenado. E se ele cometer pecados, um dia Deus lhe dirá: "Você recita meus mandamentos, mas por quê? Você fala mais da minha aliança: para que? Você detesta todas as regras. Você joga minhas palavras no chão!". E também: "Você nota a palha no olho do seu irmão, mas não nota a viga no seu". O Superior come todas as suas refeições com convidados e estranhos. Mas quando há menos convidados, ele pode convidar para sua mesa tantos irmãos quantos quiser. Entretanto, ele sempre deixará um ou dois anciãos com os irmãos para manter a boa ordem.

    O SUPERIOR AMA TODOS OS IRMÃOS SEM FAZER DISTINÇÃO

    No mosteiro, o Superior não fará nenhuma distinção entre os monges. Ele não amará mais um irmão do que outro, a menos que encontre um que aja melhor ou obedeça melhor do que os outros. Ele não colocará o homem livre diante daquele que era escravo, a não ser por uma boa razão. Mas se, por uma razão justa, o Superior achar necessário agir desta maneira, ele o fará independentemente posição dos irmãos na comunidade. Além deste caso, cada um manterá seu posto na entrada do mosteiro. De fato, escravo ou homem livre, ambos são um em Christos e todos nós temos a responsabilidade de servir o único Deus. Não, Deus não faz diferença entre os homens. A única coisa que lhe importa é ser melhor que os outros através de nossas boas ações, e ser humilde. É por isso que o Superior amará todos os irmãos com igual amor. Ele aplicará as mesmas regras a todos, mas de acordo com os méritos de cada um. Obedeça às ordens do Superior em tudo, mesmo que ele se comporte de maneira diferente, esperemos que não! -. Neste caso, lembre-se do comando de Christos: "Faça o que eles dizem e não faça o que eles fazem!" O Superior cuidará muito bem dos irmãos que cometeram erros. Na verdade, "não são aqueles que são saudáveis que precisam do médico, mas os doentes."

    O SUPERIOR AGIRÁ COMO O BOM PASTOR

    O Superior deve fazer tudo o que for necessário e muito rapidamente, para não perder uma única ovelha do rebanho que Deus lhe confiou. Para fazer isso, ele fará uso de sua inteligência e toda sua capacidade. De fato, ele sabe disso: foi-lhe dada a tarefa de liderar pessoas doentes e não de colocar uma carga exagerada de poder sobre pessoas saudáveis. Ele terá medo da ameaça que Deus fez através da boca do profeta Aristóteles: "Ele cuidou das ovelhas que você pensava estarem bem alimentadas. No entanto, você pôde ver as fraquezas delas." O Superior imitará a a ternura do bom pastor que abandona suas 99 ovelhas nas montanhas para ir em busca de uma única ovelha perdida.
    Ele sente tanta pena da fraqueza desta ovelha que a coloca em seus ombros sagrados e a devolve ao rebanho.

    III - BENS E OBJETOS DA ABADIA

    Para cuidar dos bens do mosteiro (ferramentas, roupas e todos os outros objetos), o Superior escolhe os irmãos em quem confia. É sua boa conduta e sua forma de fazer as coisas que guiam sua escolha. O Superior lhes dá a responsabilidade por esses vários objetos como ele julgar conveniente. Depois os irmãos cuidam deles e os organizam. O Superior terá uma lista dessas coisas. Assim, quando os irmãos se sucedem em um serviço, o Superior sabe o que está dando e o que está recebendo. Se alguém tratar os objetos do mosteiro de forma imprópria ou com negligência, ele será censurado. Se este irmão não se corrigir, ele será punido de acordo com a Carta Caritatis.

    IV - AS DOENÇAS

    SERVIR AOS DOENTES É SERVIR A DEUS

    Acima de tudo, devemos cuidar de nossos irmãos doentes. Nós os serviremos como o próprio Christos, porque ele disse: "Eu estive doente e você veio me visitar". E: "O que você fizer com um desses pequeninos é o que você fará comigo."

    COMO CUIDAR DOS DOENTES

    Os doentes terão uma moradia separada para seu uso exclusivo. Para servi-los, colocaremos um irmão que respeita a Deus, que é muito dedicado e cuidadoso. Sempre que necessário, ofereceremos aos doentes a possibilidade de tomar um banho. Mas permitiremos isto em menos ocasiões para aqueles que estão em boa saúde e especialmente para os jovens. Além disso, permitiremos que os irmãos que são muito fracos comam carne para reabastecer suas forças. Mas, quando estiverem melhores, todos eles serão privados de carne, como de costume. O Superior terá muito cuidado para que os cuidadores e os enfermeiros não sejam negligentes para com os doentes. Na verdade, é o Superior que é responsável por todas as falhas de seus discípulos.

    V - O TRABALHO MANUAL

    A preguiça é a inimiga da alma. Portanto, em certos momentos, os irmãos devem estar ocupados trabalhando com suas mãos. Em outros momentos, eles devem se dedicar à leitura da Palavra de Deus. É por isso que acreditamos que estas duas tarefas devem ser organizadas da seguinte forma: De Páscoa até 1.º de outubro, ao sair do ofício da Prima, os irmãos farão o trabalho necessário até, aproximadamente, 10 horas. A partir das 10 horas, até o ofício de Sexta, eles farão a sua leitura. Após a sexta hora, eles se levantarão da mesa e descansarão em completo silêncio em suas camas. Então, quando um irmão quiser ler algo em particular, ele o fará em silêncio, sem incomodar os outros. Chamamos de Nona o período anterior as 2h30 da manhã.

    Então os irmãos começam a trabalhar novamente até as Vésperas. Quando eles mesmos tiverem que trazer a colheita, porque é necessário onde eles estão, ou porque são pobres, não ficarão tristes. Quando eles viverem a experiência de trabalhar com suas mãos, como nossos pais, então eles serão verdadeiramente monges. No entanto, o faremos com moderação, por causa daqueles que são fracos. A partir de 1 de outubro até o início da Quaresma, pela manhã, os irmãos farão sua leitura até cerca das 8 horas. Então, por volta das 8 horas, é chamado de Terceira. Em seguida, eles fazem o trabalho que lhes foi ordenado fazer até cerca das 15 horas. Ao primeiro sinal da Nona, todos os irmãos deixarão seu trabalho para estarem prontos para o segundo sinal.

    Após a refeição, eles lerão novamente ou estudarão os salmos. Durante a Quaresma, eles farão sua leitura desde a manhã até as 9 horas da manhã. Em seguida, eles farão o trabalho que lhes for ordenado até as 16 horas. Durante este tempo de Quaresma, cada irmão receberá um livro da biblioteca. Eles os lerão depois e em sua totalidade. Estes livros serão distribuídos no início da Quaresma. Antes de tudo, serão nomeados um ou dois anciãos que circularão no mosteiro no momento em que os irmãos fizeram sua leitura. Eles ficarão de olho neles: pode haverá alguém que não tenha gosto por nada. Eles passarão seu tempo sem fazer nada ou conversar em vez de se aplicar à leitura. Este irmão está se prejudicando e, além disso, também distrairá os outros.

    Quando você encontrar um monge assim - esperemos que não! -, ele será censurado uma, duas vezes. Se ele não se corrigir, será punido de acordo com a Carta para que outros o temam. Um irmão não estará com outro irmão quando não for a hora certa. Aos domingos, todos os irmãos estarão ocupados lendo, exceto aqueles que são responsáveis por vários serviços. Se um irmão descuidado ou preguiçoso não quiser ou não puder meditar ou ler, ele deverá receber ordens para fazer algum trabalho para que não fique ocioso. Quanto aos irmãos que estão doentes ou com saúde frágil, lhe daremos uma ocupação ou ofício que eles possam realizar. Desta forma, eles não permanecerão desocupados e também não serão maltratados por excesso de trabalho árduo. O Superior deve levar em conta suas fraquezas.

    VI - CAMINHO PARA O NOVICIADO:

    UMA ENTRADA DIFÍCIL

    Quando alguém chegar com a intenção de seguir uma vida religiosa, não o deixemos entrar facilmente. Sigamos o conselho de São Bento: "Procure saber se o espírito que ele têm vem de Deus." No entanto, às vezes quem chega continua batendo à porta. Após quatro ou cinco dias, vemos que ele suporta pacientemente a má recepção e as dificuldades que lhe são impostas. E ele continua pedindo para entrar no mosteiro. Então, permitiremos a sua entrada e a sua permanência na casa de hóspedes por alguns dias.

    O RECÉM-CHEGADO REALMENTE PROCURA POR DEUS?

    Depois, ele irá para a Cripta dos Noviços, onde eles meditam, comem e dormem por 15 dias. Eles serão confiados ao Mestre dos Noviços, que é capaz de conduzi-los a Deus. Este irmão cuidará deles com muito cuidado. Ele observa atentamente o recém-chegado. Ele está realmente procurando por Deus? Ele se aplica ardentemente ao Serviço de Deus, à obediência, às provações que o tornam um humilde? Falaremos com ele antes de todas as coisas duras e dolorosas pelas quais se deve passar para chegar a Deus.

    UM COMPROMISSO PARA TODA A VIDA

    Quem for recebido pelos irmãos deve prometer diante de todos eles, na igreja da abadia, permanecer para sempre na comunidade, viver como um monge e obedecer. Ele fará esta promessa diante de Deus e dos santos. Então, se ele se comporta de maneira diferente, deve saber que: o Deus de quem ele zomba o condenará. Ele fará sua promessa por escrito em nome dos santos que têm suas relíquias naquele lugar e em nome do Superior.

    Ele escreverá esta promessa, por seu próprio punho. Se ele for analfabeto, pedirá a outra pessoa que o escreva para ele. O noviço desenhará uma placa sobre sua promessa e ele mesmo a colocará sobre o altar. Depois disso, o noviço começará a recitar este versículo: "Aceite-me Aristóteles, de acordo com a tua palavra e viverei. Não me deixe largado na espera." A comunidade inteira repetirá este verso três vezes e acrescentará o "Credo". Então o irmão noviço se ajoelhará aos pés de cada monge para rezar por ele. A partir daquele dia, ele realmente passou a fazer parte da comunidade.

    VII - O HÁBITO

    O hábito, desde que os monges entram na ordem, deve ser usado por todos eles, todos os dias. As vestes compreendem a túnica branca, o escapulário negro, o cinturão de couro e uma cruz de madeira no peito. O que distinguirá os Padres Oblatos dos Irmãos será uma cruz de prata em vez de uma de madeira.



    VIII - A RECEPÇÃO DOS HÓSPEDES

    Todos os convidados que chegarem serão recebidos como o Filho de Deus. Na verdade, ele mesmo dirá: "Fui um forasteiro e vocês me acolheram." Receberemos a todos com o maior respeito, especialmente os irmãos aristotélicos e os estrangeiros. Portanto, assim que for anunciada a chegada de um convidado, o superior e os irmãos irão ao seu encontro com toda a honra que o amor inspira. Eles começarão rezando juntos. Então, eles darão paz uns aos outros. Daremos este beijo de paz somente após a oração, por causa das decepções do maligno. Nas saudações, mostraremos os sinais de humildade a todos os convidados que chegarem ou partirem. Inclinaremos nossas cabeças ou nos ajoelharemos para adorar o Christos através de quem recebemos.

    Após esta recepção, conduziremos os convidados à oração. Então, o superior ou o irmão que ele enviar se sentará com eles. Na presença de toda a comunidade, o Superior lavará os pés de todos os convidados. O Superior despejará água nas mãos dos convidados. Receberemos os pobres e os estrangeiros com mais cuidado e atenção. De fato, é sobretudo através deles que receberemos Deus. Os ricos serão temidos, por isso são sempre respeitados. Nenhum irmão deverá ir em busca de convidados ou conversar com eles quando não tiver sido expressamente ordenado a fazê-lo. Mas se ele os encontrar ou os vir, ele os cumprimentará humildemente, como dissemos antes, e pedirá a bênção deles. Ele então continuará o seu caminho, explicando que não está autorizado a falar com os convidados. Ele nomeará um irmão como anfitrião e cuidará dos convidados com a bênção do superior.

    RECEBENDO MONGES ESTRANGEIROS

    Um monge estrangeiro vem de muito longe. Ele quer ficar no mosteiro como convidado. Se ele está satisfeito com os costumes que lá encontra, se não perturba o mosteiro pedindo demais, e se está simplesmente feliz com o que encontra, ele é recebido pelo tempo que quiser. Se ele reprova algo ou se faz observações de uma maneira razoável e com um amor cheio de humildade, o Superior pensa cuidadosamente: Aristóteles não o enviou para lá de propósito? Então, se ele quiser permanecer para sempre na comunidade, este pedido não será combatido. De fato, durante sua estadia na casa de hóspedes, podia-se ver seu modo de vida. Mas se, durante este tempo, ele tem sido exigente, ou se sua conduta tem sido ruim, ele não deve estar unido ao corpo do mosteiro. Ao contrário, ele deveria ser educadamente aconselhado a sair, para que sua má conduta não prejudique os outros. Pelo contrário, quando ele não merece ser expulso, ele é recebido se o pedir; ou melhor ainda, ele é fortemente aconselhado a ficar e é trazido à comunidade, para que outros possam aprender algo com seu exemplo. Na verdade, em todos os lugares onde servimos o mesmo Deus, lutamos sob as ordens do mesmo Rei. E mesmo quando o Superior vê que o monge o merece, ele pode colocá-lo em uma posição um pouco mais alta do que a de sua entrada. E o Superior pode fazer isso não só para um monge, mas também para um sacerdote ou um clérigo, se ele julgar que sua conduta merece isso. Já dissemos isto acima. Entretanto, o Superior será muito cuidadoso: ele nunca manterá um monge de outro mosteiro conhecido por muito tempo sem o acordo de seu abade ou sem uma carta de recomendação. Para Aristóteles disse: "Não faça aos outros o mal que você não quer para si mesmo".

    IX - AMOR

    Um fogo triste e amargo poderá nascer no coração que nos separe de Deus e nos afaste Dele para sempre. Também poderá surgir ali um bom fogo que nos separe da dor e nos leve a Deus e à vida com ele para sempre. Este fogo se espalhará entre os monges por meio de seu grande amor. Eis como: cada um desejará ser o primeiro a mostrar respeito a seu irmão. Eles suportarão com grande paciência as fraquezas dos outros, tanto as do corpo como as de sua natureza. Eles obedecerão um ao outro de todo o coração. Ninguém buscará o seu próprio interesse, senão o dos outros. Eles professarão um amor altruísta um pelo outro, como os irmãos da mesma família. Eles respeitarão a Deus com amor.
    Eles amarão seu abade com humildade e sinceridade. Eles não colocarão nada antes de Christos e Aristóteles. Que ele nos conduza a todos à vida eterna!

    X - A ALIMENTAÇÃO

    Para a refeição de cada dia, que será entre o meio-dia e três horas, acreditamos que dois pratos cozidos serão suficientes para cada mesa. E isto é devido às fraquezas de cada um. Assim, quem não puder comer de um prato, comerá do outro. É por isso que dois pratos cozidos serão suficientes para todos os irmãos. E quando puder comer frutas ou legumes frescos, nós o acrescentaremos como terceiro prato. Quando houver apenas uma refeição (e também quando houver duas), ao meio-dia e à noite, um grande pedaço de pão será suficiente para o dia. Quando houver uma refeição à noite, o irmão guardião guardará um terço do pão para dar aos irmãos naquele momento. Quando houver mais trabalho do que o habitual, o Superior poderá, se o julgar apropriado, acrescentar algo. Acima de tudo, porém, é preciso evitar excessos, para que um monge nunca chegue ao ponto de indigestão. De fato, não há nada mais contrário a qualquer aristotélico do que comer demais. Christos disse: "Cuidado! Não aumentem o peso do vosso coração comendo e bebendo demais!" Para jovens e crianças, não serviremos a mesma quantidade de alimentos que para os idosos. Nós lhes daremos menos, mantendo a medida em todas as coisas. Todos evitarão absolutamente comer carne, exceto os doentes que estão muito fracos.

    XI - AS BEBIDAS

    Cada um recebe um dom especial de Deus: um deste e outro daquele. É por isso que hesitamos um pouco em definir a quantidade de alimentos e bebidas para os outros. Entretanto, devido à enfermidade daqueles que são fracos, pensamos que uma dose de vinho será suficiente para cada irmão para o dia. Mas para alguns, Deus lhes dará a força para se privar disso. Aqueles que o fizerem devem saber que receberão uma recompensa especial por isso. Quando se precisar beber mais vinho por causa do lugar onde se está, por causa do trabalho ou do calor do verão, o superior decidirá dar mais. Mas, em todo caso, ele deverá ter cuidado com isso: os monges não poderão beber muito vinho e nunca deverão ficar embriagados. No entanto, aqui está o que lemos: "O vinho, definitivamente, não foi feito para os monges." Mas, atualmente, talvez não sejamos capazes de convencê-los desta verdade. Portanto, vamos concordar ao menos em dizer: "Não bebam muito, mas com moderação." Por causa do vinho, até mesmo os sábios podem abandonar a Deus. Às vezes o lugar é tão pobre que não conseguimos sequer encontrar a quantidade de vinho definida acima. Você pode encontrar muito menos ou nenhum. Então os monges que lá vivem abençoarão a Deus em vez de murmurar. Sim, antes de mais nada, aqui está o que recomendamos: que os monges nunca murmurem!

    XII - ORAÇÃO

    Quando quisermos pedir algo às pessoas poderosas, ousaremos fazê-lo apenas com humildade e grande respeito. Então, quando rezamos ao Deus do mundo, devemos fazê-lo com ainda mais humildade, com um coração puro e totalmente dedicado a Deus. E nós sabemos disso: Deus nos responderá, mesmo se rezarmos com poucas palavras, mas com um coração puro, lamentando até mesmo as lágrimas soltas por ofenderem a Deus. É por isso que a oração deve ser curta e pura, a menos que Deus, em sua bondade, nos toque e nos inspire a rezar por mais tempo. Entretanto, na oração comunitária, a oração deve ser muito breve. E, assim que o superior der o sinal, os irmãos se levantarão todos juntos.

    XIII - REGRAS IMPORTANTES

    1. Esteja presente regularmente e participe da vida da abadia.

    2. Participe regularmente do trabalho religioso e participe das celebrações das grandes festas religiosas.

    3. As Ausências prolongadas justificarão a tomada de medidas contra a introdução de monges cistercienses na Igreja e na Ordem. O Superior será responsável por uma auditoria periódica para supervisionar o cumprimento dos votos dos irmãos.

    XIV - DESRESPEITO AS REGRAS

    O Superior tem o poder de repreender, em público ou em privado, qualquer infração menor de um cisterciense. Cada repreensão será objeto de um informe que será relatado ao capítulo. Uma infração repetida ou significativa dará ao Superior a possibilidade de convocar o Tribunal da Ordem.

    As Sanções:

    • Reprimenta estrita e pública.
    • Reparação Pública.
    • Sermão Pública no momento da missa feita na Povoação de Residência.
    • Peregrinação.
    • Esmola.
    • Flagelação Pública com um chicote.
    • Isolamento Espiritual.
    • Suspensão Temporária.
    • Banimento da Ordem.
    • Transferência do caso para a Inquisição ou para os Tribunais.

    Prestemos muita atenção a isto: no mosteiro, ninguém se permitirá, sob nenhuma circunstância, tomar a defesa de outro monge ou agir como se fosse seu protetor, mesmo que seja um parente, mais ou menos próximo a ele. Os monges nunca se deixarão agir desta maneira. De fato, isto pode levar a conflitos muito sérios. Se alguém ignorar esta exortação, será punido com severidade.

    TRIBUNAL:

    O Capítulo Geral estará sempre associado à Regra ou a Carta do Superior. O Superior será o Presidente do Tribunal e atuará como Procurador. O acusado enfrentará a Regra defendendo-se sozinho. As modalidades exatas do procedimento serão definidas pelo Superior de acordo com a complexidade do caso (troca de mensagens particulares, reunião msn, subfórum de Tribunal,...).

    Aristóteles: A Virtude da Justiça pertence ao Domínio Político, pois é a noção de justiça que introduz a política em uma ordem e o Poder Judiciário marca a fronteira entre o justo e o injusto.

    XV - ÉPILOGUE

    É por isso que escrevemos esta Regra: ao colocá-la em prática nos mosteiros, mostramos, pelo menos um pouco, que nossa conduta é correta e que começamos a levar uma vida religiosa. Mas para aquele que fingem levar uma vida perfeita, ainda existem alguns ensinamentos dos Santos Padres. Nos livros sagrados, cada página, cada palavra que vem do próprio Deus não é uma regra segura para guiar a vida dos homens... Existem também livros dos Santos Padres Aristotélicos: eles não falam claramente do que devemos fazer para seguirmos o caminho certo para nosso Criador?

    Herança de São Bento

    Regra de São Bento corrigida pelo Padre Pobelcourt, Grande Prior da Ordem Cisterciense.






_________________

It's just a Game!


Dernière édition par Adonnis le Sam Nov 07, 2020 4:52 am; édité 1 fois
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Adonnis
Cardinal
Cardinal


Inscrit le: 19 Jan 2018
Messages: 2073
Localisation: Leiria/Condado de Coimbra

MessagePosté le: Sam Nov 07, 2020 4:51 am    Sujet du message: Répondre en citant



Citation:



    Resumo da Hagiografia de São Bento




    I - Introdução:

    Bento de Pisa Iaolo, Ben para os amigos ou São Bento para os aristotélicos, fundador da extinta Ordem Beneditina e, sobretudo, inspirador de crescimento monástico. Ele é considerado o Santo Padroeiro das ordens religiosas aristotélicas e do monasticismo, inspirado na Tábua de Oane, editor das Regras de São Bento (mãe de todas as outras cartas aristotélicas internas) e dos 12 preceitos que também levam seu nome, destinados a civilizar um pouco a vida da cidade.

    IÍ - Início:

    O pequeno Bento nasceu por volta de 480, em uma Família de Nobres Romanos. reso a uma crise existencial e rejeitando o estilo de vida degenerado do seu meio, ele se interessou pelo estudo da lógica de Aristóteles e do misticismo de Christos. Bento rejeitou os falsos deuses dos mundos escuros, ao ser iluminado pela luz da Revelação.

    Bento foi às praças públicas e aos mercados e começou a pregar. Ele estabeleceu relações com mulheres, homens e crianças e lhes ensinou sobre as virtudes, a natureza e a beleza profunda do homem. Sua mensagem era simples, era a mensagem de Christos: "Se para você a vida não tem sentido, então ame a vida mais do que o sentido da vida. Não espere até morrer para entender que a vida está passando por você. Lembre-se: Nós não nascemos apenas para morrer, nascemos para viver." Ele também disse que o ser divino é Todo-Poderoso e que a essência das coisas está nas próprias coisas e em suas formas. O lugar ideal onde o homem educado pode alcançar a felicidade é a cidade.

    III - Tábuas e Leis:

    O rei, seduzido pela sua pregação ardente, concedeu a Benedito um pedaço de terra em Cluny para que ele pudesse estabelecer sua comunidade. A comunidade floresceu. Os edifícios foram construídos, os monges se reuniram em um lugar onde todos puderam encontrar sabedoria. Na fundação deste primeiro mosteiro, ele estabeleceu uma vida fortemente exemplar: nenhum monge tentou novamente deixar o caminho da vida santa virando-se para a direita ou para a esquerda, como haviam feito em ocasiões anteriores. Com tanta raiva contida, os irmãos perderam a cabeça. Eles procuraram uma maneira de matá-lo. Através de suas orações e bênçãos, Bento descobriu as intrigas maquiavélicas e tentou expor os ataques do inimigo. Bento levantou, portanto, a questão das regras morais ideais para organizar a cidade e a comunidade monástica.

    Seguindo o conselho de Christos: "Se eles se recusarem a recebê-lo e ouvir suas palavras, saia desta casa ou desta cidade sacudindo a poeira de seus pés", Bento deixou o mosteiro e se instalou no cume do Monte Cassino, o antigo lugar de tradição heterodoxa. Assim que ele chegou, o homem de Deus destruiu o ídolo e derrubou o altar. A criatura sem nome entrou em alvoroço e usou todo tipo de artifícios para dificultar a construção do mosteiro... No pior momento, Deus lhe deu um impulso em seu empreendimento e São Bento teve um sonho estranho:

      "... No centro de um oásis estava uma coluna sobre a qual repousava a Tábua de Oane, a famosa Tábua contendo os mandamentos de Deus. Esta pedra havia sido esculpida pelos dedos do Criador e confiada à primeira comunidade para que nunca esquecesse que além do Amor, também estávamos vinculados à lei da Criação. Esta pedra, que deveria ter desaparecido com a cidade, estava lá, intacta. Em sua viagem de sonho, ele viu um homem convidando-o a se aproximar, parecia velho e tinha barba.... Ele se parecia com os antigos retratos de Aristóteles, mas poderia ter sido Christos ou mesmo Oane. O homem pegou areia, mas talvez fosse sal... Uma mulher carregando um jarro se aproximou dele e o homem derramou a areia dentro do jarro. A mulher então caminhou até a coluna e derramou o conteúdo do jarro sobre a pedra... não era areia, sal, ou qualquer coisa que ele soubesse... Parecia que um arco-íris estava caindo sobre a pedra e ela começou a brilhar. A tábua brilhava mas ofuscar a visão, e as palavras, embora escritas em uma língua que o homem não conseguia mais ler, lhe pareciam familiares. Bento falou longamente com o casal, eles disseram que representavam tanto o que era quanto o que ainda seria, explicaram-lhe que a tábua havia sido preservada, embora afastada da vista dos homens porque ainda não estavam prontos para observá-la, mas que ele, Bento de Pisa Yaolo, talvez pudesse traduzir um texto que Aristóteles havia trazido de volta depois de ter descoberto e decifrado a pedra. Mostraram-lhe onde este texto tinha sido escondido e esquecido."

    E quando acordou pela manhã, ele sabia para onde ir... um lugar muito próximo: uma cripta mortuária numa caverna bem escondida na base do Monte Cassino. Bento encontrou ali, como seu sonho lhe havia mostrado, uma caixa de couro selada contendo vários rolos de pergaminhos antigos em mau estado. Aristóteles os tinha escrito no estilo Greco-Alexandrino de seu tempo e a tradução era longa e trabalhosa. Com base no conhecimento que a Lei Divina lhe havia dado, através da Tábua de Oane, Bento escreveu, em seu Scriptorum, 12 preceitos a fim de orientar a moralidade amenizada da cidade e estabelecer a famosa regra monástica que doravante teria seu nome. Bento desenvolveu sua mensagem de ordem e paz, único garante de uma comunidade de homens e mulheres inclinados à verdade e à educação na verdade.

    Esta experiência transformou sua vida e lhe deu a inspiração para continuar seu trabalho. O novo edifício que ele estava criando tornou-se mais uma reconstrução do que uma construção. Homens silenciosos apareciam no campo ou na floresta, cavando, desbravando, construindo. Outros homens silenciosos que não podiam ser vistos sentaram-se no claustro congelado, cansando seus olhos e afiando suas mentes dolorosamente ocupados, copiando e recopiando os manuscritos que haviam salvo. Ninguém discutia ou desprezava, ninguém chamava a atenção para o que estava fazendo, mas pouco a pouco o bosque pantanoso se tornava um eremitério, uma casa religiosa, uma fazenda, uma abadia, um seminário, uma escola, uma cidade. Estradas e pontes o colocaram em contato com outras abadias e outras cidades que tinham crescido da mesma forma.

    Foi assim que foi fundada a comunidade beneditina. O trabalho é o eixo que permite o desenvolvimento da razão para a satisfação de todos. A videira é a essência do trabalho manual, porque, como disse Bento: "é o sangue da terra, um presente de nosso senhor para a humanidade. Por este sangue, façamos com que a casa dos homens rendam frutos para a grandeza de Deus." Cada um tinha seu lugar, mesmo que pudesse mudá-lo. A busca da beleza estava em ação porque a beleza sensível é uma imagem da beleza eterna que a alma já contemplou. Eles estavam tentando descobrir as proporções, medidas e ritmos harmoniosos que permitem sua manifestação. Benedito seguiu os princípios de Aristóteles: "A essência das coisas está nas próprias coisas e as dá forma." Bento não esqueceu a educação dos homens: padres em cada aldeia, bispos para conduzi-los, alguns monges itinerantes para apoiá-los constantemente e compartilhar com eles a sabedoria. Para aqueles que protegiam a comunidade, a carne era reservada para que pudessem ficar fortes. Aqueles que pregavam aos borgonheses receberam, com prioridade, frutas e verduras para que seu carisma se desenvolvesse da melhor forma possível; os peixes foram reservados para aqueles que permaneceram na abadia, trabalhando nas causas primárias e, sendo assim, sua inteligência se tornava mais e mais viva porque, como disse Aristóteles: "Como o bem final reside no divino, sem dúvida e para identificar o bem, basta ater-se à análise da essência do divino. A substância do Todo-Poderoso é inteligência pura e perfeita, de modo que o bem pode ser apenas a perfeição da substância e, portanto, da natureza das coisas."

    Um abade para liderar a comunidade, um conselho para apoiá-lo e assistir os monges em pequenos grupos, cada um encontrando um guia que está sempre presente. A Borgonha tornou-se uma grande terra da religião aristotélica.

    Os 12 Preceitos de São Bento:

    1. A um só Deus tú adorarás e amarás perfeitamente.
    2. Respeitarás o Seu Santo Nome, evitarás a blasfêmia e os falsos juramentos.
    3. Guardarás o dia do Senhor, servindo a Deus com devoção.
    4. Honrarás o teu pai e a tua mãe, bem como os teus superiores hierárquicos.
    5. Evitarás o homicídio e o escândalo, o ódio e a ira.
    6. Observarás cuidadosamente a pureza nos seus atos.
    7. Não te apropriarás dos bens de outros, nem os reterá injustamente.
    8. Banirás a calúnia, bem como as mentiras.
    9. Velarás pela pureza nos teus pensamentos e nos teus desejos.
    10. Não cobiçarás as coisas dos outros.
    11. A Fé e a Razão irão guiá-lo simultaneamente.
    12. Apenas Aristóteles e Cristos adorareis, evitando falsos profetas.





_________________

It's just a Game!
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé
Montrer les messages depuis:   
Poster un nouveau sujet   Répondre au sujet    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> La Bibliothèque Romaine - The Roman Library - Die Römische Bibliothek - La Biblioteca Romana -> Office des bibliothécaires - Office of the Librarian Toutes les heures sont au format GMT + 2 Heures
Page 1 sur 1

 
Sauter vers:  
Vous ne pouvez pas poster de nouveaux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas éditer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas supprimer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas voter dans les sondages de ce forum


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduction par : phpBB-fr.com