L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church
Forum RP de l'Eglise Aristotelicienne du jeu en ligne RR
Forum RP for the Aristotelic Church of the RK online game
 
Lien fonctionnel : Le DogmeLien fonctionnel : Le Droit Canon
 FAQFAQ   RechercherRechercher   Liste des MembresListe des Membres   Groupes d'utilisateursGroupes d'utilisateurs   S'enregistrerS'enregistrer 
 ProfilProfil   Se connecter pour vérifier ses messages privésSe connecter pour vérifier ses messages privés   ConnexionConnexion 

[P] Livro do Eclipse

 
Poster un nouveau sujet   Répondre au sujet    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> La Bibliothèque Romaine - The Roman Library - Die Römische Bibliothek - La Biblioteca Romana -> Le Dogme - The Dogma
Voir le sujet précédent :: Voir le sujet suivant  
Auteur Message
Arnault d'Azayes



Inscrit le: 08 Mar 2011
Messages: 16134

MessagePosté le: Mar Aoû 26, 2014 6:13 pm    Sujet du message: Répondre en citant

Citation:


Livro do Eclipse
Capítulo VI - «O Sol»


1 Assim que a pequena sala onde eu me encontrava com aquele estranho subiu, eu tive a desagradável sensação de ser mais pesado que o normal. Mas, quando ela parou por um momento, senti-me extremamente leve. Durante esse pequeno lapso de tempo eu não engordei nem emagreci. A porta abriu-se em duas, como eu havia visto mais abaixo. O desconhecido então virou-se para mim e disse: “Chegaste”. Ele tinha um sorriso de gentileza e doçura. Isso restituiu-me um pouco de vivacidade e finalmente ousei perguntar-lhe: “Mas quem és tu?”

2 Ele respondeu: Eu sou o barqueiro, o único anjo a manter-se fora do Paraíso para a eternidade. O meu papel é acompanhar até aqui todos aqueles que ainda não fizeram a escolha”. “Que escolha?”, exclamei eu, surpreendido. Mas, mesmo sem a minha resposta, ele esboçou um dos seus belos sorrisos e estendeu a sua mão em direcção ao exterior da sala para me convidar a avançar. Vendo que não me iria dar mais informações, eu decidi avançar. Mal sai, a porta atrás de mim fechou-se, as suas duas partes juntaram-se, e eu ouvi a sala a voltar para baixo.

3 Eu esperava encontrar uma paisagem paradisíaca, mas, no lugar disso, eu encontrei aquela detestável pedra azul que compunha o pico infernal. Ela tinha sido talhada de maneira a formar uma espécie de terraço. Perguntei a mim mesmo como podia sair daquele sítio, que eu pensava ser um terrível armadilha. Efectivamente, eu tinha chegado ao topo e não havia nenhuma hipótese de eu cair se experimentasse descer pela parede do pico. Quanto à estranha porta, eu não sabia como abri-la. Então, sentei-me a chorar, perguntando a mim mesmo que pecado horrível tinha eu cometido para ser assim punido.

4 Uns momentos depois, ouvi o som de batidas de asas. Olhei para cima e vi um espectáculo magnífico: sete anjos pousavam no terraço azul. Eu reconheci o Arcanjo Miguel, Santo Patrono da Justiça, armado, com uma magnífica espada na mão e um grande escudo maravilhosamente ornamentado. Mas os meus conhecimentos teológicos eram limitados e eu perguntei, sem vergonha, o que é que eu tinha feito. Esperava ouvir alguma censura, mas não foi esse o caso. Todos olharam para mim com um olhar cheio de doçura e amor.

5 Um deles avança em direcção a mim e diz-me: “Sou Jorge, Arcanjo da Amizade. E aqui estão Gabriel, Arcanjo da Temperança; Miguel, Arcanjo da Justiça; Micael, Arcanjo da Dedicação; Galadriele, Arcanjo da Perseverança; Sílfael, Arcanjo do Prazer e Rafael, Arcanjo da Convicção. Nós sete, sobre as ordens do Profeta Aristóteles e do Messias Cristo, estamos responsáveis por guiar os humanos, sobre o caminho da virtude, que os leva até Jah e ao Seu Paraíso.

6 Eu tinha à minha frente os sete humanos mais importantes da história, com excepção de Aristóteles e Christos. Perante tal privilégio, eu só pude ajoelhar-me aos seus pés, com a cabeça contra a terra. Mas Jorge disse-me: “Não te ajoelhes perante nós: nós somos humanos. Somente Jah merece isso. Nós somos simplesmente os seus humildes servidores, cumprindo a Sua vontade divina. Mas vem connosco, porque a hora da escolha está perto. Nós estamos aqui para te levar até ao Sol.”

Spyous


_________________

Mort des cardinaux von Frayner et d'Azayes
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé MSN Messenger
Arnault d'Azayes



Inscrit le: 08 Mar 2011
Messages: 16134

MessagePosté le: Mar Aoû 26, 2014 6:13 pm    Sujet du message: Répondre en citant

Citation:



Livro do eclipse
Capitulo VII - «Paraiso»


1 Os sete Arcanjos ficaram cara a cara comigo. Eles mostraram seus grandes sorrisos cheios de bondade, enfatizada por seus olhares, tão cheios de ternura. Pela primeira vez desde que eu tinha deixado o meu cão sozinho no campo, eu relaxei e permiti-me participar na serenidade que irradiava. Eles ajudaram-me a levantar e Michael, o mais robusto, içou-me em suas costas. Eu avermelhada com a ideia de montar um Arcanjo como um cavalo. Mas todos eles riram, vendo o embaraço no meu rosto. Esse riso não era de troça, mas cheio de amizade.

2 Então, sete pares de asas grandes esplêndidas e estendidas. Eles aproximaram-se da borda e deixaram-se cair. Eu uivava de terror, mas meu grito foi sufocado quando os Arcanjos retificado seu voo e partiram em direção ao sol. Eu podia ver debaixo de mim toda a lua e eu prometi para mim mesmo, se a ocasião me fosse dada a mim, para viver sempre na virtude, de acordo com os preceitos de Aristóteles e Christos, para nunca mais voltar para um lugar tão sórdido. Galadrielle concedeu-me outro sorriso e disse-me: "Está bem. Tu tomas-te uma decisão criteriosa. Podem os vivos fazem o mesmo. "

3 Eu perguntava-me como ele tinha sido capaz de conhece tão bem os meus pensamentos mais profundos. Mas o meu espírito foi alegrado com rapidez, ao ver o espetáculo que foi oferecido. Nós tínhamos acabado de sair da lua e voamos no espaço que o separa do sol. As estrelas foram oferecidas para o meu olhar como tantos espetáculos de magia. Eu poderia até mesmo distinguir muitas outras estrelas cuja existência eu não tivesse conhecido de, não sendo capaz de ser visto do mundo. Este sol imenso, que eu nunca tinha visto tão perto, ocupou a essência da minha visão. Eu senti-me como uma mosca, em comparação a uma vaca: minúsculo.

4 Nós chegamos muito perto da estrela divina com chamas de vários quilómetros de comprimento passou muito perto de nós. Eu perguntava-me se não estava indo para compartilhar com os sete Arcanjos um final bastante desastroso. No entanto, Michael, com quem eu estava sempre empoleirado, disse-me: "Não tenha medo do que vês aqui." Então eu vi que as chamas cobriam a parte do sol, dando lugar a um espetáculo esplêndido. Foi sob esta camada externa da chama que eu tinha intenção de falar desde a minha infância mais tenra, sem nunca saber do que consistia: Paraíso!

5 Nós pousamos em um lugar mágico. Tudo estava banhado com uma luz suave. Para onde quer que eu olha-se não encontrava a menor escuridão. Tanto quanto os olhos podiam ver, não havia habitação, nem o mínimo de construção de qualquer tipo. Aqueles que estavam com fome apanharam os frutos das árvores. Aqueles que apreciaram os prazeres do relaxamento estenderam-se na relva. Crianças brincavam inocentemente, rindo e correndo pela relva alta. Os sete Arcanjos disseram-me que me deixariam aqui pois a sua missão estava concluída. Eu agradeci-lhes muito e disse-lhes minhas despedidas.

6 Decidi caminhar e ver esse lugar encantado. Todos aqueles que eu conheci me desejaram as boas-vindas e sorriram para mim. Voltei a sorrir-lhes e agradeci. Todos respiraram bondade, felicidade e alegria. Quando me aproximei de uma pequena fonte onde a água parecia tão claro que eu não pude resistir refrescaste-me lá, notei dois homens profundamente em discussão. Eles notaram também e me acenaram para que eu me aproximasse. Percebi então que à minha frente estavam nada menos do que Aristóteles e Christos. Eles acomodaram-me com a maior gentileza. Eles perguntaram-me se eu gostava do lugar e se eu tinha estado em uma jornada feliz. Eu estava tão comovido que não conseguia responder. Gaguejei algumas palavras vagas, enquanto eu ainda tentava compreender o que estava na minha frente. Neste momento ouvi uma voz.



_________________

Mort des cardinaux von Frayner et d'Azayes
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé MSN Messenger
Arnault d'Azayes



Inscrit le: 08 Mar 2011
Messages: 16134

MessagePosté le: Mar Aoû 26, 2014 6:14 pm    Sujet du message: Répondre en citant

Citation:


Livro do Eclipse
Capítulo VIII - «A Ressurreição»


1. Aquela voz que eu ouvi, enquanto me encontrava na companhia de Aristóteles e de Christos, era calma e penetrante. Explicaram-me que era Jah, ele mesmo que me iria colocar a pergunta. A voz divina disse-me: “Tu, humano que tens o nome Sypous, tu vieste até mim, e descobriste tudo o que um ser humano poderá saber após a sua morte. Tu visitaste cada um dos sete infernos, onde tu encontraste todos os Príncipes-demónios, que foram te apresentados de acordo com a Minha vontade. O que é que aprendeste com esta viagem?”

2. Eu respondi: "Eu compreendi o significado da Salvação. Quando um humano viveu na virtude, conformando-se com a Tua divina palavra, transmitida pelo profeta Aristóteles e por Christos, o messias, tu o autorizas a aceder aos Teus lugares, ao Paraíso, perto do Sol. Se ele se desvia da virtude, recusando ouvir a Tua divina palavra, e ele se abandona aos prazeres terrestres, ao egoísmo, à tentação, as falsas divindades, a Tua infinita sabedoria leva-te a envia-lo para o Inferno, na Lua, para ser punido para a eternidade. Tu amas-nos, e nós devemos Te amar também”.

3. Jah me disse: "Agora, chegou a hora de fazeres a tua escolha. Tu podes aceitar a morte. Nesse caso, eu julgarei a tua vida, os momentos em que tu soubeste trabalhar para a virtude, e aqueles onde tu te desviaste dela. Se, então, eu te julgar e tu fores merecedor, tu te juntaras aos eleitos para uma eternidade de alegria e felicidade. Mas, se Eu te julgar e vir que a tua vida não foi suficientemente virtuosa, tu conheceras uma eternidade de tormentos no Inferno. Mas, se tu achas que o teu tempo ainda não foi concluído, que tu ainda não fizeste as tuas provas perante Mim, tu podes decidir voltar à vida”

4. Eu não sabia o que responder. Teria eu o mérito de me juntar ao Paraíso, ou de acabar os meus dias no Inferno? Então, comecei a ouvir vozes. Eram as vozes dos meus amigos que rezavam pela Salvação da minha alma. Apesar de eles estarem na Terra, eu conseguia-os ouvir. Reconfortou-me o facto de eles se apoquentarem com o que é que me ia acontecer. Cabia-me a mim de lhes mostrar que as suas preces não eram em vão. Eu decidi de aceitar a ressurreição, para poder viver na virtude e merecer o Paraíso. Eu devia-lhes isso, pelo menos tanto quanto eu devia isso a mim mesmo”.

5. Então, Jah me disse: “Desde que Eu decidi mudar o espírito dos humanos em alma, para que ela seja julgada aquando da sua morte, cada um deles percorre o mesmo caminho que te conduziu a Mim, e Eu ponha a mesma pergunta a todos eles. Alguns têm a mesma prudência que tu, outros acedem ao Paraíso, outros subestimam a qualidade da sua virtude e são enviados para o Inferno”.

6. Aqueles que aceitaram como tu, a ressurreição não guardam memória da sua viagem celeste. Assim, o seu comportamento só muda caso a lição tenha sido gravada no fundo dos seus corações. Mas, para que todos saibam qual a terrível sorte que lhes espera, caso voltem as costas ao Meu amor, eu deixo excepcionalmente a tua memória. Assim, tu poderás testemunhar a tua viagem. E esse testemunho durará durante séculos e séculos. Agora, tu sabes qual a tarefa que Eu te confiei, volta a tua vida, até que Eu te chame de novo para fazeres uma nova escolha.”

7. Então, a minha vista começou a ficar enevoada. Eu tinha somente tempo de ver uma vez mais Aristóteles e Christos e dizer até já, antes de perder a consciência. Quando acordei, estava na minha cama, com os braços em cruz. À minha volta estavam velas acesas e os meus amigos a rezar. Em lágrimas, mais visivelmente aliviados, contaram-me que eu já estava morte há nove dias. Eu levantei-me, fui até ao pé da janela, e vi que o Sol difundia a sua nova luz calorosa sobre o mundo. Eu contei aos meus amigos a minha incrível viagem e decidi de escrever tudo o que vivi durante a minha morte.


Sypous




_________________

Mort des cardinaux von Frayner et d'Azayes
Revenir en haut de page
Voir le profil de l'utilisateur Envoyer un message privé MSN Messenger
Montrer les messages depuis:   
Poster un nouveau sujet   Répondre au sujet    L'Eglise Aristotelicienne Romaine The Roman and Aristotelic Church Index du Forum -> La Bibliothèque Romaine - The Roman Library - Die Römische Bibliothek - La Biblioteca Romana -> Le Dogme - The Dogma Toutes les heures sont au format GMT + 2 Heures
Page 1 sur 1

 
Sauter vers:  
Vous ne pouvez pas poster de nouveaux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Vous ne pouvez pas éditer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas supprimer vos messages dans ce forum
Vous ne pouvez pas voter dans les sondages de ce forum


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduction par : phpBB-fr.com